Todos os posts por carlosrossi

Sobre carlosrossi

Autodidata - ☻Mega Arquivo - Início em Março de 1988

5080 – É perigoso agitar um recipiente com água que acaba de sair do microondas?


No microondas, a água ferve homogeneamente e pode atingir 100 graus Celsius sem entrar em ebulição. Mas, se o recipiente for retirado e agitado, as bolhas de ar que ficam presas junto às paredes podem se soltar e desencadear uma fervura repentina. “No fogão, o risco não existe porque o recipiente se aquece de maneira desigual”. “Formam-se correntes que liberam as bolhas.”
Ao menor toque, o líquido pode entrar em ebulição.
1. No microondas, todas as moléculas de água se aquecem por igual. Assim, nem sempre se criam as correntes frias e quentes que caracterizam a ebulição. Sem esse movimento, as bolhas de ar formadas na parede do recipiente ficam intactas.
2. Mas, se alguém mexer no recipiente, provoca uma agitação. As minúsculas bolhas da parede podem então se libertar e se juntar, formando uma bolha grande, suficiente para provocar uma ebulição repentina capaz de espirrar água fervendo.

5079 – Viagra contra a incontinência


A pilulinha azul é mesmo um santo remédio. Além de combater a impotência, ainda pode ajudar a resolver problemas de bexiga como a cistite hemorrágica, que impede o doente de controlar o ato de urinar. Um estudo feito pelo médico Haylton Suaid, da Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto, mostrou que ratas com cistite hemorrágica passaram a ter maior controle da bexiga depois de tomar o citrato de sildenafil, princípio ativo do Viagra.

5078 – O bronzeamento artificial faz mal à saúde?


Se for feito com muita freqüência, sim. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, as lâmpadas das máquinas de bronzear lançam raios ultravioleta (UV) em uma quantidade duas a três vezes maior do que a emitida pelo Sol. Essa radiação é a responsável pelo escurecimento da pele: os raios UV estimulam a produção de melanina, o pigmento escuro que protege a derme. O bronzeamento é, na verdade, uma reação de defesa. Até aí, tudo bem. “O problema mesmo é quando você se expõe demais a essa energia concentrada”. É que os raios atravessam a epiderme e chegam às camadas mais profundas da pele. Lá estão as fibras de colágeno e elastina que a sustentam. Atingidas repetidamente, elas se rompem, acelerando o envelhecimento. O bombardeio de radiação ultravioleta sobre o DNA pode, eventualmente, ter também um outro efeito, bem mais nefasto: o câncer de pele. “Como isso é capaz de demorar décadas para se manifestar, ninguém acredita que abusar das máquinas faz mal”. Cuidado. Antes de se submeter a uma câmara de bronzeamento, consulte um dermatologista para saber qual é a dosagem adequada ao seu tipo de pele.

5077 – Por que o vírus da dengue é transmitido por mosquitos e o da Aids não?


Ninguém pega a Aids por picada de mosquito porque o HIV, causador da doença, é destruído quando chega ao intestino do bicho. Qualquer vírus, para se multiplicar, precisa antes penetrar na célula do hospedeiro. Ele só faz isso se encontrar certas fechaduras químicas, os chamados receptores. As células do intestino do mosquito não têm nenhum receptor para o HIV. Sem poder entrar, ele é, então, digerido. Com o agente causador da dengue a história é diferente. Ele pertence a um grupo de micróbios que se adaptam especialmente bem ao organismo dos insetos – o dos arbovírus –, que compreende também o vírus da febre amarela. “O microrganismo do dengue passa ileso pelo intestino do animal”. Assim, ele se multiplica e se acumula nas suas glândulas salivares. Na próxima picada, o mosquito injeta saliva na vítima. Esse líquido é essencial para a absorção do sangue, porque está repleto de substâncias que dilatam os vasos e impedem a coagulação. Infectada pelo vírus, a baba do inseto transmite a dengue para o ser humano.

5076 – Chegou a pílula anti-piolho


O laboratório Sintofarma lançou no Brasil a Revectina, um novo medicamento para combater piolhos. É o primeiro remédio em forma de comprimido contra esses parasitas – até agora, todas as drogas eram aplicados no couro cabeludo do paciente – e em dose única. O princípio ativo da Revectina é a ivermeticina, uma droga usada originalmente no combate a vermes e ácaros. Além de matar os piolhos, ela impede o contágio.

5075 – Rádio que espanta pernilongo


Uma tarde o técnico em telecomunicações estava trabalhando em uma estação de radiotransmissão em Cascavel, no Paraná, quando foi atacado por uma nuvem de mosquitos. Irritado, tentou espantar os insetos usando várias freqüências sonoras diferentes em um aparelho transmissor. Até que conseguiu. Sem querer, chegou muito perto das ondas emitidas pelo sonar do morcego, um dos principais predadores dos mosquitos.
Os bichos aparentemente reconheceram o inimigo, pois fugiram de medo.
Ele foi parar no laboratório do biólogo Oswaldo Marinotti, na Universidade de São Paulo. Com a ajuda dele, acabou gravando um CD que reproduz sons de cerca de 100 000 hertz (ciclos por segundo), que imitam o sonar do morcego. São inaudíveis para os humanos, mas aterrorizantes para mosquitos como o Aedes aegypti, causador da dengue.
Mas ainda faltam mais pesquisas para comprovar a eficácia.

5074 – Automóvel – Air Bag contra a capotagem


A Grand Cherokee também está equipada com os air bags

A Ford foi a primeira montadora do mundo a equipar seus carros com um airbag projetado especialmente para capotagens. Disparado do teto do veículo, o dispositivo protege o motorista e todos os passageiros, inclusive os do banco traseiro. As bolsas de ar são programadas para permanecer abertas durante 6 segundos, tempo suficiente para resistir a algumas reviravoltas do automóvel.
O que você tem que saber
• Airbag Ford SUV
• Opcional para veículos esportivos
O dispositivo protege a cabeça dos passageiros durante uma capotagem.
Um sensor mede o ângulo de aprumo do veículo em relação ao solo e avalia se há movimentos laterais capazes de desestabilizá-lo.
Em caso de colião lateral, inclinação ou capotagem, o sensor dispara a abertura dos airbags, que caem do teto do veículo. Isso ocore em 130 milissegundos.

5073 – Doping no Turfe


Pha Lap, a lenda

Foi esclarecido o mistério da morte do cavalo de corrida Pharlap. Era 1 animal puro sangue de origem inglesa com grande performance durante a grande depressão no início dos anos 30. Venceu 37 das 51 corridas que disputou. Em 1930, conquistou 14 provas seguidas, incluindo a Melbourne Cup. Com tantas vitórias, o cavalo foi convertido em herói nacional na Austrália. Em 1932, morreu repentinamente no auge da forma, enquanto se preparava para estrear no milionário circuito de corridas americano. A autópsia não constatou nenhuma doença, além de uma inflamação no estômago e um coração de 6 quilos, quase o dobro do tamanho normal,justificando o seu extraordinário fôlego. A suspeita era de que havia sido envenenado por mafiosos. Recentemente, através de uma análise feita nos pelos da crina do animal, os cientistas revelaram que ele ingeriu uma quantidade letal de arsênico 35 horas antes da sua morte, o dobro do que um cavalo pode suportar. O filho do tratador veio a público dizer que seu pai ministraraum “elixir secreto” e a base era arsênico e estrecnina. Tais substâncias podem agir como fortificante ou veneno, dependendo do tamanho da dose: pouco, hipertrofia o coração, faz bater mais rápido e aumenta a capacidade pulmonar. A estricnina abre o apetite e age como energético. As 2 substâncias juntas estimulam tanto o rendimento físico que são consideradas doping, mas se a , mas se a ingestão for exagerada, são letais.
É provável que o tratador e treinador tenham se excedido na dose e matado seu campeão. O animal pode ser visto no Museu de Melbourne.

5072 – Cuidado com a Anorexia


Só pele e osso

Uma modelo de nome Ana Carolina morreu de problemas causados por anorexia. Na 1ª agência de modelos que visitou foi recusada, aos 12 com 1,70 m, medida considerada insuficiente. Fez sessões de alongamento e voltou a agência 1 ano depois com 1,72. Aos 18, deixou a pequena Jundiaí e foi para a China. Pesava 51 quilos e tinha uma vida normal, até que um agente de moda chinês disse que estava obesa. Em 2 meses perdeu 4 quilos. Alguns meses depois estava com 42 quilos e foi para o México, mas não obteve sucesso. Foi para o Japão, onde as modelos são magérrimas, fazendo o seu 1° trabalho em Osaka, no Japão, desmaiou e foi levada ao hospital. De volta ao Brasil em 2005, seus ossos apareciam. A mãe ofereceu uma feijoada, ela recusou; comeu um pedaço de pão mas vomitou. Não conseguia mais se alimentar, um sintoma da doença em estágio avançado. Consultas com psicólogos foram marcadas, mas ela não compareceu. Quando foi internada estava sem comer há 2 dias, pesava 40 quilos e vestia calça n° 34. Antes de ir para o hospital sentia muita dor nas costas. Internada, teve parada respiratória ainda na enfermaria. Morreu após 21 dias na UTI por insuficiência de múltiplos órgãos, septicemia e infecção urinária. Ela sonhava em ser oceonógrafa e já planejava deixar a profissão de modelo.
Casos famosos
Ocorrências de anorexia e bulimia podem ser encontrados no cinema, na música, no esporte e até em família real. A atriz Jane Fonda, por exemplo, conviveu com a anorexia dos 15 aos 40 anos. Ela conta que queria “agradar e ser perfeita”, o que na época queria dizer “esquelética”.
Na música, um dos exemplos mais conhecidos de problemas relacionados a distúrbios alimentares é o da cantora e baterista Karen Carpenter, que morreu em 1983, aos 32 anos, depois de ter sofrido um ataque cardíaco decorrente de anorexia. Ela formava com o irmão, Richard, o grupo The Carpenters, famoso nos anos 70.
Outro caso emblemático é o da princesa Diana (1961-1997), que assumiu que foi bulímica e anoréxica –e que já havia tentado cometer suicídio.
No esporte, a surfista brasileira Andréa Lopes, teve anorexia aos 20 anos. No auge da doença, chegou a pesar 38 kg –hoje ela tem 59 kg. “Todo mundo que vinha me oferecer comida era uma ameaça para mim. Tinha obsessão com o meu peso e só pensava em ser campeã mundial.”
Ela começou a se tratar após insistentes pedidos da mãe, que chegou a ouvir na praia que a filha “deveria ter Aids”.

5071 – Por que, depois que comer algo muito doce, outras comidas nos parecem sem sabor?


Experimente comer um pedaço de pudim com muita calda e tomar um gole de suco logo depois. O gosto é dantesco. Isso acontece porque a sua língua passa um tempo entupida. Entupida, mesmo. Nela existem pequenas estruturas em forma de cogumelo chamadas botões gustativos. Elas contêm sensores nervosos, que enviam ao cérebro as informações sobre os sabores. Quando você come algo muito doce, a saliva fica com uma concentração tão grande de açúcar que todas as papilas acabam cobertas de glicose. Qualquer outro alimento que você provar a seguir parecerá sem gosto. Essa sensação ocorre não apenas com o doce mas também com os outros sabores. “Se você experimentar algo muito salgado e em seguida um doce, também não sentirá o sabor”. É por isso que os degustadores profissionais costumam beber um copo d’água ou comer um pedaço de pão entre um prato e outro. Isso serve para “limpar” os sensores de sabor.
1. A língua está cheia de papilas gustativas, os sensores que comunicam o sabor ao cérebro.
2. Quando você come algo muito doce, a saliva enche-se de açúcar. Todas as papilas são tapadas e outras moléculas saborosas não conseguem se ligar a elas.

5070 – Por que aquele docinho de chocolate de aniversário se chama brigadeiro?


Puro marketing eleitoral. Em 1945, o brigadeiro Eduardo Gomes, da União Democrática Nacional, disputava a sucessão presidencial de Getúlio Vargas com o marechal Eurico Gaspar Dutra, do Partido Social Democrata. Aliado do presidente, Dutra tinha a popularidade dele a seu favor. Gomes contava com o trunfo do eleitorado feminino. Alto e charmoso, nunca se casou. Seu lema de campanha era ‘vote no brigadeiro, que é bonito e é solteiro.
As mulheres que o apoiavam resolveram conquistar os eleitores pelo estômago. “Elas misturavam leite condensado com chocolate em pó e faziam o ‘docinho do brigadeiro’, vendido para arrecadar fundos para a campanha”, conta a historiadora da Nestlé Solange Peirão. A guloseima fez sucesso, mas não adiantou. Dutra deu um banho em Gomes – 55% dos votos contra 35% – e assumiu a Presidência em 1946.

5069 – O Ouvido Absoluto


Muito antes de ficar famoso pelas Bachianas Brasileiras e outras obras-primas da música erudita, Heitor Villa-Lobos já era um menino prodígio, violoncelista profissional aos 12 anos de idade. Mas seria impossível dizer quanto desse talento precoce já tinha nascido com ele. Desde cedo, o genial compositor foi educado pelo pai, músico amador dos mais apaixonados – e professor ultra-rigoroso. Parte de seu método consistia em obrigar o filho a identificar quais notas musicais eram emitidas em qualquer som ambiente, do pio de um passarinho ao freio de um trem. E, toda vez que errava – crock! –, o pobre Heitor entrava no cascudo.
Agora a Ciência está descobrindo, tal como no caso do maestro brasileiro, que o ouvido absoluto não é um dom divino, mas algo que pode ser adquirido por meio de treinamento, desde que feito na infância. Até há pouco, acreditava-se que ele era um privilégio inato e raríssimo, prerrogativa de uma em cada 10 000 pessoas. Essa visão começa a ser derrubada. Há pesquisadores que acham até que todos nascemos com esse potencial.
É fácil para um professor de música reconhecer os alunos que têm ouvido absoluto. Essa tribo superdotada costuma sofrer da compulsão de identificar musicalmente qualquer ruído. Há até uma anedota a respeito do compositor austríaco Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) quando jovem. Uma vez ele teria exclamado “Sol sustenido!” ao ouvir o guincho de um porco.
Mozart, a mais célebre criança prodígio na história da música, tinha em comum com Villa-Lobos um pai ambicioso e exigente, que o obrigava a estudar noite e dia. A questão é saber se ele desenvolveu seu talento extraordinário porque começou cedo ou se começou cedo porque tinha um dom natural.
Nos Estados Unidos, uma pesquisa apresentada em novembro à Sociedade Acústica Americana conclui que todos nós temos, pelo menos em potencial, um ouvido absoluto. Sua autora, a psicóloga Diana Deutsch, da Universidade da Califórnia, partiu de uma analogia com as línguas tonais – as diversas línguas, na maioria asiáticas e africanas, em que uma mesma palavra pode ter diferentes significados apenas variando a entonação.
É claro que a disposição genética também conta. O geneticista Peter Gregersen, da Universidade de Nova York, pesquisou 600 indivíduos com ouvido absoluto e descobriu que “25% dos seus filhos também têm essa capacidade, em comparação com 1% dos filhos de músicos sem ouvido absoluto”.

5068 – Por que os cartões de crédito são desmagnetizados quando ficam próximos a aparelhos de televisão?


Atenção para os lugares onde você deixa a carteira. Vários eletrodomésticos, como a TV, o aparelho de som e o telefone celular, podem danificar os cartões de crédito. É que as informações do cliente são gravadas magneticamente, e qualquer ímã pode interferir nessa gravação. “Um aparelho de TV ligado produz um campo magnético que bagunça as informações gravadas em cartões, fitas de vídeo, disquetes de computador ou mesmo em bilhetes do metrô, que funcionam com o mesmo princípio”. A técnica de gravação nasceu na Dinamarca no final do século passado, quando o engenheiro Valdemar Poulsen demonstrou que uma corda de piano imantada poderia guardar a voz humana. O invento, batizado de telegrafone, ganhou um prêmio na exposição de Paris de 1900, mas não fez sucesso comercialmente. Em compensação, o método desenvolvido por Poulsen foi aperfeiçoado e hoje serve para armazenar qualquer tipo de informação – de um texto digitado em computador até a sua senha bancária.
A tarja magnética é coberta com uma camada de partículas de óxido de ferro.
Para gravar uma senha qualquer, é preciso passar um eletroímã sobre ela. Isso faz com que as partículas se transformem em pequenos ímãs, que ficam alinhados, codificando os dados.
Se há um outro campo magnético por perto, como o de uma TV ou um alto-falante, os ímãs alinhados da tarja são atraídos outra vez e perdem o rumo. A informação se apaga.

5067 – Estranha chuva de energia inunda a Terra


Não muito longe do Sol em termos astronômicos, a menos de 10 quintilhões de quilômetros, na periferia da Via Láctea, existe uma região enigmática chamada de Cinturão de Gould. Repleta de estrelas gigantes e massas enormes de gás, ela contém corpos celestes ainda não identificados com precisão. Sabe-se que eles estão lá porque inundam a Terra de raios gama, uma forma de radiação invisível, 100 milhões de vezes mais energética do que a luz. “Esses raios provavelmente são emitidos por astros superdensos, chamados estrelas de nêutrons”. Outra possibilidade seria tratar-se de restos estelares que caem dentro de buracos negros. Nesse processo os resíduos esquentam muito e lançam feixes mortíferos de radiação. “De certo sabemos apenas que esses objetos são muito numerosos.

5066 – Um filho de pais destros pode nascer canhoto?


Nunca se sabe qual é a causa exata de um indivíduo ser destro ou canhoto. A escolha da mão mais útil é o resultado da ação de vários genes e também do ambiente onde eles se combinam. “Não é uma herança fácil de determinar, como a cor dos olhos ou a do cabelo”, explica uma geneticista da Universidade de São Paulo. Tanto que nada impede que pais canhotos tenham um filho destro – ou vice-versa. Segundo Mayana, ainda que os genes favoreçam uma ou outra característica, fatores como a posição do útero no momento da fecundação podem mudar tudo. E, mesmo que a criança nasça com tendência a ser destra ou canhota, ela pode ser condicionada a usar a outra mão. Bom mesmo é ser ambidestro. Se bem que na política dá confusão.

5065 – Mega Notícias – ZOOLOGIA – Potência na selva


O diário inglês London Times anuncia que pesquisadores chineses pretendem dar Viagra a pandas para tentar aumentar o ritmo dos acasalamentos. O crescimento da população ajudaria a salvar a espécie.
A primeira luz
Obtida a imagem mais nítida já feita do brilho que resta do Big Bang, a explosão que deu origem ao Cosmo, há 13 bilhões de anos. Para seus autores – da Universidade de Roma e do Instituto de Tecnologia da Califórnia –, ela comprova que a expansão do Universo não terá fim. Ele crescerá para sempre.
ZOOLOGIA – Mico amazônico
Encontrada uma nova espécie de macaco, que foi batizada de Callithrix manicorensis pelo zoólogo holandês Marc von Roosmalen, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), em Manaus. O primata, de 22 centímetros de comprimento, foi achado a menos de 300 quilômetros da capital amazonense.
MEDICINA – Cannabis na clínica
Aprovada lei que permite o uso de maconha para fins terapêuticos no Estado americano do Havaí. O governador Benjamin Cayetano, que mandou o projeto de lei à assembléia, declarou que a assinará em seguida. A erva tem sido recomendada em casos de glaucoma, Aids e seqüelas da quimioterapia.
PALEONTOLOGIA – Coração de pedra
Exame de tomografia revela que um caroço petrificado em um esqueleto do dino tesselossauro, de 66 milhões de anos, é de fato o que sobrou de seu coração. É o primeiro órgão interno que foi encontrado num fóssil. O autor do achado é o médico americano Andrew Kuzmitz, da cidade de Ashland, Estado de Oregon.
PALEONTOLOGIA – Jacaré antigo
Anunciada a descoberta de um crocodilo de 135 milhões de anos no Maranhão, a 120 quilômetros de São Luís, pelo geólogo Ismar de Souza, da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

5064 – Serra tem um novo cume


O pico mais alto de S.P.

A rixa entre paulistas e cariocas não poupa nem as montanhas. O geógrafo Lorenzo Bagini, da Universidade de São Paulo, acaba de descobrir que o ponto culminante da Serra da Mantiqueira, na divisa entre Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, não é o famoso Pico das Agulhas Negras, no município fluminense de Itatiaia. O título agora vai para a Pedra da Mina, localizada em Queluz, São Paulo. Bagini fez a medição no ano passado com o auxílio de satélites. Assim, deu à montanha exatos 2 796 metros de altura, 8 a mais que Agulhas Negras. A diferença, pequena, não chega a desmerecer o imponente pico fluminense. O problema é que nunca houve antes um registro preciso das altitudes da região. E o maciço rochoso da Serra Fina, onde se localiza a Pedra da Mina, é solenemente ignorado por todas os mapas aeronáuticos oficiais existentes sobre a Mantiqueira, o que é um perigo para a aviação.

5063 – Por que escocês usa saia?


O kilt, ou saiote escocês, é uma adaptação de uma túnica de lã chamada plaid, cuja origem ninguém conhece ao certo. Supõe-se que ela tenha sido usada desde o século VI antes de Cristo pelos celtas, os antigos habitantes das terras altas da Escócia. Era um traje com comprimento até os joelhos, como o moderno kilt. O tecido xadrez com o qual se fazia o manto foi batizado de tartan (quadriculado, no idioma celta). Era a roupa perfeita para o frio das montanhas escocesas. Além de quente, a lã protegia contra a umidade. Por isso acabou virando a vestimenta dos montanheses. “As calças compridas só foram trazidas às Ilhas Britânicas pelos anglo-saxões, a partir do século V da nossa era”, afirma uma historiadora de moda da Faculdade Santa Marcelina, em São Paulo. Mesmo assim, os descendentes dos celtas que habitavam as highlands (terras altas) continuaram usando suas túnicas. Como os tartans eram tingidos com plantas de diferentes regiões da Escócia, os clãs dominantes em cada distrito começaram a ser reconhecidos de acordo com o padrão xadrez de seus kilts. No século XIX, o movimento romântico tentou fazer das saias de lã um símbolo nacional da Escócia. “Isso desagradou aos moradores das planícies, que usavam calças e achavam o kilt um sinal de barbarismo”, contou o historiador escocês Alex Woolf, da Universidade de Edimburgo. Mas o fato é que a moda pegou. Hoje é comum ver homens de kilt pelas ruas das cidades escocesas.

5062 – De onde surgiu a expressão tortura chinesa?


Por preconceito. Na verdade não se conhece uma tortura especificamente chinesa. A expressão está ligada à suposta capacidade atribuída a esse povo de arquitetar um suplício cruel refinado por uma prolongada duração. Um exemplo clássico do “espírito” da tortura chinesa, explica um professor do Departamento de História Antiga da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, “é deixar, por horas, uma gota d’água pingando na testa de alguém”. A dor se torna cada vez mais insuportável. “Isso é uma crueldade planejada por um cálculo de tempo.” Só que ninguém sabe quem, realmente, a inventou. O fato de a China ter se isolado do mundo de 1368 a 1644 gerou a suspeita estrangeira de que seu povo seria fechado, frio e calculista. Daí a expressão, no fundo insultuosa. Na verdade, tanto no Ocidente quando no Oriente a maldade humana não conhece limites.

5061 – Química – Nitroclicerina explodiu avental


Em 1845, o químico alemão Christian Friedrich Schönbein (1799-1868) derramou acidentalmente uma mistura de ácidos nítrico e sulfúrico na mesa de sua cozinha. Usou um avental para limpar a sujeira e pendurou-o sobre o fogão, para secar. Quando o tecido estava quase seco, houve uma pequena explosão. Schönbein examinou o material e percebeu que a mistura dos ácidos formara uma nova e instável substância, a nitrocelulose. Anunciou a sua fórmula, mas não soube o que fazer com ela. Dois anos depois, o químico italiano Ascanio Sobrero (1812-1888) combinou a mistura com glicerina e produziu um novo composto, a nitroglicerina. Sem se dar conta da sua periculosidade, resolveu aquecê-lo num tubo de ensaio. O tubo voou pelos ares numa explosão forte o bastante para convencer Sobrero a abandonar as experiências. De susto em susto, vinte anos depois, em 1867, o químico sueco Alfred Nobel (1833-1896) finalmente patenteou uma forma mais segura de nitroglicerina, em bastões – a dinamite.