6290 – Mega Memória Imigração


Em um interior de MG chamado Itabirinha de Mantena, num sobrado estilo colonial funcionava a exportação clandestina de mão de obra barata para Portugal.
A truculência da polícia de Portugal mexeu com os brasileiros e levou o então presidente Itamar Franco a um decreto em que no Brasil só poderiam trabalhar portugueses com visto antes da viagem. Tal atrito não abalaria a vontade de emigrar da população do canto leste de MG e que inclui a cidade de Governador Valadares. A notícia da abertura de promissoras oportunidades alastrou-se para as cidades vizinhas. Mantenópolis, no Espírito Santo, onde partiram 150 pessoas. Com a única novidade na economia brasileira era a volta do fusca, os brasileiros continuaram a procurar lá fora o que faltava no Brasil, mesmo que a busca levasse a lugares como o Zaire, um dos países mais pobres, corruptos e convulsionados da África. Numa certa quarta feira na década de 1990, desembarcaram operários contratados por uma empreiteira no Amazonas, para construir 650 casas populares em Kinshasa, a capital. Surpreendidos com o fogo-cruzado da guerra civil, foram roubados por soldados amotinados e salvaram-se com a roupa do corpo. Não ficaram porém aliviados em voltar para o Brasil; preferiam o Zaire, onde a inflação anual passava dos 3200%. Lamentaram ter deixado casas com ar-condicionado, escola, comida farta e pagamento em dólares nos 6 meses vividos lá. Adotaram também o costume local de comprar esposas. Um mestre de obras de 57 anos comprou uma esposa de 14 e deixou um salário de 1850 dólares, 12 vezes mais do que poderia ganhar em Manaus.

6289 – Fábrica de Aedes transgênico no Brasil


Uma nova fábrica, inaugurada hoje em Juazeiro (BA), vai ampliar em oito vezes a produção nacional do mosquito transgênico da dengue.
Esse pode ser mais um passo para expandir, no país, uma tecnologia que reduz a circulação do Aedes aegypti.
Os machos do mosquito são modificados para transmitir genes letais à sua prole. O Aedes acaba morrendo ainda na fase de larva, diminuindo a população do mosquito, que é vetor da dengue.
Até aqui, 500 mil A. aegypti eram “fabricados” por semana e soltos em bairros de Juazeiro por pesquisadores da Moscamed (organização social ligada aos governos federal e da Bahia) e da USP.
Segundo os cientistas, essa experiência já é a mais ampla no mundo com os Aedes transgênicos, testados em menores proporções nas Ilhas Cayman e na Malásia.
A ideia agora é aumentar a produção nacional para 4 milhões semanais e soltá-los largamente em Jacobina (BA), cidade de 79 mil habitantes, possivelmente em setembro -antes da multiplicação dos insetos com mais chuvas.
Segundo Aldo Malavasi, diretor da Moscamed, o teste em Juazeiro gerou uma redução de até 85% na população selvagem do mosquito.
“Sairemos da fase de testes, que já comprovam que realmente há redução populacional, e vamos partir para o piloto em uma cidade de médio porte”, diz Malavasi. A nova fábrica custou R$ 1,7 milhão ao Estado da Bahia.
A tarifa que vem a seguir é relacionar a redução da população de Aedes com números mais baixos de dengue, diz Margareth Capurro, professora da USP que desenvolveu a parte técnica do estudo a partir de uma linhagem produzida no Reino Unido.
A dengue é classificada pelo ministro Alexandre Padilha (Saúde) como “a principal epidemia urbana do país”. Jacobina está entre as dez cidades com piores índices de dengue na Bahia e registrou duas das 19 mortes do Estado até 10 de junho, segundo dados do governo baiano. No país, foram 74 mortes entre janeiro e abril, diz a Saúde.
A ideia é, no futuro, ampliar a experiência para outras cidades que sofrem com dengue. Para tanto, explica Malavasi, será preciso avançar em entraves como a forma de liberação -hoje terrestre, o que limita a ação.
“Podemos conseguir a eliminação [do mosquito] em vários locais, como no semiárido. Mas, quando penso na Berrini [avenida próxima à marginal Pinheiros, em São Paulo] ou nos morros do Rio, me dá certo arrepio”, diz, referindo-se aos desafios de disseminação do inseto.
Capurro trata o Aedes transgênico como uma “tecnologia adicional”, que reduz o uso de inseticidas químicos e diminui o impacto ambiental, mas deve ser combinada a outras ferramentas, como controle de criadouros e campanhas com a população.
A mesma opinião tem o ministro Padilha, que vai acompanhar in loco a inauguração da futura biofábrica.
“O combate à dengue exige a combinação de ações de forte vigilância, controle do vetor e atenção à saúde. Sempre teremos de trabalhar com a combinação dessas estratégias”, argumenta o ministro.
As estratégias de modificação genética para enfrentar insetos transmissores de doenças são promissoras, mas ainda engatinham, em parte porque são tecnologias novas.
Além do caso do Aedes, há uma série de iniciativas, tocadas por grupos de pesquisa em várias partes do mundo, para fazer o mesmo com as diversas espécies de mosquitos do gênero Anopheles que transmitem a malária, talvez a doença infecciosa mais devastadora do mundo hoje.
Um dos grandes desafios envolve a chamada aptidão dos transgênicos. É que não adianta muito encher o ambiente com eles se os animais não conseguirem competir por parceiros com a forma selvagem -a característica desejada (gerar filhotes inviáveis ou estéreis, digamos) não se espalharia, e o efeito deles seria nulo.
Também é preciso estudar possíveis riscos ambientais da liberação.

6288 – Mega Memória Sampa – Autocine Moon


Assistir a um filme pelo parabrisas e transformar o banco do carro em espaço para, hum, namorar. Assim eram os autocines, que fizeram algum sucesso na cidade nos anos 1970 e 1980. Além dos filmes, os autocines ofereceriam também serviço de lanchonete. Para chamar o garçom, bastava acender a lanterna do carro. Mas o enredo do filme não era necessariamente o que atraia o público, que procurava esse tipo de estabelecimento com outra finalidade. Tanto que um dos costumes dos atendentes era dar uma “tossidinha” indiscreta antes de se aproximar dos carros, para evitar flagras picantes de casais dentro dos carros.
Embora tenha sido o mais famoso, o Chaparral não foi o primeiro autocine de São Paulo. Em 1968, foi inaugurado na Avenida Santo Amaro o Snob’s Auto Cine, o pioneiro da cidade, com capacidade para 260 carros. A entrada para os automóveis ficava na Rua 15 de Novembro, paralela à avenida. Havia campainhas para chamar os garçons, e os auto-falantes podiam ser instalados dentro dos carros para que os clientes controlassem o volume do som. A tela de projeção ficava fixada sobre uma parede feita de cimento armado, e tinha a altura de um prédio de 4 andares, com 8,5 metros de largura por 20 de comprimento. Era oferecido até um líquido especial para ser passado no parabrisas, com o objetivo de evitar que os vidros ficassem embaçados. O proprietário era o piloto Eduardo Selidônio, que conheceu o modelo de cinema ao ar livre nos Estados Unidos, em 1966. Lá, eram conhecidos como drive-in. Como Eduardo não gostava do nome, resolveu rebatizar com um termo mais brasileiro e definiu o Snob’s como um autocine. No livro Salas de Cinema em São Paulo, a autora Inimá Simões lembra que havia também mecânicos de plantão para atender a quem tivesse algum problema com o carro, além de uma área especial para acomodar clientes que chegassem a pé. O cinema funcionou até 1990.
Depois do Snob’s veio o Moon Auto Cine , inaugurado em março de 1970 na Avenida Interlargos. Tinha capacidade para 350 carros. O proprietário era Mário Paes da Fonseca, falecido em 2000, aos 78 anos. Olívia Antunes da Fonseca, de 59 anos, viúva de Mário, conta que o marido gostava muito do trabalho no cinema. “Ele só falava bem dos filmes, da clientela”, lembra. O metalúrgico Claudio Borges, hoje com 59 anos, trabalhou como operador de filme e lanternina no Moon entre 1971 e 1975. Ele conta que Mário não se incomodava com o namoro dentro dos carros. “Ele deixava as pessoas à vontade”, afirma. Mesmo assim, os funcionários repreendiam quem namorava dentro do carro, e tinham uma razão especial para isso: ganhar uma “caixinha”. “A gente ficava passando, só para incomodar, e pedia um dinheirinho para deixar os casais em paz”, confessa.
Quem também passou por apuros no Moon foi a advogada Regina Suffi. Ela gosta de contar uma saia justa que teve que enfrentar nos anos 80. Ela conhecia alguns autocines de Nova York, onde os cinemas ao ar livre eram programa de família, e achou que os de São Paulo seriam parecidos. Resolveu, então, levar seus seis filhos para assistir a um filme e comer lanches com refrigerante no carro. Até que uma das crianças perguntou por que o casal do carro ao lado não prestava atenção no filme e estava ficando sem roupa. O passeio terminou e foram todos para o Parque do Ibirapuera.
Em 1976, o Moon Auto Cine virou o Motel Auto Moon. Ficava no mesmo endereço. Olívia conta que o marido achou que, como o lugar era conhecido dos casais, a mudança poderia fazer sucesso. Em 1980, Mário oficializou a união com Olívia, fechou o motel e comprou um sítio em Sorocaba (SP). Passou a alugar o espaço para festas. “Ele mudou de ramo porque tinha uma certa idade e queria descansar”, conta ela.
Depois passou a ser Supermercado Barateiro e hoje é o Extra 24 horas.

6287 – Mega Sampa – Cinemas Abandonados na Cidade


Com o advento dos shoppings,os cinemas de rua foram abandonados,sem falar na concorrência dos DVDs

O Cine Belas Artes, que desligou seus projetores em março de 2011, está com cara de prédio abandonado. A fachada do antigo cinema da Rua da Consolação está toda pichada. Algumas lâmpadas que ficam do lado de fora estão penduradas apenas pelos fios. Nem o letreiro escapou. Pessoas que trabalham por ali aproveitam o espaço abandonado para fumar na hora do almoço. Há também curiosos que espiam pelos vidros empoeirados, cobertos com plásticos e jornais velhos. ”Estava só de passagem, mas parei para lamentar um pouco”, disse o músico Renato Vidal, em referência à perda do cinema. Mas o que vai funcionar no espaço abandonado? O imóvel não tem sinais de reforma, mas já teria um novo inquilino. Há um funcionário trabalhando no local como segurança. “É para não ficar abandonado”, explicou ele, que não quis se identificar. O segurança conta que foi contratado pela empresa que alugou o imóvel. Perguntado sobre o nome dessa empresa, ele responde apenas: “Aí não posso dizer porque me complica, né?”. Fábio Luchesi Filho, advogado do proprietário do imóvel, Flávio Maluf, nega que o lugar tenha um novo inquilino. Segundo ele, não há nenhuma novidade sobre o caso. O cineasta Andre Sturm, antigo dono do Belas Artes, não se conforma ainda com o fim do cinema: “Acho uma catástrofe que aquele imóvel vire qualquer outra coisa que não seja um cinema, independente do tipo de atividade”.

O Belas Artes não é o único cinema abandonado na cidade. Inaugurado em 1953 com uma sala de exibição com capacidade para 1.870 pessoas, o Marrocos, da Rua Conselheiro Crispiniano, no Centro, encerrou suas atividades em 1997. Em 2005, o endereço chegou a ser sondado pela Cinemark, que queria tranformar o espaço em um cinema multiplex, com cinco salas e som digital. Não deu certo. Na época, o diretor financeiro da Cinemark, Marcelo Bertini, declarou que, para fechar o negócio, faltava apenas “um patrocinador”. Vale lembrar que o Marrocos é tombado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental de São Paulo (Conpresp) desde 2009, o que impede que a arquitetura do imóvel sofra qualquer tipo de alteração. Hoje, o antigo Marrocos faz parte de um projeto da Secretaria Municipal de Cultura de restauração de cinemas antigos. A Prefeitura pretende transformar o local em um “teatro para concertos e peças”, como informou a secretaria em nota.

Marrocos, outro cinema de grande porte do centro, também desativado

Outros dois cinemas fazem parte do projeto. Um deles é o Ipiranga, localizado na avenida de mesmo nome, também no centro. O cinema foi inaugurado em 1943, e era administrado pela empresa Alvorada. Em 2005, encerrou suas atividades sem que a razão fosse revelada. A Prefeitura agora pretende revitalizar o espaço, também tombado pelo Conpresp em 2009, mantendo sua função de cinema. O espaço tem capacidade para 1,5 mil pessoas, com projeto original para apenas uma sala. O terceiro cinema do projeto da Secretaria de Cultura é o Art Palácio, na Avenida São João, que fica ao lado da Galeria do Rock. Inaugurado em 1936, o Art Palácio era o cinema em que o ator e diretor Mazzaropi costumava lançar todos os seus filmes, sempre no dia 25 de janeiro, aniversário da cidade de São Paulo. A decadência começou nos anos 80, quando o cinema passou a exibir filmes pornográficos. Agora, a intenção da prefeitura é transformar o local em um teatro musical.
Ainda não há previsão para o início das obras de restauração dos cinemas, e também não foi calculado o custo do projeto. Segundo a nota da secretaria, “a desapropriação está em andamento. Por esse motivo, ainda não é possível precisar o investimento total na recuperação de cada um deles”.

Cine Arte Palácio

6286 – Cinema – O Grupo Severiano Ribeiro


É uma empresa de exibição de filmes de cinema do Brasil. Atualmente possui mais de 215 salas de cinema, distribuídos em 35 complexos de exibição que totalizam aproximadamente 46.568 poltronas. Está presente em 16 cidades de 10 Estados do país, e utiliza a marca Kinoplex para a rede de cinemas multiplex do grupo.
O grupo surgiu nas mãos de Luiz Severiano Ribeiro, em Fortaleza no ano de 1917 com a inauguração do Majestic, primeiro grande cinema da cidade. Posteriormente mudou-se para o Rio de Janeiro, alugando um palacete de três andares para sua morada. Logo associa-se à Metro-Goldwyn-Mayer. Pelo acordo, a companhia americana fica responsável pelas reformas das casas e fornecimento de filmes, enquanto a empresa brasileira ficava a cargo do arrendamento e administração dos cinemas. O primeiro cinema próprio foi o Cine Odeon, no Centro do Rio. Depois veio o Cine Palácio, tendo sido este o primeiro cinema carioca a exibir um filme com som.

Kinoplex

A marca estreou no Shopping Parque Dom Pedro em Campinas com 15 salas e equipadas com aparelhos de tecnologia de ponta em exibição de filmes. Em seguida veio o Kinoplex Itaim, primeiro empreendimento do grupo na cidade de São Paulo e o Kinoplex Osasco. Depois veio o Kinoplex Praia da Costa no Shopping Praia da Costa em Vila Velha, depois veio Kinoplex Nova América, na zona norte do Rio de Janeiro e em dezembro, o Kinoplex Leblon – (Shopping Leblon), na zona sul da cidade. Em 2007 o grupo abriu UCI Kinoplex (em parceria com a UCI Cinemas), equipado com a tecnologia 3D, na zona norte do Rio de Janeiro no Norte Shopping. No fim de janeiro de 2008, foi inaugurado o Kinoplex Tijuca – (Shopping Tijuca), na zona norte carioca. Em abril de 2008 inaugurou 5 salas stadium no Independência Shopping, em Juiz de Fora / Minas Gerais. Em mais uma parceria com a UCI, inaugurou mais 5 salas stadium no Plaza Shopping Casa Forte denominado Kinoplex Plaza, em Recife. Em março de 2010 foram inauguradas as primeiras salas VIP da rede, no complexo do Shopping Vila Olímpia, em São Paulo, que ganhou o prêmio de melhor sala de cinema do Brasil. Depois no dia 15 de julho de 2011 foi inaugurado o “Kinoplex Maceió” no (Maceió Shopping)com 6 salas, sendo 2 em 3D. em 22 de julho de 2012 será inaugurado o Kinoplex São Luis no Shopping da Ilha na cidade de São Luis do Maranhão,com 10 salas e 3 salas 3D.

6285 – Acredite se quiser – Seu cérebro engana você


Você toma decisões irracionais, que vão contra os seus interesses? Você não está no controle da própria mente? Mas não se preocupe: você é normal. Não é maluco e possui um cérebro perfeito, como o de qualquer outra pessoa. Só que ele inventa coisas para iludir você. Não é por mal. É só uma maneira de economizar energia.
O cérebro humano é o objeto mais complexo do Universo. Tem 100 bilhões de neurônios, que podem formar 100 trilhões de conexões. Se fosse possível criar um computador com o mesmo número de circuitos do cérebro, ele consumiria uma quantidade absurda de eletricidade: 60 milhões de watts por hora, segundo uma estimativa de cientistas da Universidade Stanford. É o equivalente a quatro usinas de Itaipu trabalhando simultaneamente. Mas o cérebro humano gasta pouquíssima energia – 20 watts, menos que uma lâmpada. E mesmo assim consegue fazer coisas extremamente sofisticadas, de que nenhum computador é capaz.
Só que isso tem um preço. O seu cérebro não consegue analisar as situações de forma completamente racional, avaliando todas as variáveis envolvidas em cada caso. Para fazer isso, ele precisaria de ainda mais circuitos – e muito mais energia. Mas, ao longo da evolução, a natureza encontrou uma solução: o cérebro pode mentir para seu dono. Sim, mentir. Descartar informações, manipular raciocínios e até inventar coisas que não existem. Dessa forma, é possível simplificar a realidade – e reduzir drasticamente o nível de processamento exigido dos neurônios. “São efeitos colaterais do funcionamento normal do cérebro”, diz uma neurocientista brasileira.

Tudo começa pela visão. Você não percebe, mas o cérebro edita o que você vê. Das 16 horas por dia que uma pessoa passa acordada, em média, 4 horas são preenchidas por imagens “artificiais” – que não foram captadas pelos olhos, e sim criadas pelo cérebro.
O olho humano só capta imagens com clareza em uma pequena parte, a fóvea, que tem 1 milímetro de diâmetro e fica no centro da retina. Então, para compor a linda imagem que você está vendo agora, os seus olhos estão constantemente em movimento. Eles focam determinado ponto e depois pulam para o ponto seguinte. Cada um desses saltos tem duração de 0,2 segundo. Quer comprovar isso na prática? Na próxima vez em que você estiver conversando com uma pessoa, preste atenção nos olhos dela. Você irá perceber que eles se movimentam o tempo todo para escanear vários pontos do seu rosto.
O problema é que a cada pulo desses, enquanto os olhos estão se movendo para a próxima posição, o cérebro deixa de receber informação visual por 0,1 segundo. Durante esse tempo, você está cego. E, como nossos olhos fazem pelo menos 150 mil pulos todos os dias, o resultado são 4 horas diárias de cegueira involuntária. Você não percebe isso porque o cérebro preenche esses momentos com imagens artificiais, que dão a sensação de movimento contínuo. Mas que, na prática, você não viu.

O que você enxerga não é o que está acontecendo – e sim o que vai acontecer no futuro. É sério. Isso acontece porque a informação captada pelos olhos não é processada imediatamente. Ela tem de passar pelo nervo óptico e só depois chega ao cérebro. O processo leva frações de segundo, e você não pode esperar – um atraso na visão pode fazer com que você seja atropelado ao atravessar a rua, por exemplo. Então, o que faz o cérebro? Inventa. Analisa os movimentos de todas as coisas e fabrica uma imagem que não é real, contendo a posição em que cada coisa deverá estar 0,2 segundo no futuro. Você não vê o que está acontecendo agora, e sim uma estimativa do que irá acontecer daqui a 0,2 segundo.
O duelo entre os dois tipos de pensamento, o rápido-intuitivo e o lento-analítico, também tem uma explicação evolutiva. O córtex pré-frontal, região do cérebro responsável pelo processamento lógico, surgiu relativamente tarde na evolução da espécie humana – já as emoções e os instintos estavam com nossos ancestrais há muito mais tempo. Por isso elas são tão fortes e nos influenciam tanto. “A filosofia considera o ser humano um animal racional. Mas o que sabemos é que apenas em certas circunstâncias e à custa de muito esforço conseguimos ser racionais”.
Estudos têm revelado outra distorção: toda pessoa sempre tende ao otimismo, mesmo quando não há motivos para isso. A pesquisadora Tali Sharot, da University College London, gravou a atividade cerebral de voluntários enquanto eles imaginavam situações banais – como tirar uma carteira de identidade. Ela também pediu que os voluntários pensassem em coisas do passado. Os testes mostraram que as mesmas estruturas cerebrais são ativadas para recordar o passado e imaginar o futuro. Só que, ao imaginar o futuro, os voluntários criavam cenários magníficos – era o cérebro tentando colorir os eventos sem graça. “Cerca de 80% das pessoas têm tendência ao otimismo, algumas mais do que outras”, diz ela.
Quando você decide alguma coisa, na verdade o cérebro já decidiu – com uma antecedência que pode chegar a 10 segundos. Uma experiência feita no Centro Bernstein de Neurociência Computacional, em Berlim, comprovou que as nossas escolhas são resolvidas pelo cérebro antes mesmo de chegarem à consciência.
Voluntários foram colocados em frente a uma tela na qual era exibida uma sequência aleatória de letras. O voluntário tinha que escolher uma das letras e apertar um botão sempre que ela aparecesse. Os cientistas monitoraram o cérebro dos participantes durante o experimento. E chegaram a uma descoberta impressionante: 10 segundos antes de os voluntários escolherem uma letra, sinais elétricos correspondentes a essa decisão já apareciam nos córtices frontopolar e medial, as regiões do cérebro ligadas à tomada de decisões. Cinco segundos antes de o voluntário apertar o botão, o cérebro ativava os córtices motores, que controlam os movimentos do corpo. Isso significa que, 10 segundos antes de você fazer conscientemente uma escolha, o seu cérebro já tomou a decisão para você – e até já começou a mexer a sua mão.
O cérebro restringe previamente as suas possíveis opções e, pior ainda, escolhe uma delas antes mesmo que você se dê conta. É possível lutar contra isso. Lembra-se daquele outro tipo de pensamento, o lento-analítico? Basta colocá-lo em ação. E isso você consegue tendo calma, refletindo sobre as coisas e duvidando das suas escolhas e opiniões. Os truques do cérebro são poderosos, mas não invencíveis. Agora que você sabe como funcionam, está muito mais preparado para lidar com eles – e se tornar realmente livre para tomar as próprias decisões.

6284 – Candidatos ao IGNobel


Cientistas americanos tiveram a ideia de inserir dois fios no abdômen de uma barata, que foi conectada a uma máquina. E voilà: o açúcar que o inseto trazia na barriga gerou 1 microwatt de eletricidade. Energia suficiente para alimentar um minicomputador que os pesquisadores haviam inventado – e que controla o cérebro da pobre barata.

Mendigo é menos infeliz em país pobre
É o que mostra uma pesquisa do psicólogo Robert Biswas-Diener, que entrevistou moradores das ruas de Calcutá, na Índia, e de Fresno, nos EUA. Os indianos relataram um nível 30% maior de satisfação com a vida. Mesmo reclamando da falta de moradia, os mendigos indianos mostraram boa autoestima – ao contrário dos americanos.

Garçonetes que tocam nos clientes vendem mais bebida
A conclusão é de uma pesquisa da Universidade da Virgínia, que mandou 144 pessoas beberem em bares. Todos os voluntários, homens e mulheres, consumiam mais álcool se fossem tocados pelas garçonetes. Mas o efeito era mais forte entre os homens – prova científica de que rapazes bêbados tendem, sim, a confundir as coisas.

6283 – Psicologia – A Culpa é da Segunda-Feira


Domingo pode gerar uma sensação desagradável de fim de felicidade. Em 1969, o Minnesota State Hospital, nos Estados Unidos, descobriu que, nesse dia, algumas pessoas têm falta de entusiasmo semelhante à dos pacientes com depressão. Mas o culpado não é o domingo. É a segunda-feira.
Ou seja, é uma questão de antecipação. E, assim, a culpa pode recair em tudo que envolve domingo: programas da TV, lojas fechadas na rua etc. Claudio Martins, da Associação Brasileira de Psiquiatria, diz que pessoas que sofrem com mudança de rotina ficam perdidas ao ter que preencher o domingo. “Gente sem um núcleo afetivo estabelecido, familiar ou amoroso, sente um vazio”, explica. Já os que gostam do trabalho ou têm um bom relacionamento afetivo e se divertem com os amigos tendem a gostar mais de domingo.

6282 – Ecologia – Se a água potável acabasse o que aconteceria?


As teorias mais pessimistas dizem que a água potável deve acabar logo, em 2050. Nesse ano, ninguém mais tomará banho todo dia. Chuveiro com água só duas vezes por semana. Se alguém exceder 55 litros de consumo (metade do que a ONU recomenda), seu abastecimento será interrompido. Nos mercados, não haveria carne, pois, se não há água para você, imagine para o gado. Gastam-se 43 mil litros de água para produzir 1 kg de carne. Mas não é só ela que faltará. A Região Centro-Oeste do Brasil, maior produtor de grãos da América Latina em 2012, não conseguiria manter a produção. Afinal, no País, a agricultura e a agropecuária são, hoje, as maiores consumidoras de água, com mais de 70% do uso. Faltariam arroz, feijão, soja, milho e outros grãos.
Só a Grande São Paulo consome atualmente 80,5 bilhões de litros por mês. A água que abastece a região virá de Santos, uma das grandes cidades do litoral que passarão a investir em dessalinização. O problema é que para obter 1 litro de água dessalinizada são necessários 4 litros de água do mar, a um custo de até US$ 0,90 o m³, segundo a International Desalination Association. Só São Paulo gastaria quase R$ 140 milhões em dessalinização por mês. Como resultado, a água custaria muito mais do que os R$ 3 por m³ de hoje.
Mas há quem não concorde com esse cenário caótico. “A água só acaba se você acabar com o ciclo dela”, diz Antônio Félix Domingues, da Agência Nacional de Águas.

A estimativa é que 68,7% da água potável disponível está em calotas polares ou geleiras. Sim, o aquecimento global facilitou o acesso a essa água. O degelo já originou rios na Índia e no Nepal, por exemplo. Mas em 2050 quase toda essa água, possivelmente, já terá virado vapor. As últimas geleiras seriam alvos de cobiça. E, para não ter que extrair água delas, uma das soluções seria…
Grandes coletores de ar, que condensam a água na atmosfera, já existem e foram testados em desertos na Índia, por exemplo. No entanto, eles teriam que ser instalados longe dos grandes centros, pois os efeitos colaterais são graves: em grande escala, causam de problemas pulmonares a desertificação.
Potências espaciais como Estados Unidos, Rússia, Índia, Paquistão e China, além de empresas privadas, deverão iniciar uma nova corrida espacial. O objetivo seria buscar água em asteroides e nas calotas polares de Marte, onde haveria mais água que no solo da Lua.
Na Estação Espacial Internacional, desde 2008 astronautas bebem água graças a um equipamento que recicla suor e urina. Em 2050, todas as casas teriam água de reúso para cozinhar e beber. A tecnologia de purificar líquidos de esgoto também deverá ser popular.
Quem investir antes em dessalinização largará na frente. Hoje, na Arábia Saudita, por exemplo, 70% da água é dessalinizada. Nações sul-americanas como o Brasil também serão importantes por causa do aquífero Guarani, maior fonte de água subterrânea do mundo, que fica sob nossos pés.

Mar morto
Se a dessalinização é o recurso mais viável para obter água doce, ela também gera um grande impacto ambiental. Além do gasto de energia, a dessalinização ameaça a vida marítima nas regiões costeiras, segundo a ONG WWF. O mar vai ficar sem sal – com o perdão do trocadilho.

6281 – Mecânica – Como funciona o 4X4?



A tração 4×4 é recebida por veículos de 4 rodas, cujo sistema de transmissão distribui a força do motor a todas as rodas do veículo.
O principal objetivo desse sistema é aumentar a capacidade. No sistema integral, x4 funciona de forma permanente. Esse sistema requer a presença de um diferencial central, para compensar a diferença de velocidade entre as rodas dianteiras e traseiras. Exemplo de Veículos com esse sistema são o Subaru Impreza, BMW X1, Chevrolet Captiva e o Land Rover Defender. Em condições de piso adversas, existe a possibilidade de somente o eixo com menor aderência receber o torque do motor, imobilizando o veículo. Para compensar essa deficiência, um bloqueio para o diferencial central pode ser aplicado, garantindo a distribuição uniforme da potência para os eixos dianteiro e traseiro.
O sistema mais tradicional está presente na maioria dos veículos ‘off-road’ presença de uma caixa de transfende saem 2 eixos cardan, um para o eixo dianteiro, e outro para o eixo traseiro. Em condições normais, somente o eixo cardã traseiro recebe o torque do motor. Ao acionar uma alavanca por um botão no painel, um conjunto acopla o cardã dianteiro ao conjunto, transmitindo o torque do motor para o eixo dianteiro.
Nesse sistema, é comum a presença da roda-livre, de acionamento automático (por catraca ou vácuo), ou mecânico, onde o condutor deve descer do veículo e girar as chaves seletoras.
Em virtude da diferença de velocidade entre os eixos dianteiros e traseiros durante uma curva ou manobra, o sistema 4×4 tradicional não pode ser acionado em condições de piso com alta aderência, sob pena de danos severos aos componentes da transmissão. Então alguns sistemas selecionáveis mais modernos incluem um diferencial central, incorporado à caixa de transferência, ampliando sua versatilidade. Entre veículos com esse sistema está a Mitsubishi Pajero TR4.
No sistema tradicional, também é comum a presença de um mecanismo de multiplicação de torque, chamado reduzida. Consiste em um conjunto de engrenagens presentes na caixa de transferência, cuja finalidade é multiplicar a força gerada pelo motor, permitindo que o veiculo possa superar obstáculos como rampas de grande inclinação, por exemplo.
Os veículos Jeep Grand Cherokee possuem um sistema automaticamente selecionável chamado Quadra-Trac. Trata-se de uma caixa de transferência com um diferencial central de acoplamento viscoso (esse fluido viscoso não é óleo é silicone pois o óleo como atrito ele aquece e quanto mais calor menos viscoso fica o óleo já o silicone é ao contrário), onde o torque é transmitido para o eixo dianteiro somente se há uma grande diferença de velocidade entre os eixos dianteiro e traseiro. Esse diferencial central pode ser bloqueado ao se aplicar a reduzida.
Veículos leves, como o Volkswagen Passat 4-Motion e o Subaru Impreza, possuem tração integral com diferencial central de acoplamento viscoso. Nesses veículos, a tração 4×4 tem a finalidade de aumentar a estabilidade em curvas e a aderência em pisos molhados ou neve, não sendo voltados especificamente para a pratica de “off-road”. Não possuem bloqueio do diferencial central, e também não são equipados com reduzida.
A Ferrari lançou em 2010 um dos “4×4 integrais mais velozes do planeta”, e um dos primeiros controlados por computador. “distinto dos demais, só atua quando realmente é necessário. Tudo isso para acalmar os puristas, já que, em condições normais, somente as rodas traseiras fazem força no chão. Quando se exige que as dianteiras também o façam, o sistema de tração integral 4RM atua sem qualquer necessidade de intervenção do motorista e, muitas vezes, sem que ele sequer perceba sua ação”.
Ao colocar um diferencial central ou algum tipo de sistema viscoso de acoplamento entre os eixos frontais e traseiros, o 4×4 pode funcionar automaticamente, dependendo das condições de dirigibilidade. Estes sistemas detectam derrapagem das rodas e progressivamente travam os eixos frontais e traseiros para otimizar a tração. Nas situações em que haverá a necessidade de tração 4×4 intensa (ou seja, situações off-road), você pode engatar o 4×4 bloqueado e/ou 4×4 reduzido em praticamente todos estes sistemas.

Caixas de transferência
Como o nome sugere, a caixa de transferências repassa tração da transmissão para os eixos cardã frontais e traseiros. Também tem duas relações de marchas que servem para todas as marchas do câmbio. Um câmbio automático de 4 velocidades oferece, por exemplo, oito marchas para frente e duas relações de marchas para trás com uma caixa de transferência.
Para a utilização comum na estrada, é melhor manter a caixa de transferência em longa – em outras palavras, dirija o veículo como se você estivesse dirigindo qualquer outro carro que não tivesse a caixa de transferência. Para condições off-road, em baixa velocidade ou algumas situações de reboque em estrada, você pode querer mudar para reduzida, basicamente aumentando o torque nas rodas e dando maior controle nas descidas.

Quer seja rebocando um barco pesado em uma subida ou descendo ladeiras íngremes, a marcha reduzida pode dar uma clara vantagem sobre a normal, pois evita danos à embreagem.

Qual é o melhor?
Então, qual o melhor sistema para você? Se o seu veículo passará a maior parte do tempo na estrada e não vai enfrentar condições extremas, você pode considerar um 4×4 parcial. Mas pense em chuvas, tempestades ou mesmo neve (viagens pelo extremo sul da América Latina, por exemplo) e os motivos para adquirir um 4×4 integral ou permanente se tornam mais atraentes. Porém, se você deseja a segurança de saber que está sempre em 4×4, pronto para enfrentar qualquer terreno, então sua escolha tem de ser por 4×4 permanente.

A caixa de câmbio funciona com uma associação de polias (pinhões e coroas). Estas são ligadas por um eixo móvel se acopla a uma outra polia com tamanho diferente. O tamanho das polias são determinados pelo numero de dentes que esta contem. Assim quanto maior a polia, maior o numero de dentes.
Em cada associação de polia se tem uma relação diferente, esta relação é um cociente entre as polias. Cada marcha tem uma polia específica, assim, cada marcha tem sua relação própria. Isto permite que o motor trabalhe com um giro que seja apropriado para a situação (sem muito desgaste).

Diferencial

Este equipamento fica localizado dentro do eixo traseiro e dianteiro e com função de corrigir as diferenças de velocidades das rodas ao entrarem em uma curva. Sendo assim, a roda que fica do lado de dentro da curva tem uma velocidade menor do que a roda que fica do lado de fora, assim estas diferenças tem que ser corrigidas para que não haja desgaste dos pneus e o jeep perca a estabilidade.

O diferencial é constituído de polias (pinhão)circulares e cônicas, estas polias são comandadas por alguns anéis que fazem com que as velocidades dos semi-eixos (cada roda) tenham velocidades diferentes nas curvas ou outras situações diferentes, como atoleiros, pedras, buracos, etc…

Para toda velocidade é necessária uma certa quantia de potência do motor, que é definido pela resistência do arrasto aerodinâmico do carro e do atrito com o solo. Em termos off-road contamos também com a resistência ou os desníveis do terreno. O que define o desempenho do Jeep em off-road, além da potência do motor é, principalmente, a relação do diferencial do jipe. Por exemplo: um diferencial com uma relação “longa”, em trilha, muitas vezes requer mais potência e torque para locomover o veículo do que outro com uma relação “curta”. Por outro lado, em deslocamentos em rodovias, um jipe com uma relação mais longa roda mais e com o motor em baixo giro, enquanto outro com relação curta precisa manter o motor em alto giro para manter a mesma velocidade. Qual então é a relação certa? Sempre vai depender do uso que você vai dar ao seu carro. Um jipe que desenvolve mais ou um que ‘sobe em coqueiro’.

6280 – Fauna Brasileira – A Capivara


Encontrada em certas áreas das Américas do Sul e Central, próximo a rios e lagos, a capivara (Hydrochoerus hydrochaeris), também chamada de carpincho e capincho, é o maior roedor do mundo. Alimenta-se de capins e ervas. Daí, a etimologia de seu nome: “capivara” procede do termo tupi kapi’wara, que significa “comedor de capim”. Já “capincho” procede do castelhano platino capincho. No Rio Grande do Sul, é também conhecida por Jaguncio ou oretxa.
Quando a esquadra de Pedro Álvares Cabral chegou ao Brasil em 1500, os indígenas locais já domesticavam este animal.
É uma excelente nadadora, tendo inclusive pés com pequenas membranas. Ela se reproduz na água e a usa como defesa, escondendo-se de seus predadores. Ela pode permanecer submersa por alguns minutos. A capivara também é conhecida por dormir submersa com apenas o focinho fora d’água. No Pantanal, seus principais períodos de atividade são pela manhã e à tardinha, mas em áreas mais críticas podem tornar-se exclusivamente noturnas. Nas décadas de 1960 e 1970, as capivaras foram caçadas comercialmente no Pantanal, por sua pele e pelo seu óleo, que era considerado como tendo propriedades medicinais. Estudos posteriores indicam que pode haver, no mínimo, cerca de 400 mil capivaras em todo o Pantanal.
A capivara, como animal pastador, utiliza a água como refúgio, e não como fonte de alimentos, o que a torna muito tolerante à vida em ambientes alterados pelo homem: tornou-se famoso o caso da “capivara da lagoa”, que viveu durante meses no entorno da Lagoa Rodrigo de Freitas na área urbana do Rio de Janeiro, assim como é notória a presença de capivaras em partes dos rios Tietê e Pinheiros, em plena São Paulo, apesar do altíssimo índice de poluição destes rios.
Nas regiões ao longo do Rio Paraná no sul do Brasil e norte da Argentina, as capivaras são freqüentemente capturadas e aprisionadas para criações em cativeiro ou para serem abatidas como carne de caça. Entretanto, no Brasil, esta prática tem de ser precedida de projeto e licenciada pelos órgãos de controle ambiental sob pena de configurar crime ambiental, já que a capivara é uma espécie protegida por lei.
Existem estudos para sua criação em cativeiro visando à produção de carne como substituto à caça predatória, mas ainda há poucos resultados práticos nesse sentido. Sua carne tem sabor próximo ao do porco e é mais magra, porém com um sabor mais picante.

Cuidado com a febre maculosa
A capivara, assim como o cavalo, é um dos hospedeiros primários do carrapato-estrela (Amblyomma cajennense), o qual transmite a bactéria intracelular Rickettsia rickettsii, agente causador da Febre Maculosa Brasileira. As capivaras hospedeiras, ao serem infectadas por carrapatos vetores, apresentam bacteremia por até três semanas, podendo evoluir ao óbito ou à cura. Durante a bacteremia, as capivaras podem disseminar o agente para outros carrapatos que as estiverem parasitando, causando a amplificação da bactéria no ambiente. Os carrapatos podem se alimentar de qualquer hospedeiro acidental, inclusive o homem, transmitindo assim o agente infeccioso e causando a doença.

☻Mega Sampa – Ciclovia Finalmente chega ao Parque Vila Lobos


A ciclovia às margens do rio Pinheiros ganhou mais 2,4 km de extensão na semana passada, chegando até o parque Villa-Lobos e a estação Jaguaré da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).
A via exclusiva para bicicletas, inaugurada há dois anos, passa ao longo da linha 9-Esmeralda (Osasco-Grajaú). Agora com 21 km, ela começa na rua Miguel Yunes, localizada entre as estações Jurubatuba e Autódromo.
O novo trecho foi concluído recentemente (junho de 2012) e entregue à população com 15 meses de atraso. Quando a ciclovia foi inaugurada, o governo disse que ela chegaria ao Villa-Lobos no fim de 2010.
Também foi aberto com o novo trecho um novo ponto de apoio para ciclistas. Agora, são seis locais com banheiro, bebedouro e atendimento: na rua Miguel Yunes e nas estações Santo Amaro, Vila Olímpia, Cidade Jardim, Cidade Universitária e Jaguaré.
A CPTM promete concluir até o fim do ano mais três acessos à ciclovia. Na estação Morumbi será feita uma rampa. Já nos parques Villa-Lobos e do Povo, serão construídas passarelas de uso exclusivo para ciclistas, ligando a via aos parques.

Saída e posto de apoio na Vila Olímpia

Ciclovia ficou fechada

As obras de modernização da linha 9-esmeralda da CPTM vão fecharam a linha por nove domingos, até o dia 20 de maio. A interdição também fechou a ciclovia que, além dos domingos, a via para bicicletas ficou bloqueada também às segundas-feiras.
De acordo com a empresa, o fechamento foi necessário por segurança. Carros, caminhões e equipamentos usados na ciclovia nos domingos para o trabalho de modernização da linha férrea. Nas segundas, haverá limpeza e manutenção. O anúncio do fechamento revoltou os ciclistas usuários da ciclovia.
É frequente entre cicloativistas a crítica de que a ciclovia do Pinheiros, por ter poucos acessos e horário de funcionamento, não pode ser usada por quem tem a bicicleta.

6279 – Mega Notícias – Um vício maldito


EUA e Irã possuem pelo menos uma coisa em comum: a hostilidade aos fumantes. Numa das semanas do ano de 1994, o Parlamento Iraniano aprovou a abolição gradual da produção, importação e consumo de fumo. A partir de 2001, passou a ser proibido fumar neste país.

Campanha contra o cigarro nos EUA – Chocar, horrorizar, e prevenir é o objetivo de uma campanha nacional contra o fumo, lançada esta semana nos Estados Unidos. O vídeo mostra que o cigarro mata, deforma, e está dando a maior polêmica.
O vídeo mostra a foto antiga de uma moça bonita e a imagem atual. Terrie avisa que vai ensinar como começar o dia: ‘coloque a dentadura, a peruca’. E mostra ainda o resultado da cirurgia de traqueostomia que precisou fazer para respirar, porque seu aparelho respiratório foi afetado pela fumaça do cigarro.
As imagens chocantes fazem parte da campanha mais incisiva do governo americano contra o fumo. “As imagens são fortes de propósito, porque as pesquisas mostram que é disso que os fumantes precisam para se livrarem do vício”, diz a médica Cheryl Healton.
A campanha recebeu o nome de “Dicas de ex-fumantes”. O governo americano gastou US$ 54 milhões em comerciais que serão veiculados em horário nobre nos próximos três meses. Com isso, as autoridades esperam convencer fumantes a pararem de fumar e quem nunca fumou a nem experimentar.
Um dos alvos são os jovens. Uma pesquisa do governo americano mostrou que 80% dos fumantes começam no vício antes dos 18 anos. E a cada dia, cerca de 3,8 mil adolescentes experimentam o cigarro pela primeira vez, como Brandon, que aparece na campanha. Ele começou a fumar aos 15 anos. Por causa do cigarro, desenvolveu uma doença que afetou a circulação nas pernas.

6278 – Mega Almanaque Futebol – A Copa de 1978


Foi a 11ª Copa do Mundo disputada, e contou com a participação de 16 países. 107 países participaram das eliminatórias. O campeonato ocorreu na Argentina.
Foi uma copa cercada de polêmicas. Muito se deveu ao clima político vivido na Argentina. O país vivia uma brutal ditadura imposta pelos militares, que viram na organização do torneio a oportunidade ideal para popularizar o regime e promover a distração nacional dos problemas políticos e econômicos. Uma autêntica política de “pão e circo”.
O craque holandês, Johan Cruijff, se recusou a jogar a Copa, supostamente como forma de protesto contra o regime militar. A organização também apresentou muitas falhas. Os estádios ficaram, em alguns lugares, prontos na última hora, e por isso os gramados recém-plantados se soltavam sob os pés dos jogadores.
Enquanto a Argentina sediou quase todos os seus jogos em Buenos Aires, os principais rivais faziam um “tour” pelo país, se desgastando com longas viagens.
No grupo da Argentina, a Itália roubou a cena e venceu os seus três jogos da primeira fase. Com um gol de Bettega, despachou os donos da casa, 1 x 0. Era a geração de Paolo Rossi, Conti e Scirea começando a brilhar. A Argentina venceu Hungria e França, ambas por 2 x 1 e ficou com a segunda vaga. O bom time francês não levou sorte e acabou eliminado. Craques como Rocheteau, Platini, Tigana e Six brilhariam mais quatro anos depois (Marques, Armando – 2002 – “Todas as Copas do Mundo”).

Brasil, o “campeão Moral’!
No grupo do Brasil, outro drama pós-70. A seleção canarinho, perdida em meio aos malabarismos táticos do técnico Cláudio Coutinho, não empolgava. O time era lento, apático e não se encontrava. Possuía dois jogadores da verdadeira linhagem de camisas 10, Zico e Roberto Rivellino (tricampeão em 1970), mas nenhum dos dois brilhou. No primeiro jogo, o Brasil empatou com a Suécia por 1 x 1. Neste jogo uma curiosidade: no último lance do jogo, há um escanteio a favor do Brasil. A bola é centrada na área e Zico marca um gol de cabeça. Mas o árbitro galês Clive Thomas anulou o gol, argumentando que encerrou o jogo com a bola no ar, após o córner. O Brasil ainda empatou com a Espanha em 0 a 0. E só se classificou ao vencer a Áustria no terceiro jogo, 1 x 0, gol de Roberto Dinamite. Mesmo com a derrota, a Áustria, que vencera os dois primeiros jogos, ficou com a outra vaga.
A Holanda, sem Rinus Michels e Cruijff, não era a mesma e também teve dificuldades em se classificar. Venceu o fraco Irã por 3 a 0, depois empatou com o Peru em 0 a 0 e perdeu da Escócia por 3 a 2. O Peru foi a grande sensação do grupo, com seu futebol clássico e técnico, que tinha Teófilo Cubillas como seu principal artífice. Venceu, ainda na primeira fase, a Escócia por 3 a 1 e goleou o Irã por 4 a 1.
Alemanha Ocidental e Polônia dividiram as vagas de seu grupo entre si sem maiores dificuldades. Neste grupo, a Tunísia fez história ao conquistar a primeira vitória de uma seleção africana em copas, 3×1 no México.
Estavam na segunda fase: Argentina, Peru, Brasil e Polônia no Grupo A e Alemanha, Itália, Países Baixos e Áustria no grupo B.
Na segunda fase, a “Laranja Mecânica” reencontrou seu melhor futebol e embalou na Copa: goleou a Áustria por 5 x 1; empatou com a Alemanha Ocidental em 2 x 2 e ganhou da favorita Itália 2 x 1, conseguindo uma vaga para a final.

Placar na Copa de 78. O jogador Dirceu faleceu em um acidente automobilístico na década de 90.

No grupo de Brasil e Argentina, o maior escândalo da história das Copas. O Brasil, modificado com as entradas de Rodrigues Neto, Jorge Mendonça e Roberto Dinamite nos lugares de Edinho, Zico e Reinaldo, se recuperou da apatia da 1ª fase e venceu o Peru por 3 a 0. A Argentina passou pela Polônia por 2 a 0. Em Rosário, argentinos e brasileiros duelaram numa verdadeira batalha, mas o jogo ficou no 0 a 0. Foi jogo nervoso, pois Coutinho escalou o jogador Chicão (falecido em 2008) para intimidar os argentinos com um jogo duro e de marcação. Mas este empate seria fatal para o Brasil. Na última rodada, a equipe venceu tranquilamente a Polônia por 3 a 1. Com este resultado, restava à Argentina vencer o Peru por 4 gols de diferença. Uma vantagem considerável, pois desde que César Luis Menotti se tornara técnico da seleção, os alvi-celestes jamais tinham vencido um jogo por mais de 3 gols. O Peru, literalmente, abriu mão do direito de jogar, e levou suspeitíssimos 6 a 0. Uma curiosidade: o goleiro peruano, Ramón Quiroga, era argentino de nascimento, e falhou em vários gols.
Ao Brasil, restou vencer a Itália na decisão de 3º lugar com um golaço de Nelinho, onde a bola fez uma curva improvável e surpreendeu o experiente goleiro Dino Zoff. O outro gol foi marcado por Dirceu, o grande destaque verde-amarelo no torneio.
Na grande final, num Estádio Monumental de Nuñez lotado, os donos da casa queriam a revanche de 1974 e o título em 78! A Argentina pressiona e Mario Kempes abre o placar. Os holandeses empatam com um belo gol de cabeça de Dirk Nanninga. Aos 45 do segundo tempo, um susto para os argentinos: Rensenbrink acerta a trave de Fillol, para alívio geral nas arquibancadas. Na prorrogação, a Argentina atropela os Laranjas com dois gols – Kempes, de novo, e Bertoni, vingando a derrota de 4 x 0 sofrida na Copa de 74. Para encerrar o controvertido certame, o emblemático Coutinho, treinador da seleção brasileira, soltou mais um de seus malabarismos linguísticos: “Nós somos os campeões morais desta Copa!”. Todavia, o título real ficou mesmo com a Argentina.

Curiosidades
O desempate era por saldo de gols, mas por causa da suspeita de que o Peru tivesse entregado o jogo para a Argentina, a partir da copa seguinte, em 1982, o desempate passou a ser através de prorrogação e pênaltis.

Pela primeira vez, as seleções ostentaram o logotipo do fabricante no uniforme.
Foi a primeira Copa em que a Argentina usou o escudo da AFA, Associação de Futebol Argentino no uniforme, nas Copas anteriores a camisa albiceleste estava sem o devido escudo.
Foi a última Copa em que 16 seleções participariam da fase final. A partir do Mundial da Espanha, em 1982, seriam 24 seleções.
O Brasil utilizou dezessete dos 22 jogadores inscritos. Apenas quatro disputaram todos os jogos completos: Leão, Oscar, Amaral e Batista.
Para disputar suas sete partidas, o Brasil percorreu 4.659 quilômetros pela Argentina. Já a Argentina percorreu apenas 618.
A Seleção Francesa tentou, sem êxito, boicotar a sua ida a Copa em resposta ao assassinato de freiras francesas por parte do Regime Militar.
Na decisão entre as seleções da Argentina e Holanda, um torcedor de 49 anos sofreu um ataque cardíaco no momento em que atacante neerlandês Rob Rensenbrink acertara a trave do goleiro argentino Ubaldo Fillol, porém foi socorrido a tempo de festejar a conquista inédita do título.
Os holandeses viraram de costas para o sanguinário ditador Jorge Rafael Videla na hora de receberem as suas medalhas de prata.
Esta Copa protagonizou o segundo escândalo de doping da história do torneio. O meia escocês Johnstone foi flagrado nos exames antidoping na partida em que sua seleção foi derrotada pelo Peru por 3×1. Johnstone, após o anúncio do doping, e de seu desligamento da delegação, fez as malas, e voltou para casa mais cedo. Depois do episódio, ele nunca mais foi convocado pela Escócia em competições internacionais.
No jogo Brasil e Suécia na 1ª fase, o jogo estava empatado em 1×1 até os acréscimos no final da partida, quando houve um escanteio a favor do Brasil. Quando o escanteio foi cobrado, o meia brasileiro Zico subiu de cabeça, e marcou o que seria o gol da vitória brasileira. Estranhamente, o juiz galês Clive Thomas encerrou o jogo, para desespero do time brasileiro. Sua alegação foi que ele terminara o jogo com a bola no ar. O time brasileiro entrou com duas representações contra o juiz na Comissão de Arbitragem e no Comitê Disciplinar da FIFA. O juiz foi afastado, e nunca mais apitaria uma partida de Copa.
Eliminadas na primeira fase, as seleções da França e da Hungria proporcionaram um verdadeiro papelão, sendo que a França, em protesto contra as más arbitragens, entrou também de camisa branca, pois a mesma estava sorteada para os húngaros, o árbitro do jogo, o brasileiro Arnaldo César Coelho, se recusava a começar a partida, enquanto a questão dos uniformes não estivesse resolvida, os jogadores da França acabaram sendo obrigados a jogarem com uniformes verdes listrado de branco, cedidos as pressas por um time amador, o Kimberley, os franceses venceram por 3×1.
O jornal inglês Sunday Times denunciou que os argentinos estavam fraudando os testes antidoping. Diziam que a urina para os exames após cada partida não era fornecida pelos jogadores, que inferiam fortes doses de anfetaminas. Um homem teria sido contratado só para urinar.
O jogador Rob Rensenbrink da seleção neerlandesa, marcou o gol 1000 da história da Copa do Mundo, convertendo um penalti, no jogo Escócia 3×2 Países Baixos.
A seleção da Tunísia tornou-se a primeira seleção africana a ganhar uma partida de Copa do Mundo, batendo o México por 3×1. As Águias de Cartago conseguiram ainda um empate em 0 a 0 com a Alemanha Ocidental, então campeã do mundo.
O Brasil se autoproclamou “campeão moral” por ter sido a única seleção invicta da Copa e porque o goleiro do Peru, Quiroga, teria facilitado a partida contra a Argentina. A Argentina precisava ganhar de uma diferença superior a quatro gols. Ganhou de 6 a 0. Além disso, Quiroga nasceu na Argentina e naturalizou-se peruano.
Atendendo a pedidos das emissoras de TV argentinas que alegaram estarem se adaptando a era do canal a cores, novidade da época na vizinha Argentina, a FIFA repentinamente alterou o horário dos jogos decisivos do Grupo B das semifinais da Copa de 1978: sendo que o jogo Brasil x Polônia seria disputado no horário vespertino, e o jogo Argentina x Peru no horário noturno, o selecionado argentino entrou em campo praticamente com o resultado em mãos.
Fernando Rodríguez Mondragón, filho de um chefe do tráfico de drogas Colombiano, declarou em 2007 à Rádio Caracol (Colômbia) que o desarticulado cartel de Cáli subornou a seleção do Peru, com uma cifra não revelada, para que deixasse a seleção da Argentina ganhar o decisivo jogo da segunda fase. A Argentina se classificou tendo os mesmos pontos que o Brasil, mas com melhor saldo de gols.
Foi a única edição da Copa que o Brasil terminou sem ser derrotado e não foi campeão.
Houve rumores de que a Ditadura Militar argentina desejava o título a todo custo, o que segundo algumas pessoas, explicaria boa parte dos episódios estranhos ocorridos durante a Copa. A comemoração da imensa torcida argentina pela vitória de 6×0 sobre o Peru serviu para acabar com os protestos das Mães da Praça de Maio, que buscavam informações dos filhos desaparecidos, pois os mesmos haviam feito vários protestos contra o governo militar do país.
Quatro seleções retornam após um longo hiato:
Áustria: Após 20 anos (A última foi em 1958).
Espanha, França e Hungria: Após 12 anos (A última foi em 1966).
2 nações faziam sua primeira participação em copas: Tunísia e Irã.

6277 – Mega Personagens – O Pica Pau


Woody Woodpecker é o nome de um personagem de desenho animado de mesmo nome, um pica-pau antropomórfico (animal com corpo e características humanas), que estrelou vários curta-metragens de animação produzidos pelo estúdio de Walter Lantz e distribuídos pela Universal Pictures. Embora não seja o primeiro dos personagens “malucos” que tornaram-se populares nos anos 1940, o Pica-Pau é considerado um dos personagens mais notáveis do gênero.
O Pica-Pau foi criado em 1940 pelo artista de storyboard Walt Lantz. Em seus primeiros desenhos animados, o Pica-Pau aparece como um pássaro louco, com uma aparência considerada grotesca. Porém, ao longo dos anos, o Pica-Pau sofreu diversas mudanças no seu visual, ganhando traços mais simpáticos, uma aparência mais refinada e um temperamento mais tranquilo. O Pica-Pau foi inicialmente dublado, nos Estados Unidos, por Mel Blanc, que também fez as vozes de quase todos os personagens do sexo masculino das séries Looney Tunes e Merrie Melodies. Como dublador do Pica-Pau, Blanc foi sucedido por Ben Hardaway, e mais tarde por Grace Stafford, esposa de Walter Lantz.
Os desenhos do Pica-Pau foram transmitidos na televisão pela primeira vez em 1957, no programa The Woody Woodpecker Show, que mostrava novas sequências animadas do Pica-Pau interagindo com as filmagens em live-action de Walter Lantz, como se uma pessoa e um desenho animado estivessem apresentando o programa juntos. Atualmente, The Woody Woodpecker Show é ainda reprisado com freqüência na televisão, sendo que no Brasil, ele é atualmente transmitido pela Rede Record.
Lantz produziu os curta-metragens do Pica-Pau até 1972, quando ele fechou definitivamente seu estúdio. Desde então, o personagem só voltou a reaparecer em 1999, no programa The New Woody Woodpecker Show, produzido pela Universal Animation Studios de 1999 à 2003. O Pica-Pau é um dos poucos personagens de desenho animado que possui uma estrela na Calçada da Fama. Ele também fez uma pequena aparição junto com outros personagens famosos no filme Uma cilada para Roger Rabbit, de 1988.

Walter Lantz estava em lua-de-mel quando teve a ideia genial de criar o Pica-Pau, por conta de um exemplar do pássaro que o atormentou e o divertiu na noite de núpcias.
Em 1940, Walter Lantz decidiu que só um novo desenho não era suficiente para tornar seu estúdio famoso. Ele queria um personagem que, com o tempo, evoluísse para uma estrela completa. Então, ele e sua equipe de animadores apresentaram um novo adversário para Andy Panda e seu pai lidarem: um pica-pau louco.
Mas quando Walter Lantz mostrou o desenho do Pica-Pau, intitulado “Knock Knock”, a Bernie Kreisler, chefe de departamento da Universal Studios, este o rejeitou, dizendo que aquele passarinho era a coisa mais feia e desajeitada que ele já tinha visto. Porém, Lantz insistiu para que o produzissem, dizendo que ele estava apostando tudo no personagem. A Universal atendeu aos seus pedidos e produziu o desenho, que fez um sucesso estrondoso. Então, Kreisler pediu a Walter Lantz novos episódios, como se nada tivesse acontecido. Depois do sucesso do Pica-Pau como coadjuvante no desenho do Andy Panda, eles resolveram fazer um desenho onde o personagem apareceria sozinho e seria o astro. Então, Lantz precisou de um nome para o Pica-Pau e decidiu chamá-lo de “Woody Woodpecker”, que foi também o título do primeiro desenho animado do Pica-Pau.
De acordo com um agente de imprensa de Walter Lantz, a idéia de criar o Pica-Pau surgiu durante um incidente ocorrido na noite de núpcias do desenhista com Grace Stafford no Lago Sherwood, quando um pica-pau irritante passou a noite inteira bicando o telhado do chalé que haviam alugado, não deixando que o casal dormisse. Quando o pássaro foi embora, eles descobriram que o pica-pau havia feito um monte de buracos no telhado, por onde a chuva começou a entrar, arruinando de uma vez a noite. A esposa de Walter Lantz, então, teria sugerido que o marido criasse um pica-pau irritante para aparecer em seus desenhos animados. Esta história, porém, não tem muita credibilidade, já que Walter e Grace somente se casaram em 1941, depois que o desenho já havia estreado no cinema.
Como todos os personagens de Hollywood, o design do Pica-Pau mudou um pouco com o tempo. O desenho animado O barbeiro de Sevilha (“The Barber of Seville”) apresentou o novo visual do Pica-Pau, desenhado pelo animador Emery Hawkins, e que foi usado até o final dos anos 1940.
Em 1944 no desenho O doido da praia (“The Beach Nut”), apareceu um personagem de grande importância na carreira do Pica-Pau: seu rival de longa data Leôncio (“Wally Walrus”, nome que também aparece em alguns episódios dublados).
Em 1949 como foi dito anteriormente, por razões financeiras, Walter Lantz teve que fechar o estúdio por um tempo, e reabre-o só em 1951. Nos anos 1950 o Pica-Pau ganhou um novo design, que foi feito pela animadora LaVerne Harding. Nessa época, eles estavam sem ninguém para dublar a voz do Pica-Pau, então Walter Lantz marcou testes no estúdio para escolher a nova voz. A esposa de Lantz, Grace Stafford, gravou a voz no estúdio sem ele saber. Quando Lantz foi ouvir as vozes para escolher uma, ele não sabia que sua esposa havia participado dos testes, e foi justamente ela quem ele escolheu, e ficou surpreso quando lhe disseram que aquela voz era de sua própria esposa.
Nos anos 1950, o Pica-Pau passou por diversas mudanças no seu visual, devido aos muitos animadores que trabalhavam em seus desenhos.

O Pica Pau na TV
Como Lantz estava lutando financeiramente, a longevidade do Pica-Pau foi assegurada quando seus desenhos passaram a ser exibidos na televisão, no programa The Woody Woodpecker Show (no Brasil ganhou o título O Pica-Pau e seus Amigos, também conhecido como A Turma do Pica-Pau, O Show do Pica-Pau ou simplesmente O Pica-Pau), transmitido pela ABC. O programa semanal de meia-hora consistia em uma compilação de 3 curta-metragens cinematográficos do Pica-Pau, seguidos por um breve comentário de Walter Lantz, o apresentador do programa, cujas filmagens em live-action interagiam com novas sequências animadas do Pica-Pau, como se uma pessoa e um desenho animado estivessem apresentando o programa juntos. O programa foi exibido originalmente de 1957 à 1958 e, em seguida, entrou em sindicação até 1966, ganhando uma nova temporada em 1970 para ser exibido na NBC. A NBC obrigou Lantz a editar grande parte dos desenhos animados mais antigos, fazendo-o cortar as cenas que continham violência, o que Lantz fez relutantemente. Adicionalmente, o próprio Pica-Pau também teve que sofrer mudanças no seu comportamento, ganhando uma personalidade mais tranqüila e menos agressiva. O primeiro desenho notável que mostrou o Pica-Pau assim foi Não Puxem Minhas Penas (“Franken-Stymied”), de 1961. A popularidade do Pica-Pau havia sido baseada em suas atitudes loucas e maníacas, e por volta de 1961, estas características foram eliminadas em favor de um personagem mais sério. Isso aconteceu devido à grande presença do personagem na televisão, o que levou Lantz à cumprir as rigorosas normas de censura da violência na televisão para as crianças.
O Pica-Pau foi o primeiro desenho animado a ser exibido na TV brasileira, na extinta TV Tupi, um dia após a sua inauguração, em 19 de setembro de 1950. Nessa época, os desenhos eram exibidos com a dublagem original (inglês), pois a dublagem em português só surgiria em 1957.

A primeira emissora de televisão a transmitir os curta-metragens do Pica-Pau com dublagem em português foi a TV Record, na década de 1960. Depois de algum tempo, a série saiu do ar. Alguns anos depois, o SBT tomou posse do desenho até 2002, quando em 2003 a Rede Globo começou a transmitir o desenho com os episódios remasterizados, dentro do programa infantil TV Globinho, onde o desenho dissipou em 2004 e teve esporádicas exibições em 2005, até que a Rede Globo deixou de exibi-lo definitivamente.
Em 2006, a Rede Record exibiu um especial com episódios de O Novo Show do Pica-Pau respectivamente às 17h, no feriado do dia 15 de novembro de 2006. Então a partir desse dia, os novos episódios ganharam espaço na programação de segunda a sexta às 18h, na mesma forma de sequência de desenhos: Pica-Pau, Picolino e outros, e outro desenho do Pica-pau, durando até março de 2007, quando a Record começa a exibir os episódios da série clássica antiga do desenho às 13h, sendo o primeiros cartoons “Quem Cozinha Quem” e “Hora do Banho”. Entre março e abril, foram apenas exibidos os episódios da década de 1940, quando foi reprisado novamente. No dia 28 de abril de 2007, foram exibidos pela primeira vez os episódios antigos da Turma do Pica-Pau.
O canal pago Cartoon Network exibe o Pica Pau nas madrugadas, e no programa ‘Cartoon All Stars’ destinado à desenhos animados mais queridos pelo público.

Uma característica inconfundível no Pica-Pau, é que no começo e no final de seus desenhos, ele sempre emite a sua famosa e estridente risada. Essa risada foi criada pelo dublador americano Mel Blanc antes mesmo da existência do Pica-Pau. Antes do Pica-Pau, Mel Blanc já tinha usado a risada para o coelho Happy Rabbit da Warner Bros (que mais tarde evoluiu para o Pernalonga “Bugs Bunny”), a risada foi usada pelo coelho em apenas quatro episódios. Sendo que o último episódio em que foi usada se chamava: “Elmer’s Candid Camera”, episódio que chegou a vir para o Brasil, e recebeu o título de: “A Câmera de Hortelino”. No Brasil esse episódio foi primeiramente dublado em 1996 para a TV com o dublador Mário Monjardim fazendo a voz do coelho, e depois redublado em 2004 para o DVD, dessa vez com o dublador Alexandre Moreno, mas nas duas dublagens a risada que o coelho dá no fim do episódio (logo depois de chutar o Hortelino para dentro de uma lagoa) foi dublada em português como se o Pernalonga estivesse apenas rindo normalmente.

Dubladores no Brasil
Olney Cazarré – Foi o primeiro dublador do Pica-Pau no Brasil, ele o dublou nos anos 1960 na época em que o estúdio BKS ainda se chamava AIC. Depois na época em que a AIC mudou seu nome para BKS, Olney Cazarré teve de descansar das dublagens do Pica-Pau por que ele havia ido para o Rio de Janeiro trabalhar no teatro e na televisão (de acordo com o que foi dito por Garcia Júnior em uma entrevista para o “Nerdcast” em 2007), por isso, ele foi substituído pelo próprio Garcia Júnior na dublagem da fase do “Pica-Pau Biruta” (os episódios não foram dublados em ordem cronológica) e só voltou a dublar o Pica-Pau no lugar de Garcia Júnior quando ele não pode mais dubla-lo nos anos 1980. Em suas primeiras dublagens nos anos 1960, Olney fazia uma voz mais fina para o Pica-Pau, que combinava mais com os episódios em que o Pica-Pau tinha o tamanho de um pássaro pequeno, já nos episódios que ele dublou nos anos 1980, estava com a voz mais envelhecida, e chegava a ficar rouco algumas vezes. Um exemplo de episódios dublados por ele são: “Vamos as Cataratas?”, “Pica-Pau Ama Seca” e “A vassoura da Bruxa” dublados na AIC e “Adeus às Aulas”, “Por amor a uma Pizza”, e “Chilli com Carne”, dublados na BKS.
Garcia Júnior – Foi o segundo a fazer a voz do Pica-Pau no Brasil (quando a AIC mudou de nome para BKS). Ele começou a dublar o Pica-Pau no final dos anos 1970 quando ainda era um garoto de 10 anos, mas depois quando cresceu sua voz ficou grossa demais para o personagem, e foi substituído por Olney Cazarré, que já havia feito a voz do Pica-Pau antes dele. Garcia contou que o Pica-Pau foi o primeiro personagem que ele dublou, ele disse em uma entrevista para o site “Jovem Nerd” que quando Olney Cazarré foi trabalhar no Rio de Janeiro, ele teve de deixar as dublagens do desenho (que era feita em São Paulo). Então Garcia fez um teste apenas de brincadeira para a voz do Pica-Pau, a pedido dos seus pais Garcia Neto (que também era o diretor de dublagem, e o locutor e narrador de episódios como “A Hora do Banho”) e Dolores Machado (que dublou a Meany Ranheta em “Que Lindinho! o Cachorrinho” e “A Observadora de Pássaros”). Porém, os produtores da Universal acabaram escolhendo mesmo a voz dele, a princípio pensando se tratar da voz de uma mulher, só depois descobriram que era a voz do menino que era filho do diretor das dublagens. Garcia Júnior fazia uma voz um pouco mais forte que a de Olney Cazarré. Um exemplo de episódios dublados por Garcia são: “Quem cozinha quem”, “Pica-Pau biruta”, “Nascido para picar” “Vamos nanar Jacaré?” e “Esperto contra sabido” (esse último era um entre os quais o Pica-Pau já estava com a voz mais grossa). Garcia Júnior é considerado por muitos dos fãs do desenho o dublador mais marcante do Pica-Pau, pois dublou os episódios mais antigos produzidos nos anos 1940, considerados os melhores.
Marco Antônio Costa – Fez a voz do Pica-Pau nos novos episódios de 1999 no estúdio Herbert Richers, ele conseguiu fazer uma voz fina bem parecida com a de Olney Cazarré. Em entrevista para o programa Hoje em Dia, da Rede Record, Marco disse que quando participou dos testes para a voz do Pica-Pau, ele fez uma imitação do Coelho Ricochete (personagem que também era dublado por Olney Cazarré na AIC), e sua imitação agradou aos distribuidores do desenho que o escolheram porque conseguia fazer uma voz parecida com a de Olney. Alguns fãs acham que a voz dele ficou diferente da voz do Pica-Pau original, mas isso tavez seja pelo fato de que o “Novo Pica-Pau” tem a mesma aparência, e o topete virado para trás que tinha o “Pica-Pau do fim dos anos 1940″, que foi dublado apenas por Garcia Júnior, e que tinha a voz mais grossa. A voz que Marco Antônio faz para o Pica-Pau é baseada na voz fina que Olney Cazarré fazia nos anos 1960, quando o personagem já tinha o topete para frente, uma aparência mais infantil e o tamanho de um pássaro pequeno. Outro fato é que dificilmente encontrariam um dublador que conseguisse imitar a voz que Garcia Júnior fazia para o Pica-Pau, por se tratar de uma “voz de criança”.

Peterson Adriano – No filme Uma Cilada para Roger Rabbit dublado pela Herbert Richers, o Pica-Pau faz uma aparição ao final do filme dublado pelo dublador Peterson Adriano.

Existem vários boatos na internet de que o ator Walter Silva teria dublado o Pica-Pau na AIC. Na verdade, isso foi algum mal entendido divulgado em algum site que acabou se espalhando pela internet, pois quem dublou o Pica-Pau na AIC foi Olney Cazarré, que também era responsável pela voz do Coelho Ricochete também na AIC. Walter Silva nem era dublador, e sim um radialista que tinha o apelido de “Pica-Pau”. Apresentava na Rádio Bandeirantes, o seu programa “Pick-Up do Pica-Pau”, que se utilizava de uma gravação da trilha musical “The Woody Woodpecker Song” da abertura dos desenhos do Pica-Pau, antes e depois de cada música tocada na rádio. Isso fez com que todos o chamassem de “Pica-Pau”, e Walter assumiu o apelido, passando também a usar nas costas de sua jaqueta vermelha um desenho do Pica-Pau.
Ao longo de sua carreira, o Pica-Pau recebeu 3 indicações ao Oscar, sendo 2 na categoria de Melhor Curta Animado e 1 na categoria de Melhor Canção Original. O desenho animado Apólice Cobertor (“Wet Blanket Policy”) é marcado por ser o único curta-metragem de animação que foi indicado ao Oscar de Melhor Canção Original durante toda a história do cinema.
Em 1979, Walter Lantz ganhou um Oscar Honorário, “por levar alegria e risos à todas as partes do mundo através da seus desenhos animados”.

6276 – Como é a operação de redução do estômago?


Em alguns casos mais graves, as mudanças alimentares e a prática de atividades físicas são impossíveis de serem implementadas. Nestas situações, apenas uma intervenção médica mais efetiva, como a cirurgia bariática (cirurgia para redução do tamanho do estômago), deve resolver o problema. A maioria desses casos são aqueles em que o índice de massa corporal (IMC) atinge valores superiores a 40 kg/m².
Nestes obesos, os inúmeros tratamentos e a oscilação ponderal, além do potencial genético, agravam o quadro clínico.
As doenças associadas à obesidade grau III (hipertensão arterial , artropatias, dislipidemias, diabetes , disfunções respiratórias, etc), geraram o termo “obesidade mórbida”, que deve ser abandonado.
Existem dois tipos de cirurgia bariátrica. No primeiro, em que há redução do tamanho do estômago, existem três variações denominadas: banda vertical ajustável, gastroplastia vertical, gastroplastia vertical com by-pass em y de Roux. Esta última, também chamada Capella ou Fobi-Capella, é a mais utilizada e foi desenvolvida por cirurgiões. Além da restrição causada pela diminuição do volume do estômago, ocorre uma pequena disabsorção dos alimentos, porque eles deixam de passar pela primeira parte do intestino delgado.
O segundo tipo é a cirurgia disabsortiva (ou Derivação bilio-pancreática), chamada de cirurgia de Scopinaro. Neste caso, o paciente terá mais liberdade de comer maior quantidade de alimentos, já que não há grande diminuição do estômago, que fica com 2/3 do seu tamanho original. O que é feito aqui é um grande desvio do alimento, que vai para o intestino grosso.
Estes pacientes submetidos à gastroplastia redutora devem ser acompanhados, recebendo orientações específicas para elaboração de uma dieta equilibrada. A adesão ao tratamento deverá ser avaliada, uma vez que pacientes instáveis psicologicamente podem recorrer a preparações de alta densidade calórica, de baixa qualidade nutricional, colocando em risco o sucesso da intervenção a longo prazo.
Existem contra-indicações para a realização desta cirurgia como, por exemplo, cirrose hepática, algumas doenças renais e psiquiátricas graves, vícios (droga, alcoolismo) e disfunções hormonais. Todas devem ser avaliadas por profissionais com prática e conhecimento aprofundado neste assunto.
Em todos os casos você deverá, obrigatoriamente, ter pleno conhecimento das características, necessidades, riscos e limitações de cada cirurgia. Participe de reuniões com uma equipe multiprofissional e com pacientes já operados para poder ter certeza da sua decisão.
Os cuidados a serem tomados antes e após cada cirurgia vão depender de cada caso, mas no geral consistem em avaliações clínico-laboratoriais com exames de sangue, radiografia de tórax, ultra-sonografia e/ou tomografia do abdômen, avaliação cardiológica, endoscopia digestiva com pesquisa de H. Pylori e avaliação da função respiratória (mais aprofundada quanto mais obeso ou complicado seja o caso). Caso o paciente tenha alguma doença que necessite tratamento e controle prévio, a cirurgia será adiada até que se obtenha a melhor condição clínica.

Os obesos que passam por uma cirurgia bariátrica necessitam de orientação nutricional permamente para suplementar a dieta com compostos ricos em proteínas, vitamina B12 e ferro. Cuidados especiais para evitar casos de desnutrição após a cirurgia também são necessários.
Após a cirurgia, o paciente já sai do hospital, em média, com menos dois quilos. Nos primeiros meses, a redução no peso chega ser de sete a oito quilos. Os pacientes com quadro de diabetes tipo 2 podem precisar reduzir ou interromper o uso de insulina. A complicação mais difícil de ser tratada é a pressão arterial. Ela demora mais a estabilizar e o paciente não interrompe o uso de medicamentos.
Todos os tipos de tratamento da obesidade, do mais simples ao mais radical, exigem empenho e determinação. Será sempre necessário um suporte multiprofissional e a adequação da dieta às novas metas a serem alcançadas. Para garantir um bom nível de adesão e o sucesso terapêutico, sua motivação é essencial e pode ser auxiliada por orientações com embasamento técnico e científico de qualidade, ajudando na solução ou diminuição do problema.

Esta foi bem sucedida

6275 – Pesquisa identifica área do cérebro que decide quando enganar alguém


Cientistas da Universidade Duke identificaram uma região do cérebro que interfere especificamente na maneira como agimos quando nos deparamos com um oponente e pensamos em enganá-lo.
As interações sociais fazem com que o cérebro opere sob regras diferentes e podem influir na tomada de decisões, assinala o artigo publicado na quinta-feira (5-07) pela revista “Science”.
Neurocientistas já detectaram em estudos prévios que as pessoas raramente tomam decisões de maneira isolada. Elas são susceptíveis ao que outros indivíduos querem ou esperam.
“Uma ligação telefônica e uma conversa rápida com a mãe ou com um amigo pode nos fazer pensar duas vezes antes de tomarmos uma decisão. E pode nos dar a coragem para seguir adiante com um plano”, cita o texto publicado.
Scott Huettel e colegas do Centro Interdisciplinar para Ciência de Decisões em Duke, na Carolina do Norte (EUA), desenvolveram uma experiência na qual os participantes –pessoas comuns sem experiência no pôquer– jogaram partidas virtuais contra um ser humano e um computador.
Os voluntários foram conectados a um aparelho de imagem funcional por ressonância magnética (MRIf) e, mediante algoritmos de computador, tiveram 55 regiões do cérebro escaneadas pelos pesquisadores para que pudessem observar o volume de informações processadas em cada uma delas.
Os cientistas verificaram que uma só região cerebral, a conjunção temporal parietal (CTP), se ocupa das informações específicas acerca das decisões tomadas contra outro humano.
A CTP é uma área do cérebro onde se encontram os lóbulos temporal e parietal e que, de acordo com os estudiosos, desempenha um papel crucial nos processos de distinção do “eu” e dos “outros”.
Alguns experimentos demonstraram que o estímulo elétrico da CTP pode causar experiências extracorpóreas e os transtornos eletromagnéticos nessa área afetam a capacidade do indivíduo para a tomada de decisões morais.
Em algumas partidas de pôquer da experiência em Dukek, os grupos receberam uma “mão” de cartas obviamente fraca, e os pesquisadores observaram a forma como o jogador pensava em enganar seu adversário.
Os sinais do cérebro, captados pelo MRIf, indicaram aos cientistas quando o participante pensava em blefar, se considerasse o adversário um bom jogador de pôquer. Já quando o participante jogava contra um computador, os sinais desde a CPT não indicavam as decisões que tomaria.
O principal pesquisador do estudo, McKell Carter, indicou que a CPT é uma área limítrofe no cérebro e pode estar na interseção onde se reúnem as informações de atenção e as informações biológicas.
Antes de começar a partida, os participantes se apresentavam e apertavam a mão de seus adversários humanos. Em geral, segundo observou Carter, eles prestavam mais atenção no adversário humano que no computador, o que é coerente com o impulso humano de comportamento social.
“Há diferenças neurais que são fundamentais entre as decisões tomadas em um contexto social e um não social”, indicou Huettel, autor principal do artigo.
“A informação social pode fazer com que nosso cérebro jogue com regras diferentes das que usaria em uma situação não social”.

6274 – Mega Memória – Aconteceu no dia dia 6 de julho


Você está no ☻ Mega Arquivo

6 de julho é o 187º dia do ano no calendário gregoriano (188º em anos bissextos). Faltam 178 para acabar o ano.

Curiosidades Históricas
1483 – Ricardo III é coroado Rei de Inglaterra.
1484 – O navegador português Diogo Cão descobre a foz do Rio Congo.
1560 – O Tratado de Edimburgo é assinado entre Escócia e Inglaterra.
1785 – O dólar é escolhido por unanimidade como moeda oficial dos Estados Unidos.
1885 – Louis Pasteur testa com sucesso sua vacina anti-rábica em Joseph Meister, um garoto que fora mordido por um cão com raiva.
1891 – É fundada a cidade de Teresópolis, na Região Serrana do Rio de Janeiro, por George March.
1917 – Primeira Guerra Mundial – Tropas árabes lideradas por T. E. Lawrence(Lawrence da Arábia) e Auda ibu Tayi derrotam os Turcos e capturam a cidade de Aqaba, na revolta árabe.
1919 – O dirigível britânico R-34 aterra em Nova Iorque, completando a primeira travessia do Atlântico.
1928 – Estreou nos Estados Unidos o primeiro filme totalmente falado, o Lights of New York.
1934 – Foi criado o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
1939 – As empresas e negócios pertencentes a judeus que ainda operavam na Alemanha foram obrigadas a fechar: o Holocausto anunciava-se.
1942 – II Guerra Mundial: Anne Frank e sua família, judeus, passam a se esconder dos nazistas no anexo secreto no escritório do pai da menina, em Amsterdam.
1957 – John Lennon e Paul McCartney se encontram pela primeira vez em Liverpool, Inglaterra, no que seria o embrião da banda The Beatles.
1964 – O Malawi adopta a sua bandeira.
1967 – Guerra de Biafra – forças nigerianas invadem Biafra, dando início à guerra.
1977 – Uma reunião entre representantes dos governos brasileiro, paraguaio e uruguaio, realizada em Brasília, discutiu o aproveitamento da Usina Hidrelétrica de Itaipu.
1975 – O arquipélago de Comores declara independência da França.
1988 – Ulysses Guimarães, presidente em exercício do Brasil, concedeu, pela primeira vez na história do país, asilo político a um guerrilheiro sul-africano, vítima do apartheid.
1988 – O Brasil e a Argentina decidiram liberar o trânsito de turistas na fronteira entre os dois países, com a suspensão das tarifas alfandegárias.
2006 – Um Airbus A310 operando como S7 Airlines 778 transportando 203 pessoas (193 passageiros e 10 tripulantes) sofreu um acidente no Aeroporto Internacional de Irkutsk na Sibéria. O jato conseguiu desacelerar na aterrissagem, invadiu a pista e colidiu com uma barricada de concreto. 124 pessoas morreram.
2009 – O jogador de futebol português Cristiano Ronaldo foi apresentado como novo reforço do Real Madrid, no estádio do clube, o Santiago Bernabéu. 80 mil pessoas foram assistir à chegada do atleta. Este foi o maior público para a apresentação de um jogador de futebol, superando os 75 mil torcedores que viram Diego Maradona chegar ao Napoli, em 1984.

Nascimentos:
1883 – Lev Kamenev, revolucionário e político russo (m. 1936).
1888 – Eugen Rosenstock-Huessy, pensador alemão (m. 1973).
1892 – Ignaz Epper, pintor e escultor suíço (m. 1969).
1907 – Frida Kahlo, pintora mexicana (m. 1954).
1910 – Lothar Collatz, matemático alemão (m. 1990).
1914 – Vincent J. McMahon, promotor estadunidense de wrestling e fundador da WWE (m. 1984).
1916 – Morgan Sparks, físico e químico norte-americano (m. 2008).
1921 – Nancy Davis Reagan, primeira-dama dos Estados Unidos entre 1981 e 1989.
1923 – Wojciech Jaruzelski, militar e ex-ditador da Polónia entre 1989 e 1990[1].
1924 – Louie Bellson, músico norte-americano (m. 2009).
1925 – Bill Haley, músico estadunidense, líder da banda Bill Haley & His Comets (m. 1981).
1927 – Janet Leigh, atriz estadunidense (m. 2004).
1935 – Tenzin Gyatso, atual Dalai Lama e líder religioso do Budismo.
1939
Thelma Reston, atriz brasileira.
Jet Harris, músico inglês (The Shadows).
1940 – Nursultan Nazarbayev, político cazaque.
1941 – Luis Cruzado, ex-futebolista peruano.
1943 – Marcelo Altino, treinador brasileiro de futebol.
1945 – Burt Ward, ator estadunidense.
1946 – George W. Bush, ex-presidente dos Estados Unidos.
Sylvester Stallone, ator, diretor, produtor e roteirista estadunidense.
Toquinho, músico brasileiro.
1948 – Arnaldo Baptista, músico e cantor brasileiro.
1951 – Geoffrey Rush, ator australiano.
1952 – Thomas Sjöberg, ex-futebolista e treinador de futebol sueco.
1957 – Lauro Corona, ator brasileiro (morte em 1989).
1958 – Jennifer Saunders, atriz, comediante e escritora norte-americana.
1960 – Valerie Brisco-Hooks, atleta estadunidense, ex-campeã olímpica.
1961 – Robin Antin, atriz, dançarina e coreógrafa norte-americana, fundadora da banda Pussycat Dolls.
1966 – Jorginho Baiano, ex-futebolista brasileiro.
1967
David Whitmore, ex-jogador profissional de futebol americano estadunidense.
Heather Nova, cantora e compositora bermudense.
1969 – Fernando Redondo, ex-futebolista argentino.
1974
Babi Xavier, modelo, atriz e apresentadora brasileira.
Zé Roberto, futebolista brasileiro.
Diego Klimowicz, futebolista argentino.
1975
Vanessa Chase, atriz norte-americana.
50 cent, rapper norte-americano.
Vladimir Vasilj, ex-futebolista croata.
Léo, futebolista brasileiro.
Sebastián Rulli, ator e modelo argentino.
1976 – Alana Evans, atriz estadunidense.
1977
Ricardo Medina, Jr., ator norte-americano.
Max Mirnyi, tenista bielorrusso.
1978
Marco Antonio Gimenez, ator brasileiro.
Hassan Roudbarian, futebolista iraniano.

Falecimentos:
1535 – Sir Thomas More, político e santo inglês.
1557 – Eduardo VI de Inglaterra (nascido em 1537).
1871 – Castro Alves escritor brasileiro (nascido em 1847).
1893 – Guy de Maupassant, escritor (nascido em 1850).
1902 – Maria Goretti, jovem mártir da Itália (nascida em 1890).
1916 – Odilon Redon, pintor e artista gráfico francês (nascido em 1840).
1920 – Luiz Vianna, magistrado e político brasileiro, Governador da Bahia durante a Guerra de Canudos (nascido em 1846).
1934 – Nestor Makhno – Anarquista ucraniano fundador do Exército Negro
1944 – Chuichi Nagumo, almirante da Marinha Imperial Japonesa.
1954 – Henri Frankfort, egiptólogo neerlandês.
1962 – William Faulkner, escritor norte-americano, Nobel de literatura (1949) (nascido em 1897).
1971
Louis Armstrong, músico norte americano (nascido em 1901).
Raimundo Irineu Serra, seringueiro, fundador da doutrina do Santo Daime (nascido em 1892).
1972 – Brandon De Wilde, ator norte-americano, famoso por interpretar o menino de Os Brutos Também Amam/Shane (nascido em 1942).
1997 – Oswaldo Arthur Bratke, arquiteto brasileiro (nascido em 1907).
1998 – Roy Rogers, cantor e ator norte-americano (nascido em 1911).
1999 – Joaquín Rodrigo, compositor e maestro espanhol (nascido em 1901).
2005 – Claude Simon, prémio Nobel de Literatura em 1985 (nascido em 1913).
2009 – Robert McNamara, ex-secretário de Defesa dos Estados Unidos que “arquitetou” o envolvimento do país na Guerra do Vietnã (nascido em 1916)

Feriados:
Dia Mundial Contra Passageiros Indesejáveis.
Comores e Malawi – Dia da Independência
Início das Festas de São Firmino em Pamplona, Espanha
Data da fundação de Teresópolis, cidade da região serrana do Rio de Janeiro. Feriado municipal.
Aniversário da guarda municipal de São Luís-MA
Santos do dia
Santa Maria Goretti, Virgem e Mártir

6273 – Cuba – Produtos Maquiados


Cuba é uma ilha famosa por produzir alguns dos melhores charutos do mundo, os “habanas”, que durante o bloqueio político dos americanos foram disputados a peso de ouro. Tem também uma produção grande de açúcar, mas um de seus produtos mais procurados é o rum, uma bebida que os colonizadores espanhóies usavam para esterilizar a água dos navios durante as travessias oceânicas. O rum cubano já é vendido há tempos no exterior, assim como os charutos. Só há um problema: o álcool é muito bom, mas a garrafa é péssima. Para resolver a questão, o governo cubano está estudando um plano para modificar o formato de suas garrafas. A intenção é que elas fiquem tão charmosas e atrativas quanto as embalagens de charutos.

Uma dose a mais de conhecimentos:

Tipos de rum

O rum é uma bebida alcoólica obtida a partir da fermentação do melaço e outros derivados da produção de açúcar, além do caldo de cana fermentado e posterior destilação. O rum é uma bebida secular, de características refinadas e aroma suave.
Feito de canas frescas trituradas ou do seu melaço, a bebida começou a ser apreciada no século XVII, quando foi divulgada como um poderoso medicamento capaz até de “exorcizar os demônios do corpo”. Conta-se também que seu alto teor alcoólico (de 40 a 55°GL) o fez famoso entre os piratas a a partir do século XVII, os encorajando antes dos combates. Serviu como moeda de troca de escravos africanos.
O rum pode ser feito de duas formas diferentes: a agrícola e a industrial.O primeiro é obtido diretamente do caldo de cana fermentado e o industrial do melaço. A destilação pode ser feita em alambique ou coluna de destilação. Em ambas, o resultado é uma bebida cristalina. Quanto à cor dourada encontrada em alguns tipos da bebida, deve-se ao envelhecimento em tonéis de carvalho ou à adição de corantes caramelo. Os envelhecidos são muito mais caros e, pelo seu sabor peculiar e característico, devem ser consumidos puros ou com gelo. O rum pode também ser a mistura de dois ou mais tipos de rum , como o agrícola com o industrial, o de alambique com o de coluna de destilação e novo com o envelhecido e diferentes combinações entre estes tipos.
É o principal ingrediente de muitos drinques famosos,como o banana daiquiri ou o proprio daiquiri. É produzido principalmente nas ilhas do Caribe. A grande quantidade de países produtores de rum se reflete na gama de variedades da bebida. As principais são:
Rum encorpado: é o rum escuro. Têm corpo e aromas marcantes e é originário da Jamaica, Martinica, Barbados;
Rum aromático: além do melaço da cana, contém bagos de arroz vermelho. Produzido principalmente na Indonésia, é levado para a Holanda e a Suécia para ser engarrafado e utilizado na fabricação do ponche;
Navy Rum: é um dos mais encorpados. Produzido na Guiana e em Trinidad e Tobago;
Rum cubano: rum leve, com teor alcoólico de 40°GL, pode ter coloração transparente (para coquetéis) ou dourada. A marca mais famosa deste tipo de Rum é a Havana Club (propriedade do Estado Cubano), esta marca surgiu através da Bacardi quando esta foi privatizada para os EUA. Por esta razão, a Bacardi é uma marca americana, sendo muitas vezes considerada erradamente uma marca cubana. ;
Rum da Jamaica: o mais forte de todos os tipos de rum. Tem teor de quase 75°GL, e geralmente é exportado para a Inglaterra, onde é envelhecido em tonéis de carvalho por muitos anos;
Rum da Martinica: encorpado, é feito do suco da cana no lugar do melaço;
Rum de Barbados: excelente qualidade, é leve e tem sabor acentuado;
Rum de Porto Rico: figura entre os tipos mais famosos de rum, é leve e de qualidade.

A cana-de-açúcar começou a ser cultivada nas Canárias, em 1493, e dali transportada pelas esquadras de Cristóvão Colombo para as índias (novo mundo).
Devido ao lucrativo mercado do açúcar na Europa, foram instalados vários engenhos de açúcar nas colônias americanas. Durante a produção do açúcar são gerados vários resíduos como as espumas durante a fervura do caldo de cana e o mel de furo, ou melaço, na fase de cristalização do açúcar. A maior parte destes resíduos era descartada, pois havia pouco uso para eles. Alguém descobriu que, misturados à água, eles fermentam. Não tardou para que eles começassem a ser destilados para obtenção de bebida alcoólica. Nos princípios do século XVII surgiu o primeiro rum destilado a partir da cana-de-açúcar nas possessões inglesas das Américas, ao mesmo tempo que a tafia nas francesas, a aguardiente de caña nas espanholas e aguardente da terra ( passando depois a ser chamada de aguardente de cana e posteriormente de cachaça) na portuguesa (Brasil). Ou seja, eram todas a mesma bebida, com diferentes nomes, de acordo com a colônia onde era produzida.
Existem várias histórias e lendas sobre o rum que envolvem os piratas da época. Alguns “experts” na matéria defendem que a palavra rum deriva de Rumbullion ou Rumbustion. Expressões usadas, na gíria, pelos ingleses para descrever os excessos provocados pelos bêbados. Outros afirmam que a palavra rum tem origem latina, saccharum (açúcar). No século XVII, o rum era já muito conhecido, sendo considerado como uma bebida medicinal que curava todas as doenças e expulsava os “demónios” do corpo. Em 1775 o rum era a bebida mais vendida na América, o consumo anual per capita era de aproximadamente 18 litros.
Na cultura popular, o rum é classicamente associado a piratas, sendo retratado como a bebida predileta dos mesmos. Alguns piratas associados ao rum foram o britânico (gaulês) Capitão Henry Morgan, George Lowther, Ned Low, John Browne, William Lewis e Edward Teac, o Barba Negra.

Veja no logo do Montilla a associação a piratas

6272 – Mega Byte – Vírus pode atacar 250 mil computadores do mundo todo na segunda-feira


Quase 250 mil usuários de computadores podem ficar sem acesso à internet no mundo todo na segunda-feira por causa de um software malicioso usado num golpe que as autoridades dos Estados Unidos disseram ter desbaratado em novembro.
Alguns blogs e reportagens deram grande ênfase ao risco de um “apagão” na internet. Mas especialistas dizem que apenas uma pequena fração dos computadores está sob risco, e que os provedores de acesso estarão atentos para restaurar rapidamente o serviço em caso de problemas.
Segundo eles, a ameaça é pequena em comparação a outros vírus mais difundidos, como o Zeus e o SpyEye, que infectam milhões de PCs e são usados para fraudes financeiras.
Nesta semana, cerca de 245 mil computadores no mundo todo continuavam infectados pelo “Alureon” e seus “parentes”, segundo a firma de segurança Deteque. Isso inclui 45.355 computadores nos Estados Unidos.
Os vírus são programados para redirecionar o tráfego de internet para servidores DNS controlados por criminosos, segundo o FBI. Servidores DNS são ferramentas que distribuem o tráfego da internet.
Quando as autoridades derrubaram os servidores “bandidos”, um juiz federal de Nova York determinou que os servidores temporários fossem mantidos enquanto as máquinas das vítimas eram consertadas.
Os servidores temporários serão desativados à 0h01 de segunda-feira (1h01 em Brasília), o que significa que computadores que não tenham sido consertados até lá não poderão mais acessar a internet.
Alguns provedores dos Estados Unidos, como AT&T e Time Warner Cable, adotaram soluções temporárias para que seus clientes possam acessar a internet usando o endereço dos servidores DNS dos criminosos.
Informações sobre como identificar e limpar infecções podem ser encontradas em um site criado por um grupo de empresas de segurança e outros especialistas: http://www.dcwg.org.
“É muito fácil de consertar”, disse Gunter Ollmann, vice-presidente de pesquisas da firma de segurança Damballa. “Há muitas ferramentas disponíveis.”
Muitas das máquinas que continuam infectadas provavelmente estão inativas, já que a maioria das vítimas foi notificada do problema, disse o especialista em segurança Johannes Ullrich, que mantém o chamado Centro de Tempestades da Internet, que monitora ameaças na web.
Os Estados Unidos abriram processo contra sete pessoas por orquestrarem a fraude mundial na internet. Seis delas foram presas na Estônia, e a sétima, que vivia na Rússia, continua foragida. O governo estoniano já extraditou dois dos homens para Nova York, onde compareceram à corte federal de Manhattan.