Todos os posts de carlosrossi

Sobre carlosrossi

Autodidata - ☻Mega Arquivo - Início em Março de 1988

5554 – Por que há destros e canhotos?


Tudo indica que a causa seja genética. A evidência mais interessante foi obtida pela observação, por meio de ultra-som, de fetos em gestação: 90% deles chupavam o polegar direito e 10%, o esquerdo – exatamente a mesma proporção de destros e canhotos encontrada na população em geral. Pode haver também influência do ambiente: como os canhotos são minoria, é comum que sejam forçados, na escola ou em casa, a usar a mão direita. “Mas é fácil perceber quando a pessoa é um falso destro. Ela dobra o cotovelo para fora e a mão para dentro, fazendo uma curva como se tentasse usar a mão esquerda”, afirma um neurologista da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Deve ficar claro que não há nenhuma desvantagem em ser canhoto. Basta lembrar os três maiores pintores da Renascença – Michelangelo, Leonardo da Vinci e Rafael; músicos como Jimi Hendrix e Paul McCartney; e escritores como Lewis Carroll e Mark Twain.

5553 – Mega Personagens – Bond, James Bond


Carros, mulheres, equipamentos modernos e espionagem. Essa é a fórmula que faz do agente secreto britânico James Bond um dos maiores mitos do cinema. Um personagem com 50 anos. Já foi interpretado por Sean Connery, George Lazenby, Roger Moore, Timothy Dalton e, agora, Pierce Brosnan e Victor Haas.
O espião JamesBond (ou 007) foi criado pelo escritor Ian Fleming (1908-1964). Suas características fazem um amálgama de várias pessoas. O próprio Fleming foi inspiração para o agente. Ele trabalhou como voluntário da Marinha britânica, enquanto Bond é comandante dela. O criador também era charmoso, gostava de beber e de carros velozes.
Sean Connery era odiado por Fleming, criador do agente secreto 007. O “pai” do personagem não gostava do ator, o qual achava arrogante. Ele queria Stewart Granger (As Minas do Rei Salomão) no papel de Bond.
O nome do espião foi retirado do livro predileto da mulher de Fleming, Field Guide to Birds of the West Indies (“Guia de Campo dos Pássaros das Índias Ocidentais”), cujo autor chamava-se James Bond.
A coleção inteira de 007 já foi lançada em DVD e existem ainda novos discos desses filmes sendo lançados agora. O restante das produções deve chegar ainda no começo de 2003.
O primeiro foi Dr. No, que tinha um braço metálico. Depois, Auric Goldfinger e sua mania por ouro, Blofeld e seu gatinho branco. O melhor de todos era o Dentes-de-Aço, que tinha uma mandíbula metálica e matava a dentadas.

5552 – Mega Polêmica – Medicina sem remédios?


Enquanto o Projeto Genoma, as invenções do Prozac e do Viagra e os transplantes milagrosos preenchiam as manchetes, descobertas simples e de grande impacto transformavam a maneira como os médicos tratavam os problemas de saúde e tentavam evitá-los. Foi preciso que surgissem medicamentos para alguns dos males que mais atacam a humanidade – hipertensão, derrame, diabete, depressão – para perceber que esses problemas podem ser curados antes mesmo que apareçam, e sem precisar de remédio nenhum.
As doenças que mais preocupavam há 100 anos eram infecções como poliomielite, tétano ou sarampo e foram drasticamente reduzidas com a utilização de vacinas e antibióticos. Por outro lado, doenças decorrentes do estilo de vida atual subiram ao topo do ranking entre os agentes que mais matam, não importa a origem ou a classe social.
O maior difusor dos remédios até hoje, considerado o criador da farmacologia, foi Paracelso, um suíço que viveu no século XVI e que, quase sem nenhum treinamento formal, afirmou que as doenças eram desequilíbrios químicos que com substâncias químicas deveriam ser tratados. Ele defendia que a única forma de descobrir o tratamento correto era pela experimentação. Com esses métodos, aplicava compostos à base de ferro para curar anemias e utilizava soluções de mercúrio como terapia para sífilis. Nos séculos seguintes, cientistas conseguiram, com práticas semelhantes, elaborar uma lista de milhares de compostos capazes de interferir nos mais diversos males.
Ele dizia que a diferença entre um remédio e um veneno é a quantidade que se toma. Pesquisas recentes mostraram o quanto ele estava certo. Descobriu-se, por exemplo, que nosso corpo é muito sensível a alguns metais. Sabe-se agora que o limite de chumbo que uma pessoa pode carregar no corpo humano é quatro vezes menor do que se acreditava há 20 anos. Uma reavaliação drástica ocorreu também com o mercúrio, o que levou à retirada das farmácias de curativos como o Merthiolate e de outros remédios que eram administrados sem critério a crianças até há bem pouco tempo. As descobertas também levaram a uma maior preocupação com a poluição ambiental, uma vez que a absorção desses componentes maléficos ocorre muitas vezes por água contaminada.
O uso indiscriminado de medicamentos pode causar danos tão graves quanto os males que eles deveriam prevenir.
Há também evidências de que indivíduos que crescem em ambientes excessivamente higienizados e com pouco contato com outras pessoas têm maior probabilidade de ter asma, diabete tipo 1 e esclerose múltipla.
Deve-se usar o mínimo de remédios necessário. “Quanto menos medicamentos tomarmos, melhores serão as implicações para a saúde”, afirma o toxicologista Anthony Wong, do Hospital das Clínicas, em São Paulo. Essa receita vale até para os suplementos vitamínicos. As substâncias que eles contêm são sem dúvida úteis para prevenir centenas de doenças, mas não há comprovação de que uma dose extra seja necessária. “Uma dieta normal é suficiente para suprir todas as necessidades diárias de vitamina”, diz Anthony.
O que fazer com aquela dor de cabeça, insônia ou cólica que aparece todo mês e incomoda, mas não justifica uma ida ao médico ou ao hospital? Para os clínicos, casos como esses são suficientes para que se tome um remédio conhecido – e de venda livre – que resolva o problema, com o cuidado de ler a bula e verificar a freqüência com que ele deve ser ingerido.
A indústria farmacêutica está tentando transformar três dos acontecimentos mais marcantes da última década – a proliferação do vírus da Aids, o mapeamento do genoma humano e o desenvolvimento da informática – em ótimas notícias para os pacientes. A tentativa de eliminar o HIV deu aos cientistas informações detalhadas sobre como funciona o sistema imunológico e novas perspectivas de vacinas. Com isso, é possível que nas próximas décadas surjam formas de se imunizar contra o vírus ebola, a tuberculose, a malária, tumores, alguns tipos de câncer e até doenças cardíacas (o acúmulo de colesterol nas artérias pode ter origem em uma inflamação causada por bactérias).
Já existem empresas que mapeiam o genoma de qualquer pessoa por algumas centenas de milhares de dólares. Quando o método baratear, será possível obter o perfil genético não só de cada paciente como também do vírus ou bactéria que o infectou. “Os medicamentos de hoje são um sucesso para alguns pacientes e um fracasso para outros. No futuro, eles serão projetados de acordo com o perfil do paciente.
Você faz há 20 anos o mesmo exercício para a melhorar a saúde? Continue fazendo, mas esqueça tudo o que lhe ensinaram naquela época sobre atividade física. Pesquisas feitas nos últimos dez anos revolucionaram todos os conceitos que ligavam os esportes à saúde e trouxeram boas e más notícias. A má é que as doenças causadas pela falta de exercícios são mais graves e mais disseminadas do que imaginávamos. A boa é que preveni-las é extremamente fácil.
Só em 1992, a Organização Mundial de Saúde reconheceu o sedentarismo como um mal em si. Até então, ele era apenas um fator que contribuía para doenças como obesidade, diabete, colesterol alto e hipertensão. Quando a falta de exercício físico foi analisada de forma independente, percebeu-se que ela figurava entre os piores flagelos da humanidade.

5551 – De ☻lho no Mapa – Finlândia


Helsinke, a capital

É um país nórdico situado na região da Fino-Escandinávia, no norte da Europa. Faz fronteira com a Suécia a oeste, com a Rússia a leste e com a Noruega ao norte, enquanto a Estônia está ao sul através do Golfo da Finlândia. A capital do país é Helsinque.
Cerca de 5,3 milhões de pessoas vivem na Finlândia, sendo que a maior parte da população está concentrada no sul do país.
A Área Metropolitana de Helsinque (que inclui a Helsinque, Espoo, Kauniainen e Vantaa) é a residência de cerca de um milhão de habitantes e é responsável pela produção de um terço do PIB do país. Outras cidades importantes incluem Tampere, Turku, Oulu, Jyväskylä, Joensuu, Kuopio e Lahti.
A Finlândia foi uma parte da Suécia e em 1809 um Grão-Ducado autônomo dentro do Império Russo. A Declaração de independência da Finlândia foi feita em 1917 e foi seguida por uma guerra civil, guerras contra a União Soviética e a Alemanha nazista e por um período de neutralidade oficial durante a Guerra Fria. A Finlândia aderiu à ONU em 1955, à OCDE em 1969, à União Europeia em 1995 e desde o início da Zona Euro. O país foi classificado como o segundo mais estável do mundo, em uma pesquisa baseada em indicadores sociais, econômicos, políticos e militares.
A Finlândia teve um atraso relativo no seu processo de industrialização, permanecendo como um país essencialmente agrário até 1950. Posteriormente, o desenvolvimento econômico foi rápido e o país atingiu um dos melhores níveis de renda do mundo no início da década de 1970.
A Finlândia é muito bem colocada em várias comparações internacionais de desempenho nacional, como produção de alta tecnologia, saúde e desenvolvimento humano.
De acordo com evidências arqueológicas, a área onde agora é a Finlândia foi estabelecida primeiramente em torno de 8500 a.C. durante a idade da pedra enquanto a última era do gelo retrocedia.
Os povos mais adiantados provavelmente eram caçadores e camponeses, vivendo na tundra e com o que o mar poderia oferecer. A cerâmica é conhecida desde 5300 a.C. A existência de um sistema de troca extenso durante o período mesolítico é indicada pela propagação do asbesto e da pedra-sabão na Finlândia oriental, e por existir ardósia na Escandinávia, na Rússia, no sul do lago Onega além de na Escandinávia do norte.
Os primeiros suecos desembarcaram na costa finlandesa na época medieval. Os reis suecos estabeleceram as primeiras regras no país em 1249. Pouco tempo tempos, o país foi agregado e completamente colonizado pela Suécia.
Em 29 de março de 1809, depois de ter sido tomada pelas forças militares de Alexandre I da Rússia, a Finlândia tornou-se o Grão-ducado da Finlândia, autônomo no império russo até o fim de 1917, durante esse tempo, a língua finlandesa ganhou mais espaço, e a partir de 1860, um forte movimento popular nacionalista cresceu.
Durante a Segunda Guerra Mundial, a Finlândia e a União Soviética (URSS) se enfrentaram duas vezes: na Guerra de Inverno (1939-40), e na continuação da guerra entre 1941 e 1944, durante a Operação Barbarossa, quando a Alemanha invadiu a URSS. Durante 872 dias, tropas finlandesas e alemãs sitiaram Leninegrado, uma das principais cidades da URSS. Após a derrota da Alemanha pelas frentes orientais e o subsequente avanço soviético, a Finlândia foi forçada a se retratar com a URSS, e aceitar exigências de reparações e controle.
O país teve de rejeitar a ajuda do Plano Marshall, elaborado para reestruturar a Europa, mas foi secretamente amparada pelos Estados Unidos, que ajudaram no desenvolvimento e contribuíram com o partido dos democratas para preservar a independência do país.
A Finlândia é um país com milhares de lagos e ilhas, 187 888 lagos e 179 584 ilhas, mais concretamente. Um destes lagos, o Saimaa, é o 5º maior lago da Europa. A paisagem finlandesa é predominantemente plana, com algumas colinas e montes baixos. O ponto mais alto do país, o Halti, com 1328 m, encontra-se no extremo norte da Lapónia.
Cerca de 75% da área terrestre do país está coberto por Taiga (ou floresta boreal), com pouca terra arável, o tipo mais comum de rocha é o granito. A Morena é o tipo mais comum de solo, recoberto por uma fina camada de húmus de origem biológica.
Um quarto do território finlandês situa-se a norte do Círculo Polar Ártico, e consequentemente é possível experimentar o Sol da meia-noite, mais frequente à medida que se caminha para norte.
A maior parte do ensino pré-universitário é organizado a nível municipal. Mesmo que muitas, ou a maioria, das escolas tenham sido iniciadas como escolas particulares, hoje apenas cerca de 3% dos estudantes estão matriculados em escolas privadas (escolas principalmente com sede em Helsinque), índice este menor que o verificado na Suécia e na maioria dos outros países desenvolvidos.
É altamente produtiva em pesquisa científica. Em 2005, a Finlândia teve o quarto maior número de publicações científicas per capita dos países da OCDE.

Nokia, na Finlândia

5550 – Academia de Ciências de Luto


Aziz Nacib Ab’Sáber, pesquisador da USP e um dos maiores especialistas em geografia física do país, bem como uma voz ativa nos debates sobre biodiversidade e preservação ambiental, morreu na manhã desta sexta-feira, às 10h20, em São Paulo. Ele tinha 87 anos.
A informação foi dada pela SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), instituição que Ab’Sáber presidiu de 1993 a 1995 e da qual era presidente de honra e conselheiro.
Ab’Sáber morreu em casa. “Ele tomou café, sentou na cama e deu um suspiro. Morreu em seguida, foi fulminante”, disse Nídia Nacib Pontuschka, irmã do geógrafo. Ela afirma que a causa da morte ainda não foi identificada, mas suspeita-se que tenha sido um infarto ou um derrame.
A SBPC confirmou que o corpo de Ab’Sáber será velado no Salão Nobre do prédio da administração da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP (Rua do Lago, 717, Cidade Universitária, São Paulo), das 19h às 22h. O velório será reaberto amanhã a partir das 8h e o enterro será às 11h no Cemitério da Paz, no Morumbi.
Ab’Sáber nasceu em São Luís do Paraitinga (SP) em 24 de outubro de 1924. Seu pai era libanês.
Embora já estivesse aposentado, Ab’Sáber continuava publicando livros e sendo um observador arguto das controvérsias políticas envolvendo a questão ambiental.
Envolveu-se, por exemplo, com a discussão do novo Código Florestal, que pode alterar as áreas de preservação obrigatórias em propriedades particulares, nos últimos dois anos.
Segundo a SBPC, o geógrafo criticou o texto por não considerar o zoneamento físico e ecológico de todo o país, deixando de lado a importância da diversidade de paisagens naturais no Brasil.
O estudioso também chegou a sugerir a criação de um Código da Biodiversidade para implementar a proteção a espécies da flora e da fauna.
Ab’Sáber deixa cinco filhos, seis netos e um bisneto.
O site da SBPC traz uma extensa lista dos prêmios recebidos por Ab’Sáber ao longo da carreira. Destacam-se o Prêmio Jabuti em ciências humanas (1997 e 2005) e em ciências exatas (2007), o Prêmio Almirante Álvaro Alberto para Ciência e Tecnologia (1999), concedido pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, a Medalha de Grão-Cruz em Ciências da Terra pela Academia Brasileira de Ciências; e o Prêmio Unesco para Ciência e Meio Ambiente (2001), concedido pelas Nações Unidas
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também enviou uma nota, por meio de seu instituto, lamentando a morte do geógrafo. Eles estiveram juntos nas Caravanas da Cidadania, viagens que Lula, membros do PT, além de especialistas de diversas áreas, fizeram pelo país nos anos 90.
“Aziz Ab’Saber foi, sem dúvida, um dos maiores geógrafos que o Brasil já teve. Seu profundo conhecimento da geografia e seu compromisso inabalável com o povo brasileiro foram fonte de inspiração para todos nós.

5549 – Onde fica o fim do mundo?


Ou melhor, o fim do Universo..

Uma hipótese, sugerida pela medição da luz que chega dos pontos mais distantes do universo, é que ele tenha entre 10 e 15 bilhões de anos-luz. Um ano-luz é a distância percorrida pela luz no período de um ano e corresponde a 9,5 trilhões de quilômetros. Para complicar ainda mais esse cálculo, os cientistas descobriram que as galáxias estão se afastando umas das outras, o que leva a crer que o cosmo está permanentemente se expandindo. Isso coloca uma questão óbvia: se o universo compreende tudo e fora dele não há nada, como ele pode estar aumentando de tamanho? Para ter uma idéia das distâncias descomunais do universo, imagine que você embarque num ônibus espacial em direção ao fim do mundo. Depois de quase 30 anos viajando a uma velocidade de 30 000 quilômetros por hora, você atingiria o limite do sistema solar. Seria preciso viajar outros 500 anos para chegar à estrela mais próxima do Sol e alguns bilhões de anos para ultrapassar os limites da Via Láctea. O mais espantoso é que você nunca chegaria ao limite do universo, uma vez que o mundo está se expandindo numa rapidez muito superior à velocidade de qualquer espaçonave concebível. A única forma de atingir as bordas do universo seria numa máquina do tempo.

5548 – Tratamento contra o nanismo


Ele consiste em injeções diárias de uma versão sintética do hormônio conhecido como GH (do inglês Growth Hormone, “hormônio de crescimento”), mas apenas quando há uma deficiência em sua produção. Em condições normais, o corpo cresce por meio de cartilagens especiais encontradas nos ossos mais longos – como os dos braços e das pernas. “Esses ossos têm duas partes: a metáfise, que fica no meio, e a epífise, nas pontas. A cartilagem de crescimento separa uma da outra e, quando o processo de crescimento se completa, essas cartilagens se calcificam”, afirma o endocrinologista e pediatra Gil Guerra Júnior, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Depois que isso acontece, no final da adolescência, é inútil tomar hormônio – apesar de exceções como o apresentador da MTV Luiz Alves Pereira Neto, mais conhecido como Ferrugem.
Devido a uma deficiência na hipófise (glândula cerebral que produz o GH), ele permanecia com corpo de criança até os 23 anos, quando iniciou um tratamento de reposição hormonal depois que se constatou que seus ossos ainda tinham cartilagens de crescimento. “Tomei hormônios sintéticos durante cinco anos e consegui crescer 31 centímetros”, diz Ferrugem, hoje com 35 anos. Um tratamento semelhante – comprimidos diários de hormônio – é aplicado em crianças que não crescem direito por hipotireoidismo, deficiência da glândula tireóide. Por fim, existe o chamado alongamento ósseo, para aqueles que sofrem de displasias, doenças hereditárias que interferem na formação dos ossos. Nesse caso, os ossos dos braços e das pernas são quebrados e acoplados a aparelhos extensores. O tratamento permite um grau elevado de crescimento, até mesmo em adultos, mas é demorado e doloroso – além de exigir várias cirurgias, cria o risco de infecções ósseas, difíceis de tratar.

5547 – O que significa o logo da Justiça?


A venda é um símbolo de imparcialidade: significa que ela não faz distinção entre aqueles que estão sendo julgados. A balança indica equilíbrio e ponderação na hora de pesar, lado a lado, os argumentos contra e a favor dos acusados. A espada é um sinal de força. “A arma implica que a Justiça não pede aos que estão brigando que aceitem sua decisão. Ela tem de ser imposta, mesmo porque inevitavelmente descontentará um dos dois lados em conflito”, diz um advogado professor de Direito Público da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). A Justiça é associada a figuras femininas desde a antigüidade. A deusa egípcia Maat (cujo nome deu origem à palavra “magistrado”) muitas vezes era retratada com uma espada na mão. Na Grécia, o papel cabia a Têmis, que já trazia uma balança na mão direita. Em sua versão romana, batizada Justitia, a mesma deusa passa a trazer também a espada e a venda nos olhos.
Para completar, a balança e a espada também são instrumentos de São Miguel, o arcanjo justiceiro, que, apesar de já fazer parte da tradição judaica, passou a ser retratado assim nos primeiros séculos do cristianismo.

5546 – Física – Fusão à Frio


A experiência básica da fusão fria é tão simples que pode ser feita em casa. Bastam uma lâmpada velha, 2 tubos de ensaio escolares e água. É bom pedir ajuda a um professor ou a um físico, para evitar choques na água ou queimaduras, devido à queima acidental dos gases hidrogênio e oxigênio.
O 1º passo é cortar a calota da lâmpada. Depois, retira-se o filamento que fica incandescente quando esta se acende. Restaram 2 fios mais duros que estavam conectados ao filamento. Sobre eles emborcam-se 2 pequenos tubos de ensaio. A água que cobre tudo é percorrida pela eletricidade assim que a lâmpada é ligada na tomada e em consequência disso, as moléculas de h²o se quebram: um dos fios geram pequenas bolhas de hidrogênio, de carga elétrica positiva.
Ele se acumula como um gás no tubo de ensaio. No outro tubo, acumula-se oxigênio, de carga negativa. Tal experiência é chamada hidrólise. Trocando os fios da lâmpada por 2 folhas de metal paládio e em vez de água comum que contém hidrogênio, usando água pesada, que contém deutério, se faria a experiência da fusão à frio. O próton de deutério é o 2º mais simples, com 1 próton e 1 nêutron. Há outros ingredientes, mas esses não são essenciais.

5545 – Evolução – Árvore genealógica das moscas


Depois de mapear a história evolutiva das moscas, cinetistas da Universidade da Carolina do Norte, agora construíram uma árvore genealógica. Tal estudo abrangeu os últimos 260 milhões de anos da ordem dos dípteros, insetos com um único par de asas. As 1ªs moscas viviam em rios de regiões montanhosas. Com o tempo, se adaptaram a viver em diversos ambientes; haviam larvas que se desenvolveram. Até em petróleo e em fontes termais. A tabela, entretanto, pode ser aumentada, já que ainda há espécies que não foram descobertas.

5544 – Tecnologia – EMBRAER na defesa


A EMBRAER comprou a empresa Orbisat e negociava a aquisição da Atech, especializada em eletrônica aeronáutica. Associou-se a Odebrecht para projetos de defesa. O 1º passo será a aquisição ou parceria com o fabricante de mísseis Mectron. A Odebrecht está subcontratada pela francesa DCNS para fazer o estaleiro de submarinos barsileiros.
Elbit – A israelense que já possui a empresa de aviação gaúcha Aeroeletrônica, comprou 2 empresas fornecedoras de equipamento naval: Ares e Periscópio. Ambas estão na cadeia produtiva do novo submarino brasileiro, o Scorpene, que servirá de base para um modelo de propulsão nuclear.

5543 – Nutrição – A Alimentação Pré-histórica


Paleolítico – De 2,5 milhões a 200 mil anos atrás. Raízes e sementes, frutas, insetos como cupins e animais de grande porte.
De 200 mil a 40 mil anos atrás – Animais menores, frutas e vegetais; surgiram técnicas de cozimento pelo aquecimento de pedras.
40 mil a 11 mil anos – A carne representava quase 50% da dieta, em algumas sociedades. O resto era complementado por vegetais coletados.
Neolítico – 10 mil anos – Início da domesticação de animais (ovelhas e vacas). Cultivo de trigo, cevada e arroz.
8 Mil anos – Domesticação de frangos e início do cultivo do milho. Invenção da cerâmica e do cozimento de grãos.
7100 – Surgiu o vinho
6000 anos – Iniciou-se a produção de lacticínios.
5500 anos – Óleos vegetais e pães já são produzidos.
4500 anos – Foi criado o macarrão.
4 mil anos – A cerveja entrou na dieta.

5542 – Neurologia – Virtude tem endereço


Em 1848, em 1 acidente com dinamite, uma barra de ferro entrou pelo queixo de um americano e saiu pelo topo do cérebro. Ele ficou minutos desacordado e se levantou para oespanto de todos. Depois da recuperação nunca mais foi o funcionário modelo que era, se tornando mentiroso, mal-educado e irresponsável. Neste caso, seria possível modificar o caráter de alguém por meio de cirurgia? A deformação moral por contusão já é conhecida desde o século 19, mas nunca foi investigada a fundo.
Quando tais danos ocorrem em bebês, estes sequer aprendem a distinguir o certo do errado. Mas ainda há muito o que descobrir.

Por que se perde a memória depois de uma bebedeira?
O hipocampo, a região que grava a memória, é atacada pelo álcool, que tem efeito inibidor e não consegue trabalhar direito. Amnésia é o resultado de uma intoxicação intensa. Há até o resco de morte das células nervosas. Não adianta se esforçar, as lembranças da noite anterior desaparecem para sempre porque o hipocampo nem sequer as gravou.

5541 – Neandertais eram canibais


Extintos há 30 mil anos, eles comiam seus semelhantes. O sapiens atual mata mas não come.
Foram encontrados ossos em uma caverna que fora ocupada por neandertais há 100 mil anos, contendo ossos que só podem ser restos de refeições. Convivendo na mesma época do sapiens, quando na época também eram canibais.
Várias tribos indígenas mantiveram a carne humana no cardápio atéo século 20. Mas, por que faziam isso? Fome é o motivo mais porovável.
Miolo e tutano – Cacos de um crânio e ossos partidos revelou sinais da pancada por instrumentos. Quem os quebrou estava atrás de petiscos nutritivos.
Lixeira – Restos de gente estavam misturados com partes de veados, comuns na dieta neandertal, o que significa que foram jogados no lixo. Eram sobras de comida e não uma sepultura.

5540 – Cérebro de rato produziu maconha


Isso aconteceu quando os roedores sentiram dor e para aliviar, o cérebro produziu uma substância semelhante a dos canabinóides. A descoberta foi a uma década por pesquisadores americanos. Provocando sensações desagradáveis nos animais, notaram que osw neurônios destes geraram grande quantidade de anadamida, substância que age exatamente como os canabinóides e funciona como analgésico. A partir daí iniciaram estudos para a produção de novas drogas.

5539 – Cientistas Famosos – Benjamin Franklin


Almanaque de Fraklin

(Boston, 17 de janeiro de 1706 — Filadélfia, 17 de abril de 1790) foi um jornalista, editor, autor, filantropo, abolicionista, funcionário público, cientista, diplomata, inventor e enxadrista norte-americano.
Foi um dos líderes da Revolução Americana, conhecido por suas citações e experiências com a eletricidade.
Religioso, calvinista, e uma figura representativa do iluminismo. Correspondeu-se com membros da sociedade lunar e foi eleito membro da Royal Society. Em 1771, Franklin tornou-se o primeiro Postmaster General (ministro dos correios) dos Estados Unidos.
Deixou os estudos aos dez anos de idade e aos doze começou a trabalhar como aprendiz do seu irmão, James, um impressor que publicava um jornal chamado “New England Courant”. Tornou-se colaborador da publicação e foi seu editor nominal, escrevendo as cartas, sob o pseudônimo de Silêncio Faz Bem, uma viúva de meia idade. Depois de uma discussão com o irmão, e Benjamin fugiu, indo primeiro a Nova Iorque e depois a Filadélfia, onde chegou em outubro de 1723.
Em 1732 começou a publicar o famoso Almanaque do Pobre Ricardo (Poor Richard’s Almanac), no qual se baseia boa parte da sua popularidade nos EUA. Provérbios deste almanaque, tais como “um tostão poupado é um tostão ganhado”, tornaram-se conhecidos em todo o mundo.
Franklin e outros maçons juntaram os seus recursos em 1731 e iniciaram a primeira biblioteca pública de Filadélfia. Fundaram para esse fim uma empresa, que encomendou os seus primeiros livros em 1732, na sua maioria livros de teologia e educacionais, mas em 1741 a biblioteca também incluía obras de história, de geografia, de poesia e de ciência. Os sucessos dessa empreitada encorajaram a abertura de bibliotecas em outras cidades americanas e Franklin percebeu que tal iniciativa fazia parte da luta das colônias na defesa dos seus interesses.
Em 1758, o ano em que ele deixou de escrever para o almanaque, imprimiu O sermão do pai Abraão, hoje considerado o texto mais famoso da literatura produzida na América nos tempos coloniais.
Entretanto, Franklin estava preocupado cada vez mais com os assuntos públicos; fundou a Universidade da Pensilvânia e a sociedade filosófica americana, com o fim de fomentar a comunicação das descobertas entre os homens da ciência. Ele já tinha começado a pesquisa da estática, que o iria ocupar, juntamente com outros temas científicos, com a política e com os negócios, até ao fim da sua vida.
Em 1748 Franklin vendeu o seu negócio e, tendo adquirido uma riqueza notável, pôde dispor de mais tempo livre para os estudos. Num espaço de poucos anos fez descobertas sobre a eletricidade que lhe deram reputação internacional. Ele identificou as cargas positiva e negativa e demonstrou que os raios são um fenómeno de natureza elétrica.
Franklin tornou esta teoria inesquecível através da experiência extremamente perigosa de fazer voar uma pipa durante uma tempestade, em 1 de outubro de 1752. Nos seus escritos, ele demonstra que estava consciente dos perigos e dos modos alternativos de demonstrar que o trovão era elétrico. Se Franklin fez a experiência, ele não a fez da forma descrita – ela teria sido fatal.
As invenções de Franklin incluíram o pára-raios, o aquecedor de Franklin – franklin stove (um aquecedor a lenha que se tornou muito popular, debitando uma corrente de ar diretamente na área a aquecer), as lentes bifocais e o corpo de bombeiros norte-americano.
Franklin estabeleceu duas áreas de estudo importantes das ciências naturais: eletricidade e meteorologia. Na sua obra clássica A história das teorias da eletricidade e do Éter, Sir Edmund Whittaker refere-se à inferência de Franklin de que quando se esfrega uma substância não se cria nenhuma carga elétrica, mas esta é apenas transferida, de modo que “a quantidade total em qualquer sistema isolado é invariável”. Esta asserção é conhecida como o “princípio da conservação da carga”.
Na política, Franklin foi um hábil administrador, mas também uma figura controversa: usou sua influência para favorecer familiares. O seu mais notável serviço ao público consistiu na reforma do sistema postal. Ganhou fama de estadista por seus serviços diplomáticos, atuando na ligação das colônias com a Grã-Bretanha e mais tarde com a Rússia.
Franklin foi um dos principais dignitários da maçonaria americana. Ao chegar à França, tomou parte ativa no trabalho de depuração e de unificação da maçonaria, iniciado em 1773 com a criação do Grande Oriente, e que culminou em 1780. Dirigiu, da sua casa em Passy, “as Musas” (Loge des Neufs Soeurs), em que se reuniram artistas e literatos como Helvétius, Condorcet, Chamfort, Mercier, Houdon, Vernet.
Permaneceu na França até 1785, tendo sido muito apreciado na sociedade parisiense. O cardeal Rohan, do célebre Caso do colar de diamantes, organizou festas em sua honra.
Após seu retorno da França em 1785, Franklin dedicou-se à abolição da escravatura, tendo-se tornado presidente da sociedade que visava a esse fim e à libertação dos negros ilegalmente retidos em cativeiro.

5538 – Homens ricos gostam de mulheres magras; pobres preferem gordinhas


Em testes com voluntários, outros pesquisadores dos EUA constataram que, quando os homens têm pouco dinheiro, tendem a desejar mulheres mais cheinhas. Mas quando têm a conta bancária gorda, preferem as mais magras.
A explicação é isso mesmo que vocês estão pensando. “Os homens que tinham a sensação de ‘escassez’ queriam mulheres que tivessem uns quilos a mais, quase como se a gordura da parceira pudesse protegê-los de passar fome“, diz o estudo.
Segundo os pesquisadores, a falta de dinheiro ativa um estado psicológico associado à pouca comida, à fome, à sensação de que precisamos de mais calorias – no caso, de gordura. E isso é refletido no interesse sexual. O efeito ficou ainda mais claro em um teste posterior, quando os cientistas fizeram entrevistas com diversos homens na porta de um restaurante e viram que, antes de comer, eles também demonstravam preferência pelas mulheres mais gordinhas e que, depois de satisfeitos, isso tendia a mudar.
A bonita e burra
A moça que nasce mais bonita que a média pode ter mais carinho dos pais (que tratam, sim, cada filho de forma diferente) e ser facilmente aceita entre os amigos. Mas essa herança pode ter um lado ruim: atraindo a atenção pela beleza, ela talvez não desenvolva artimanhas para se destacar, correndo o risco de ficar vazia e desinteressante.

5537 – Estamos a beira de um colapso ambiental?


O alerta foi dado hoje pela OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico), grupo de cooperação internacional formado por 34 países, a maioria ricos.
O relatório “Previsões Ambientais para 2050: As Consequências da Inação” traz dados alarmantes sobre temas como as mudanças climáticas, biodiversidade, água e os impactos da poluição na saúde humana.
Segundo o estudo, até 2050 a demanda mundial por energia deve crescer 80%, sendo que 85% dessa energia deve continuar sendo suprida por combustíveis fósseis. Isso fará com que as emissões de CO2, principal gás causador do efeito estufa, aumentem 50%. Nesse cenário, é dado como certo que a temperatura global suba entre 3°C e 6°C – bem acima dos 2ºC de aquecimento estimado pelo Painel de Mudanças Climáticas da ONU.
A poluição do ar será o principal problema ambiental em termos de saúde pública, superando a falta de acesso ao saneamento e água potável. O número de mortes prematuras relacionadas a males causados pela poluição do ar deverá mais do que dobrar, especialmente em países como China e Índia.
Atualmente as doenças respiratórias associadas à poluição matam 3,6 milhões de pessoas por ano em todo o mundo.
O crescimento da demanda por água potável é outro tema que preocupada a OCDE. A entidade estima que a demanda crescerá 55%, especialmente para uso na indústria (aumento estimado de 400%), usinas termelétricas (+140%) e uso doméstico (+130%). Esse aumento na demanda deve colocar sob risco de escassez hídrica tanto os agricultores quanto 2,3 bilhões de pessoas que vivem perto de rios, especialmente na África e Ásia.
As florestas, que são importantes para os ciclos hídricos, devem ocupar ainda menos espaço até 2050: a OCDE estima que as áreas com florestas encolherão 13%, com perda acentuada da biodiversidade.
Alguns exemplos bem-sucedidos de políticas verdes são apontados no estudo. Um exemplo é a criação, pelo governo britânico, do Banco de Investimentos Verdes, uma iniciativa que destinará 3 bilhões de libras esterlinas para projetos inovadores com foco em sustentabilidade – e a meta é chegar a 15 bilhões de libras em investimentos privados até 2015, especialmente nas áreas de energia e reciclagem.
No Japão, a cidade de Kitakyushu elaborou um plano para se tornar uma das cidades mais sustentáveis do país, com baixa emissão de carbono e o engajamento da prefeitura, empresas e moradores na iniciativa.

5536 – Como e por que foram esculpidas as faces dos presidentes americanos no monte Rushmore?


Em 1923, o historiador Doane Robinson, da Sociedade Histórica de Dakota do Sul, nos Estados Unidos, teve a idéia de esculpir em uma das pedras de Black Hills, no mesmo estado, o rosto de personagens americanos famosos, como Bufalo Bill. A intenção era atrair turistas para o Estado, cuja economia era baseada na agricultura. Robinson contatou Gutzon Borglun, um famoso escultor da época, conhecido por seu nacionalismo. Depois de conhecer a região, ele aceitou o desafio mas decidiu que os personagens da escultura seriam quatro presidentes americanos: George Washington, Thomas Jefferson, Abraham Lincoln e Theodore Roosevelt. O trabalho começou em 1927 e a pedra escolhida ficava no Monte Rushmore. Em um estúdio na base da montanha, o artista preparou modelos que serviriam como guias. Seu filho, Lincoln Borglum, fazia medições da distância entre os pontos do rosto dos modelos e, depois de cálculos, marcava os mesmos pontos na rocha para os trabalhadores saberem onde estava o pedaço a ser esculpido. Como era preciso retirar grande quantidade de pedra, as primeiras porções foram arrancadas com explosões de dinamite. Depois, o material foi talhado com cunhas de aço. As marcas que ficavam eram removidas com pequenos revólveres de ar. Os 360 homens mobilizados levaram 14 anos para concluir a obra. Mais de meio século depois de acabada, ela permanece intacta. A rocha é tão dura que os geólogos calculam que a erosão é de apenas 2,5 centímetros a cada 1 500 anos.

5535 – Quem construiu o Taj Mahal?


O mausoléu foi erguido no século XVII pelo imperador indiano Shanh Johan para homenagear uma de suas esposas, morta durante o parto ao dar a luz pela décima quarta vez. A amada chamava-se Arjumand Banu Began, também conhecida como Muntaz Mahal (que significa “a preferida do palácio”) e viveu com o imperador de 1612 a 1631. Foi sua terceira mulher e, como o próprio nome indica, era a verdadeira dona do seu coração. A obra foi iniciada em 1632 na cidade de Agra, na Índia, e ficou pronta 22 anos depois. Foi planejada por arquitetos da própria Índia, Pérsia e regiões da Ásia Central, mas não se sabe de quem foi o projeto final.
Shanh queria um monumento que superasse tudo o que existia de belo para o mundo saber do seu amor. Na construção foram usados materiais preciosos de várias regiões: o mármore branco veio da cidade indiana Jodhpur, a pedra turquesa do Tibet, os corais da Arábia e a malaquita, um metal esverdeado, da Rússia. Mais de 20 000 trabalhadores levantaram o palácio que mede 580 metros de comprimento por 304 metros de largura. Ele tem um espelho d’água que reflete a obra, uma mesquita, uma casa de hóspedes e uma tumba onde estão enterrados os corpos dos dois amantes. O Taj Mahal, cujo nome quer dizer “a jóia do palácio”, está ameaçado pela poluição. Suas paredes estão sendo corroídas. Atualmente, recebe 25 000 visitantes por dia. A história de amor que ele eterniza continua a inspirar poetas no mundo todo, como o brasileiro Jorge Benjor, que fez a música Taj Mahal.