Arquivo da categoria: Ciência

10.711 – Astronomia – Em evento raro, cometa ‘passa raspando’ por Marte


cometa-marte-2014-10-20-size-598

O cometa Siding Spring “passou raspando” por Marte neste domingo, em um encontro raro, que acontece apenas uma vez a cada um milhão de anos. Descoberto pelos cientistas em janeiro de 2013, o corpo celeste também conhecido como C/2013 A1 ficou a uma distância de 139.500 quilômetros do planeta vermelho – menos da metade da distância entre a Terra e a Lua. Além disso, a aproximação é dez vezes menor do que a de qualquer cometa já identificado que tenha passado pela Terra.
Astrônomos celebraram a passagem do cometa como uma chance única de estudar a sua influência na atmosfera marciana. “É uma ótima oportunidade de aprendizado”, comemorou Nick Schneider, da missão da sonda Maven em Marte. Segundo o pesquisador Gustavo Rojas, da Universidade Federal de São Carlos, a passagem do Siding Spring pode ajudar a testar a hipótese de que material orgânico, ingrediente básico para o surgimento da vida, tenha surgido em regiões muito afastadas do Sistema Solar e chegado à Terra na carona de cometas e asteroides.
O cometa foi descoberto por Robert McNaught no observatório australiano Siding Spring e acredita-se que ele tenha se originado bilhões de anos atrás, na Nuvem de Oort, uma região distante do espaço de onde partem cometas que “permanecem inalterados desde os primeiros dias do Sistema Solar”, segundo a Nasa. O cometa viajou mais de 1 milhão de anos para fazer esta primeira parada em Marte, e só irá retornar dentro de outro milhão de anos, assim que completar uma volta ao redor do Sol.

10.710 – O Paraíso é Aqui – Taylor Glacier Blood Falls, as cataratas de sangue


ctaratas

É verdade que a Antárctica não é geralmente o primeiro lugar que vem à nossa mente quando o assunto é “lugares paradisíacos que eu gostaria de conhecer”. Mas as paisagens de lá podem ser lindas a ponto de nos surpreender. Um exemplo marcante dessa singularidade pode ser encontrado no Taylor Glacier, que praticamente expele um fluxo contínuo de água hipersalina rica em ferro para a neve que está ao redor. A geleira foi descoberta em 1911 por um explorador chamado Thomas Griffith Taylor, que supôs que o tom avermelhado era causado por uma forma desconhecida de bactérias.
Pouco tempo depois, os cientistas encontraram a verdadeira razão para a água ser vermelha daquele jeito: uma antiga piscina subterrânea de água salgada, cor de sangue, cerca de 400 metros abaixo da superfície do gelo.
Cerca de cinco milhões de anos atrás, o nível de água ao redor da Antárctica subiu o suficiente para deixar um lago de água salgada na terra previamente seca. Quando o mar recuou, então, ele ficou encalhado no lago, que foi, em seguida, lentamente coberto por uma série de geleiras. Sem oxigênio, o lago ficou quase no mesmo estado exato de quando foi coberto, e tornou-se uma cápsula do tempo com cinco milhões de anos de idade.
Sendo assim, existem micróbios lá embaixo que permaneceram inalterados desde então, e eles os são responsáveis ​​por quebrar depósitos de ferro na água salgada. Uma vez que a água rica em ferro se aperta para passar através de uma fissura e ir para a superfície, entra em contato com o oxigênio pela primeira vez, e o hidróxido de ferro reage instantaneamente, deixando as águas da cachoeira com aspecto de ferrugem e merecendo o apelido de “Cataratas de Sangue”.

10.709 – Planeta Terra – Setembro bateu recordes de temperatura, de acordo com a Nasa


No mês passado, a média de temperatura da Terra alcançou os 14,77° – superando os registros de 2005 como o setembro mais quente da história, na média global. O recorde do setembro mais quente da história segue o agosto mais quente da história – o que, de acordo com especialistas, faz com que 2014 tenha o potencial de ser o ano mais quente já registrado.

E aí, será que outubro também baterá os recordes?

Confira o mapa de temperatura global, divulgado pela Nasa:

mapatemperatura

10.708 – Projeções – Você confia em pesquisas?


pesquisas

65% dos brasileiros achavam que “mulheres que usam roupas que mostram o corpo mereciam ser atacadas”, dizia aquela pesquisa do Ipea. Começou ali a campanha “não mereço ser estuprada”, Dilma tuitou o seu apoio, todo tipo de especialista ofereceu explicações. Mas, dias depois, o Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas corrigiu o gráfico. Disse que não eram 65% dos entrevistados, mas sim 26% que concordavam com o “ataque”. O diretor responsável pela pesquisa pediu demissão, como se sabe.
Mesmo com a correção, os protestos continuaram. Claro: 26% ainda era muito. E não existe dúvida de que falta muito para que haja igualdade de fato entre os gêneros – qualquer mulher que saia de shorts na rua não precisa de um levantamento do Ipea para ter certeza disso. Mas o caso também deixou claro que precisamos desenvolver um olhar crítico sobre outra coisa: as próprias pesquisas.
O problema maior aí é que tanto os 65% do primeiro momento como os 26% posteriores foram tratados como fato. Como há uma crença de que os números não mentem, a pesquisa foi divulgada e compartilhada como um achado científico incontestável. Só que há números e números. Uma coisa é, digamos, o total de pessoas nascidas no Brasil em um determinado ano – algo registrado individualmente. Outro é uma porcentagem de pessoas que responderam de determinada forma em uma pesquisa de opinião. Um é dado concreto, outro, uma estimativa baseada em uma amostragem. O primeiro é fato. O segundo, nem tanto.
O maior problema foi na escolha da amostra, que simplesmente não representava a população brasileira. Entre as 3.810 pessoas entrevistadas, apenas 29% moravam em regiões metropolitanas (no Brasil real, são 44%); mais de 65% eram mulheres (contra 51% da população de verdade) e 19% tinham 60 anos ou mais (contra 11% da realidade). Pessoas mais idosas e que moram fora dos centros urbanos tendem a ter um pensamento mais conservador (e, logo, menos favorável ao uso de roupas sensuais), mas a pesquisa ignorou isso. O texto das perguntas também sofreu críticas – o que significa exatamente “atacadas”? Uma senhora interiorana pode tranquilamente interpretar isso como um “ataque” verbal – e vindo de outra mulher; algo bem diferente de estupro. Se o termo da pergunta fosse justamente “estupro”, talvez os números fossem outros, mais baixos, até pelo fato de a maioria dos entrevistados ser mulher.

protesto estupro

Todos os grandes institutos têm erros importantes no currículo. Porque mesmo que os institutos falassem com todos os brasileiros, poderíamos não ter certeza sobre o que pensam as pessoas. Sim: a ordem das perguntas pode influenciar as respostas, por exemplo. Nas eleições de 2010, vários institutos de pesquisa foram questionados por enviesar o entrevistado. Antes de perguntar sobre a avaliação do presidente ou governador, por exemplo, o pesquisador fazia perguntas sobre o sentimento de insegurança, o desemprego, a inflação. Dependendo das respostas anteriores, uma avaliação que seria neutra ou positiva podia passar a ser negativa – já que o governante (citado na última pergunta) seria percebido como o culpado pela insegurança, pelo desemprego e pela inflação.
Outra questão está em quem divulga as pesquisas, seja a imprensa, seja cada um que compartilha no Facebook. É que o mesmo levantamento pode trazer dados que mostram realidades diferentes. O próprio texto do Ipea que acompanha os gráficos da fatídica pesquisa começa dizendo que 91% da população concordou com a frase “Homem que bate em mulher tem que ir para a cadeia”. E, mais adiante, diz que os jovens culpam menos as mulheres pelo comportamento violento dos homens. São sinais claros de progresso. Mas ninguém levou em conta.
O Ipea, que antes só fazia estudos econômicos, tem como missão agora elaborar pesquisas que ajudem a “ditar políticas públicas”. A porcentagem de gente que concorda com isso ou aquilo vai direcionar recursos para esta ou para aquela contratação de pessoal ou mudança no currículo escolar. Da mesma forma, pesquisas eleitorais direcionam o voto – o eleitor pode mudar a intenção para forçar um segundo turno, por exemplo, baseado nas pesquisas. No fim das contas, as pesquisas servem como uma arma a favor da democracia. Mas isso só vale, claro, se elas forem confiáveis. E só existem três formas de garantir isso. Primeiro, os institutos devem ser transparentes na hora de divulgar seus dados, mostrando como as perguntas foram feitas. Segundo, têm de gastar mais tempo e cérebro com a redação dessas questões, para evitar termos dúbios (como o “atacadas” do Ipea). Terceiro, e mais importante, é o papel do público: avaliar os números e o método. Porque não são só os institutos: nós também precisamos diminuir nossa margem de erro.

10.707- O Paraíso e Aqui – Cano Cristales


cachoeira colorida

Conhecido pelos habitantes locais como o “rio de cinco cores”, Cano Cristales é um verdadeiro paraíso escondido. O lugar, que mais parece ser uma daquelas imagens de papel de parede que são feitas em Photoshop, fica escondido nas montanhas da Colômbia, e existem apenas duas maneiras de chegar lá – as duas são de avião.
As cores do rio vem de uma combinação de algas, a tonalidade natural das rochas do rio, e o azul da água em si, que é de deixar qualquer um de queixo caído. Em particular, o vermelho vem de uma planta aquática chamada Macarenia clavigera. E como essa coloração é causada por seres vivos, o efeito muda constantemente, como se essa paisagem fosse uma aquarela viva desenhada por deuses.
O melhor momento para visitar Cano Cristales é durante o verão da região, pois é quando o calor traz os tons mais vibrantes de vermelho. Além das cores marcantes e a incrível biodiversidade do local, Cano também flui sobre algumas das rochas mais antigas do mundo, o Escudo da Guiana, que se formou cerca de 1,2 bilhões de anos atrás.

10.706 – Botânica – Superplanta faz mais fotossíntese


arabidopsis

A fotossíntese é uma das invenções mais fascinantes da natureza. A vida na Terra só existe graças a esse processo, que transforma luz e CO2 em oxigênio e glicose. Mas, agora, a engenhosidade humana pode ter descoberto um jeito de turbiná-lo: com a criação de uma planta que faz 30% mais fotossíntese. O supervegetal foi desenvolvido no Instituto de Tecnologia de Massachusetts*, e é uma versão modificada de plantas do gênero Arabidopsis. Ela absorve mais luz e CO2, libera mais oxigênio e produz mais energia que as plantas comuns. Tudo graças à nanotecnologia. Os cientistas injetaram nanopartículas de dióxido de cério (um metal raro) nos cloroplastos – as estruturas da planta que fazem a fotossíntese. Essas partículas de metal facilitaram o fluxo de elétrons dentro do vegetal, acelerando a fotossíntese. Aparentemente, a injeção não provocou efeitos nocivos às plantas.
A ideia, para o futuro, é criar grandes usinas só com superplantas. Elas sugariam muito CO2 do ar, o que ajudaria a brecar o aquecimento global. E também usariam a energia do Sol para produzir glicose (que depois poderia ser convertida em eletricidade para uso humano). “Essa técnica tem potencial para melhorar muito a coleta de energia solar”, afirma o engenheiro químico Michael Strano, líder do estudo. O trabalho tem gerado polêmica na comunidade científica, pois não revela todos os detalhes envolvidos no processo (talvez porque o MIT pretenda patenteá-lo). Mas pode ser o início de algo revolucionário.

10.705 – O Paraíso é Aqui – Kirkjufell


montanha2

A montanha Kirkjufell é muito conhecida por ser protagonista de imagens absolutamente incríveis feitas pelos turistas que visitam a região. Localizada na Península de Snaefellsnes, na Islândia, não há nada de impressionante ou significativo sobre a própria montanha. Não é a maior montanha na Islândia, ou a mais mortal, e também não pode ter a pretensão de ser um dos muitos vulcões que deram à Islândia a reputação de produzir um terço de toda a lava basáltica do mundo.
Mas, se há uma coisa que faz Kirkjufell se destacar e entrar para essa lista é a combinação de todos os elementos que fazem parte da paisagem. Ou seja: esta montanha é muito fotogênica. O trio de cachoeiras que alimentam um córrego cristalino no pé do monte ajuda a criar um retrato perfeito que poderia muito bem ter sido tirado de um dos seus sonhos. E, como a imagem acima mostra, Kirkjufell fica bem no centro de um dos melhores lugares para ver a deslumbrante aurora boreal.

10.703 – Planeta Água (?) – Escassez ou Abundância?


Iceberg,apenas uma fração está na superfície
Iceberg,apenas uma fração está na superfície

A água é o recurso natural mais abundante do planeta. De maneira quase onipresente, ela está no dia a dia dos 7 bilhões de pessoas que habitam o planeta. Além de matar a sede, a água está nos alimentos, nas roupas, nos carros e nos jornais impressos— se você está lendo a reportagem em seu tablet, saiba também que muita água foi usada na fabricação do aparelho. Mas o recurso mais fundamental para a sobrevivência dos seres humanos enfrenta uma crise de abastecimento. Estima-se que cerca de 40% da população global viva hoje sob a situação de estresse hídrico. Essas pessoas habitam regiões onde a oferta anual é inferior a 1 700 metros cúbicos de água por habitante, limite mínimo considerado seguro pela Organização das Nações Unidas (ONU). Nesse caso, a falta de água é frequente — e, para piorar, a perspectiva para o futuro é de maior escassez. De acordo com estimativas do Instituto Internacional de Pesquisa de Política Alimentar, com sede em Washington, até 2050 um total de 4,8 bilhões de pessoas estará em situação de estresse hídrico. Além de problemas para o consumo humano, esse cenário, caso se confirme, colocará em xeque safras agrícolas e a produção industrial, uma vez que a água e o crescimento econômico caminham juntos. A seca que atingiu os Estados Unidos no último verão — a mais severa e mais longa dos últimos 25 anos — é uma espécie de prévia disso. A falta de chuvas engoliu 0,2 ponto do crescimento da economia americana no segundo trimestre deste ano.
A diminuição da água no mundo é constante e, muitas vezes, silenciosa. Seus ruídos tendem a ser percebidos apenas quando é tarde para agir. Das dez bacias hidrográficas mais densa- mente povoadas do mundo, grupo que compreende os arredores de rios como o indiano Ganges e o chinês Yang-tsé, cinco já são exploradas acima dos níveis considerados sustentáveis. Se nada mudar nas próximas décadas, cerca de 45% de toda a riqueza global será produzida em regiões sujeitas ao estresse hídrico. “Esse cenário terá impacto nas decisões de investimento e nos custos operacionais das empresas, afetando a competitividade das regiões”, afirma um estudo da Veolia, empresa francesa de soluções ambientais.
Em muitos países em desenvolvimento e pobres, a situação é mais dramática. Falta acesso a água potável e saneamento para a esmagadora maioria dos cidadãos. Só o tempo perdido por uma pessoa para conseguir água de mínima qualidade pode chegar a 2 horas por dia em várias partes da África. Pela maior suscetibilidade a doenças, como a diarreia, quem vive nessas condições costuma ser menos produtivo. Essas mazelas já são assustadoras do ponto de vista social, mas elas têm implicações igualmente graves para a economia. Um estudo desenvolvido na escola de negócios Cass Business School, ligada à City University, de Londres, indica que um aumento de 10% no número de pessoas com acesso a água potável nos países do Bric (Brasil, Rússia, Índia e China) conseguiria elevar o crescimento do PIB per capita do bloco cerca de 1,6% ao ano. “O avanço econômico depende da disponibilidade de níveis elevados de água potável”, aponta Josephine Fodgen, autora da pesquisa.
Mais renda, mais consumo
Desde a década de 90, a extração de água para consumo nos centros urbanos do Brasil aumentou 25%, percentual que é o dobro do avanço do PIB per capita dos brasileiros no mesmo período. Quanto maior é a renda de uma pessoa, mais ela tende a consumir e maior é seu gasto de água. Isso é o que se convencionou chamar de pegada hídrica, a medida da quantidade de água utilizada na fabricação de tudo o que a humanidade consome — de alimentos a roupas. O conceito e os cálculos desenvolvidos na Universidade de Twente, na Holanda, permitem visualizar em números o impacto até mesmo da mudança da dieta dos povos que enriqueceram rapidamente. “Uma enorme quantidade de água é gasta hoje para que o mundo consuma mais carne”, explica Ruth Mathews, diretora executiva da Water Footprint Network, rede de pesquisadores que estudam o tema.

10.702 – Civilizações (?) Antigas – Encontrado método cruel de artilharia em manuscrito medieval da década de 1530


animais-armas-noticias-the-history-channel-3

Barbárie no tempo da barbárie
Estudiosos do manuscrito “Feuer Buech”, um tratado sobre artilharia e máquinas da década de 1530, encontraram nas ilustrações do texto um método cruel para utilizar mascotes como verdadeiras armas de fogo. O texto alemão, que acompanha as imagens, aconselha aos chefes militares o uso de animais pequenos, como gatos e pombos para “incendiar um castelo ou uma cidade que, de outro modo, não poderia ser sitiada”.
As ilustrações, que mostram as mascotes lançadas em direção a um castelo através de mecanismos que se assemelham a cinturões de foguetes, não deixam de assustar os especialistas. O autor do tratado é um mestre artilheiro chamado Franz Helm, de Colônia, que havia lutado em algumas batalhas contra os turcos, no sul da Europa, na época em que surgiu a pólvora, mudando para sempre a concepção das armas de guerra.
As ideias do mestre artilheiro não se esgotam com o uso de gatos. Através das ilustrações feitas por vários pintores, é possível observar imagens de armas estranhas e horríveis, desde bombas de estilhaços a mísseis explosivos. Um dos fragmentos do tratado oferece uma receita exata para utilizar equipamentos incendiários com base em animais: “Costure um bolso que tenha a forma de uma flecha de fogo. Se você deseja atacar uma cidade ou um castelo, deve pegar um gato no local. Amarre bem o bolso nas costas do gato e depois solte o animal, que será jogado em direção ao castelo ou à cidade e lá se esconderá assustado em um palheiro, incendiando-o”.
Vale destacar que, até o momento, não existem evidências de que algumas vez tenha sido implementado um mecanismo similar na história das guerras mundiais.

animais-armas-noticias-the-history-channel-5

animais-armas-noticias-the-history-channel

10.700 – Lugares Abandonados – Hotel das Paineiras


hpaineiras2

É um hotel abandonado do Rio de Janeiro. Na época do Imperador Pedro II, ele concedeu a dois engenheiros uma área para exploração e construção de uma estrada de ferro. Essa área, chamada de Paineiras, fica entre a Rua do Cosme Velho e o Alto do Corcovado na cidade maravilhosa. Dentre as concessões, havia a construção de um hotel restaurante, inaugurado no dia 9 de outubro de 1884. Pedro II e seus convidados chegaram a ser recebidos nesse local luxuoso. Outras presenças ilustres que se abrigaram no prédio foram os presidentes Washington Luís, Getúlio Vargas e Café Filho. O hotel também serviu de concentração para a Seleção Brasileira de Futebol e para as equipes do Botafogo, Vasco e Fluminense nos seus áureos tempos. De 1970 até 1982, o Hotel das Paineiras fez parte do patrimônio do Ministério da Fazenda. Depois disso, foi arrendado por um grupo hoteleiro que realizava seminários, cursos, reuniões, congressos e outros eventos. Em 1984, o hotel foi novamente arrendado pela Associação Educacional Veiga de Almeida, que até tentou realizar alguma restauração, mas a triste realidade é que esse pedaço da história brasileira permanece fechado desde então, em completa decadência, e com cara de “fim de mundo”.

03_06_ghg_paineiras7

10.699 – Mega Memória – Mini Disc Sony


Tecnologia é no ☻Mega
Tecnologia é no ☻Mega

Não Colou…Normalmente a Sony vai na contramão dos outros fabricantes, talvez seja esse o motivo
Tratava-se um disco baseado em armazenamento de dados. Armazenando, então, algum tipo de informações, normalmente audio. A tecnologia foi anunciada pela Sony em 1991 e introduzida em 12 de Janeiro de 1992. Com o tempo, a Philips e a Matsushita, mais conhecida como Panasonic, também aderiram a tecnologia Digital Compact Cassette (DCC) system. O MiniDisc tinha como objetivo repassar o áudio de analógico, como é armazenado num cassete (tape) para o sistema digital de alta fidelidade.
MD Data, uma versão para armazenar dados de computador foi anunciada pela Sony em 1993, mas isso nunca obteve um grande significado, então, hoje os MDs são usados primariamente para armazenar áudio.
Com a necessidade de se impor no mercado e devido ao fracasso do formato DAT, a Sony lançou o Mini Disk (MD), que não é mais que um mini CD regravável, dentro de uma caixa protectora.
Embora o MiniDisc tenha tido certo sucesso, ele não surpreendeu muito nos EUA e na Europa como a Sony esperava, porém, no Japão era um sucesso absoluto, sendo muito popular. O pouco sucesso também era devido ao alto custo na produção de álbuns em MD, alguns álbuns foram realizados pela própria Sony, mas com o tempo houve uma descontinuidade do processo. O produto (MD) foi licenciado para outras companhias produzirem também, como: JVC, Sharp, Pioneer, Panasonic entre outras.
O disco é permanentemente guardado em um cartucho de 68×72×5 mm com um clip deslizante que só abre quando o disco é inserido no aparelho, sendo similar a um disquete 3″½. O disco é regravável; quando está sendo gravado algo no MD, é usada à forma magnética-óptica. O laser queima um lado do disco para fazê-lo suscetível a forma magnética para então gravar os dados. Uma cabeça magnética do outro lado do MD altera a polaridade da área “queimada”, gravando os dados digitalmente no MD. Quando for feita a leitura dos dados armazenados, a luz do laser identifica o local alterado magneticamente e assim interpreta os dados como 1 ou 0 na linguagem digital. De acordo com a Sony, MDs regraváveis podem ser regravados até 1 milhão de vezes. A partir de Maio de 2005, são lançados MDs de 74 minutos e 80 minutos. Os MDs de 60 minutos, até então populares, tiveram a produção interrompida, tornando-se raro encontrar algum. Os MDs possuem um processo de leitura óptica do qual a qualidade se aproxima aos CDs, sendo o MD fisicamente diferente.
MiniDiscs usam sistema regravável por meio de magnetismo-optico para armazenar os dados. Diferente de Cassete ou analógico Compact Audio Cassette, o MD é acessível aleatoriamente, tornando o acesso às músicas muito rápido. No começo do MD é gravada uma faixa que contém todas as informações sobre as posições de todas as tracks (faixas), pois quando somente algumas músicas são apagadas e outras são gravadas no lugar, será gravado nessa faixa inicial a posição dessas novas músicas, mesmo que tenham sido armazenadas em grupos diferentes.
É importante dizer também que já existe o Hi-MD da Sony, ele pode armazenar até 45 horas de músicas no formato ATRACplus3 em 1 Gb de espaço para armazenamento.
O audio num MD é comprimido no formato ATRAC (Adaptive Transform Acoustic Coding). Um CD tem uma descompressão de 16 bits stereo linear PCM audio. A descompressão do codec ATRAC não terá a mesma qualidade que a música tinha antes de ser comprimida, mesmo que ao ouvir a música pareça igual. A última versão da Sony é o ATRAC3plus, Sharp, Panasonic, Sanyo e Pioneer tem seus próprios formatos, porém eles são interpolados, diferente do princípio do Codec da Sony. Atualmente não são mais fabricados,muitas radios usam para suas gravação de propaganda.

Sony_Hi-MD_back

10.698 – Oftalmologia – Células-tronco embrionárias para tratar perda de visão


oftalmologia

Pacientes com doenças graves nos olhos que receberam um transplante de células-tronco embrionárias para recuperar parte da visão toleraram bem o tratamento e não apresentaram efeitos adversos graves. É o que mostra um estudo publicado nesta recentemente na revista médica The Lancet. A pesquisa também sugere que a técnica é eficaz, uma vez que a maioria dos participantes relataram melhoras na visão.
Esses resultados fazem parte da segunda etapa da pesquisa. A primeira foi realizada para averiguar se o tratamento pode provocar efeitos adversos graves, como tumores. A nova fase foi conduzida com o objetivo de verificar se a técnica é segura a longo prazo e se o sistema imunológico do paciente rejeitaria o transplante, algo que preocupava os pesquisadores. As conclusões indicaram, pela primeira vez, que o tratamento não surte efeitos adversos mais sérios no paciente nos três anos seguintes ao transplante.
“As células-tronco embrionárias têm o potencial de se transformar em qualquer tipo de célula do corpo, mas o transplante delas era complicado pelo risco de problemas como rejeição do sistema imunológico”
A pesquisa foi feita com 18 adultos americanos que tinham dois tipos de degeneração macular – a degeneração relacionada à idade e a distrofia macular Stargardt, principais causas de perda de visão entre idosos e adolescentes, respectivamente. Não há tratamentos eficazes para essas doenças atualmente. Os pacientes receberam, no olho mais afetado pela doença, injeções contendo entre 50 000 e 150 000 células de pigmento do epitélio retinal (RPE) derivadas de células-tronco embrionárias para substituir as células danificadas.
Embora essa etapa da pesquisa não tenha sido feita para avaliar a eficácia da técnica, os pesquisadores observaram que a visão de 10 entre os 18 pacientes melhorou após o transplante. “Essas pessoas relataram melhora significativa na visão geral e periférica, assim como na capacidade de enxergar objetos de perto e de longe”, diz Robert Lanza.
Para que a eficácia do tratamento seja comprovada, os cientistas precisam realizar uma pesquisa de maior escala. A equipe planeja envolver mais de 100 pessoas com cada uma dessas duas doenças no próximo estudo.

10.697 – Atmosfera da Terra – Plantas captam mais gás carbônico do que se imaginava


O conjunto de todos os ecossistemas
O conjunto de todos os ecossistemas

As plantas absorvem 16% mais gás carbônico do que se imaginava, ajudando de maneira ainda melhor na diminuição de poluentes na atmosfera. Um estudo, publicado nesta segunda-feira no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences (Pnas), com novos cálculos mostrando como se dá o ciclo do CO2 nas folhas, mostra que durante dois séculos os cientistas subestimaram a capacidade das plantas em captar a substância.
Analisando a lenta dispersão do carbono nos tecidos vegetais das plantas, os pesquisadores concluíram que mais gás é usado pelas plantas do que os modelos anteriores previam. Entre 1901 e 2010, as plantas captaram não 915 bilhões de toneladas de CO2, mas 1.057 bilhões de toneladas, um aumento de 16%. Isso explicaria por que as contas entre a quantidade de dióxido de carbono emitido pelos continentes e o volume presente na atmosfera costumam ser tão diferentes, mesmo descontada a absorção das plantas — os cientistas subestimavam sua capacidade de “puxar” os poluentes do ar.
Cerca de metade do CO2 produzido é absorvido pelos oceanos ou vegetais e, por isso, é importante estimar corretamente as taxas de captação de cada organismo. “Essa descoberta mostra que a biosfera terrestre contemporânea tem menos CO2 do que imaginávamos”, afirmam os pesquisadores no estudo.

10.696 – Mega Byte – Novo Android se chama Lollipop; versão prolonga bateria em até 90min


lolipop

Junto com o seu celular Nexus 6, que com suas seis polegadas de tela é quase uma versão maior do novo Moto X, o Google anunciou que a versão 5.0 do sistema Android se chama Lollipop (“pirulito”) e que será estreada “nas próximas semanas”.
Até agora, ela vinha sendo chamada de “Android L”, e a empresa vinha fazendo mistério sobre o título.
A ideia dessa edição do software é a mesma do projeto Android One, lançado na Índia a fim de “tornar disponíveis ótimos smartphones para os bilhões de pessoas que não estão ainda on-line”, segundo comunicado assinado pelo vice-presidente da divisão responsável pelo sistema na companhia, Sundar Pichai.
Com as melhorias, que incluem o chamado design Material a fim de integrar todo tipo de aparelho que usa Android, o Lollipop pode aumentar a duração da bateria de um smartphone em até 90 minutos, dependendo do modelo, em comparação com versões anteriores.
Pichai não especificou qual aparelho se beneficia de tamanho incremento, nem se todo modelo tem a vida de bateria prolongada com a atualização.
A última versão do Android disponível é a 4.4 KitKat.
A atualização de cada aparelho depende da fabricante do celular (os da linha Nexus, desenvolvida pelo Google, receberão a edição primeiro).

10.695 – Ciências Biológicas – Conceitos de Biodiversidade


biodiver

De todas as espécies atualmente conhecidas, a maioria é formada por insetos. Eles representam cerca de 50% de todas as espécies conhecidas. Depois vêm os outros animais, fungos, vegetais, protozoários e bactérias. Os vírus, apesar da polêmica vista em capítulos anteriores, também entram nessa contagem.
Plantas e insetos: uma vida comum
Existirem mais insetos e plantas não é mera coincidência, pois estes interagem de várias formas, dependendo uns dos outros. O que é chamado em Biologia de co-evolução. O grande grupo de insetos depende das plantas para se alimentar. Eles consomem as suas folhas, frutos, flores, caule ou raízes. Usam as plantas como abrigo ou habitat. Uma considerável parcela de espécies de plantas dependem dos insetos para carregarem o seu pólen de uma flor a outra, auxiliando na reprodução. Outras dependem dos pássaros. Também dependem que alguns besouros decomponham tecidos mortos, o que torna os minerais novamente disponíveis no solo, que por sua vez são reabsorvidos pelas plantas. O desaparecimento de insetos da Terra pode provocar um caos, provavelmente, as plantas que produzem flores também desapareceriam na sequência. A mesma situação ocorreria com muitos anfíbios, répteis, aves e mamíferos, cuja alimentação depende direta ou indiretamente dos insetos. Poucas espécies sobreviveriam.
5 ou 100 Milhões?
1.400.000 é o número conhecido, imagine o desconhecido.
Quase nada se conhece por exemplo de fungos, bactérias e protozoários, que são grupos de seres vivos pouco estudados.
Mesmo entre animais e vegetais, o que se conhece é muito pouco. O número de espécies estimado pela biologia varia muito, mas todos concordam que há muito a descobrir.
A biodiversidade varia com as diferentes regiões ecológicas, sendo maior nas regiões tropicais do que nos climas temperados.
Refere-se, portanto, à variedade de vida no planeta Terra, incluindo a variedade genética dentro das populações e espécies, a variedade de espécies da flora, da fauna, de fungos macroscópicos e de microrganismos, a variedade de funções ecológicas desempenhadas pelos organismos nos ecossistemas; e a variedade de comunidades, habitats e ecossistemas formados pelos organismos.
A espécie humana depende da biodiversidade para a sua sobrevivência.
Não há uma definição consensual de biodiversidade. Uma definição é: “medida da diversidade relativa entre organismos presentes em diferentes ecossistemas”. Esta definição inclui diversidade dentro da espécie, entre espécies e diversidade comparativa entre ecossistemas.
Outra definição, mais desafiante, é “totalidade dos genes, espécies e ecossistemas de uma região”. Esta definição unifica os três níveis tradicionais de diversidade entre seres vivos:
diversidade genética – diversidade dos genes em uma espécie.
diversidade de espécies – diversidade entre espécies.
diversidade de ecossistemas – diversidade em um nível mais alto de organização, incluindo todos os níveis de variação desde o genético.
Para os biólogos geneticistas, a biodiversidade é a diversidade de genes e organismos. Eles estudam processos como mutação, troca de genes e a dinâmica do genoma, que ocorrem ao nível do DNA e constituem, talvez, a evolução.
Para os biólogos zoólogos ou botânicos, a biodiversidade não é só apenas a diversidade de populações de organismos e espécies, mas também a forma como estes organismos funcionam. Organismos surgem e desaparecem. Locais são colonizados por organismos da mesma espécie ou de outra. Algumas espécies desenvolvem organização social ou outras adaptações com vantagem evolutiva. As estratégias de reprodução dos organismos dependem do ambiente.
Para os ecólogos, a biodiversidade é também a diversidade de interações duradouras entre espécies. Isto se aplica também ao biótipo, seu ambiente imediato, e à ecorregião em que os organismos vivem. Em cada ecossistema os organismos são parte de um todo, interagem uns com os outros mas também com o ar, a água e o solo que a cultura humana tem sido determinada pela biodiversidade, e ao mesmo tempo as comunidades humanas têm dado forma à diversidade da natureza nos níveis genético, das espécies e ecológico.
Um “ponto crítico” (hot spot) de biodiversidade é um local com muitas espécies endêmicas. Ocorrem geralmente em áreas de impacto humano crescente. A maioria deles está localizada nos trópicos
Alguns deles:
O Brasil tem 1/5 da biodiversidade mundial, com 50 000 espécies de plantas, 5000 de vertebrados, 10-15 milhões de insectos, milhões de microorganismos.
A Índia apresenta 8% das espécies descritas, com 47 000 espécies de plantas e 81 000 de animais.

10.694 – Dermatologia – O Rosácea


rosacea

É uma doença inflamatória crônica da pele. A afecção se manifesta principalmente no centro da face, mas pode expandir-se pelas bochechas, nariz, testa e queixo e afeta mais os adultos entre 30 e 50 anos. Embora as mulheres sejam mais suscetíveis, os homens desenvolvem as formas mais graves da enfermidade.
Causas
Provavelmente, diversos fatores estão envolvidos no aparecimento da rosácea. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, os mais importantes são: predisposição genética, alterações emocionais e hormonais, mudanças bruscas de temperatura, exposição solar, uso de bebidas alcoólicas, medicamentos vasodilatadores ou fotossensibilizantes, ingestão de alimentos muito quentes.

Os sintomas variam de acordo com o grau de evolução da doença.
A primeira manifestação é chamada de pré-rosácea. Sua principal característica é a tendência à ruborização fácil e passageira. O quadro evolui progressivamente para uma vermelhidão (eritema) no centro da face, que não regride e está associada a crises de calor e ardência. Nessas áreas vermelhas, ocorre um aumento de vasos sanguíneos semelhantes a teias de aranha (telangiectasias) e de pápulas ou pústulas. Essas lesões inflamatórias se diferenciam das provocadas pela acne, porque não apresentam pontos pretos.
Em 50% dos casos, pode surgir uma lesão nos olhos denominada rosácea ocular, com sintomas semelhantes aos da conjuntivite e danos na córnea.
Nas formas mais graves, a pele fica mais espessa e aparecem nódulos inflamatórios que aumentam o tamanho do nariz, deixando-o com aspecto disforme e bulboso. Esses sintomas caracterizam a rinofima, uma complicação que afeta mais os homens.
Rosácea é uma desordem crônica da pele para a qual ainda não se conhece a cura definitiva. O tratamento é indicado de acordo com o grau de evolução do caso com o objetivo de deter ou, quando possível, reverter o quadro.
O tratamento pode ser tópico (local), ou sistêmico (com antibióticos por via oral), ou cirúrgico utilizando laser, a eletrocirurgia e a dermoabrasão. O fundamental, porém, é evitar os fatores de risco que favorecem a manifestação da rosácea.

Recomendações

* Não se automedique. Procure um dermatologista tão logo note alterações na pele do rosto, como vermelhidão e inchaço;

* Evite a exposição ao sol e as mudanças bruscas de temperatura;

* Procure relacionar os alimentos que ingeriu e o uso de cosméticos ou de produtos à base de corticoesteroides com os episódios de rosácea;

* Use sempre protetor solar;

* Não tome banho nem lave o rosto com água muito quente.

10.693 – Neurociência – Quando o cérebro morre?


Ninguém quer vir pra cá, mas não tem jeito, é inexorável
Ninguém quer vir pra cá, mas não tem jeito, é inexorável

Quatro anos de estudos em 15 hospitais em três países diferentes com mais de dois mil pacientes que tiveram enfarto do miocárdio permitiram pesquisadores da Universidade Estadual de Nova York compilassem o mais completo dossiê sobre o que acontece com a mente no momento da morte e nos minutos seguintes.
Batizado de AWARE, o estudo tem como objetivo detectar quais os limites da consciência e da conexão entre o corpo e a mente. Foram entrevistados e tiveram as experiências analisadas vítimas de ataques cardíacos porque os cientistas acreditam que esse tipo de experiência pode redefinir o significado de morrer, já que se os orgãos da vítima param de funcionar, ela será considerada tecnicamente morta, mas se eles se recuperarem, podem ter uma perspectiva exclusiva sobre a experiência de quase morrer.
A primeira parte do estudo foi publicada em um diário científico recentemente. Nenhum dos pacientes entrevistados mostrou sinais clínicos de consciência enquanto recebiam a massagem cardíaca, mas 39% disse se lembrar de detalhes do momento e os relatos descreveram sensações de medo, violência e um sentimento de perseguição, para a maioria deles. No entanto, também foram relatados sentimentos agradáveis envolvendo família, animais, plantas e uma luz brilhante 22% deles disseram sentir paz ou tranquilidade, pouco mais de 9% sentiu alegria, 7% se sentiu envolvido por uma luz brilhante, 8% disse ter encontrado algum tipo de ser místico e 13% teve sensações de descolamento do corpo.
Um dos pacientes, que relatou ter memórias vívidas do período em que ficou inconsciente, descreveu com precisão a cena do hospital, com máquinas apitando, médicos, desfibrilador. O estudo calcula que esse paciente ficou cerca de 3 minutos consciente depois que seu coração parou de bater, embora a média seja de 20 a 30 segundos.
A conclusão: os pesquisadores acreditam que precisamos de uma definição menos estática e mais maleável do que é a morte, já que ela pode ser um processo reversível, não um momento específico, como alguns dos casos estudados mostraram. Uma vítima de enfarto recuperada teve um enfarto, mas uma vítima de enfarto não recuperada é considerada morta. Essa intersecção entre os dois tipos de pacientes, cujos corações pararam igualmente de funcionar por algum período de tempo, é exatamente o que poderíamos começar a considerar ‘morte’.
O estudo enfrenta ceticismo por parte de outros médicos e cientistas – há, no meio científico, uma corrente que acredita que experiências de consciência nesse momento da quase morte sejam apenas alucinações e não possam ser registradas como lapsos da mente fazendo contato com a realidade, mas simulações do cérebro para que a vítima possa lidar melhor com uma situação de stress.

10.691 – Escultura inspirada em árvore africana produz água potável para comunidades carentes


escultura-inspirada-arvore-africana-produz-agua

A Warka é uma frondosa figueira, nativa da Etiópia. Tradicionalmente conhecida como símbolo de fertilidade e generosidade, a árvore também se tornou local de encontro para moradores de muitos vilarejos africanos.
Inspirado pela forma exuberante da Warka, o artista italiano Arturo Vittori criou uma imensa estrutura que produz água através da condensação do vapor. A WarkaWater Tower é feita com hastes de bambu e junco entrelaçadas, que formam a base da torre. No interior, uma malha de plástico de fibras de nylon e polipropileno funciona como microtúneis ou poros para a condensação.
A medida que as gotas de água se formam, elas fluem através da malha e se depositam no recipiente na base da torre. A WarkaWater Tower consegue fornecer quase 100 litros de água potável por dia.
A ideia de Vittori é que pelo menos duas torres sejam instaladas em vilarejos da Etiópia em 2015. Segundo estudo das Nações Unidas, o país é o que tem a menor disponibilidade de água no mundo e a de pior qualidade.
Geralmente são as mulheres, que caminham longas distâncias e muitas horas, para conseguir água para o consumo da família. Crianças também participam destas viagens diárias – difíceis e perigosas. Muitas vezes a água encontrada é contaminada e insalubre.
O artista italiano acredita que as torres possam ser feitas pelas próprias comunidades, com material disponível localmente, tornando este um projeto sustentável e de longo prazo. A WarkaWater Tower leva em média uma semana para ser construída por um grupo de quatro pessoas.

waaart

10.690 – Estudo científico encontra primeira prova de que existe vida depois da morte


vida-apos-morte-noticias-

O ser humano é dotado de uma inteligência que lhe permitiu grandes progressos ao longo de sua história, mas também lhe deu a consciência de sua própria mortalidade – seu fim inexorável, aonde suas invenções e avanços não podem chegar. Pelo menos, foi nisso em que se acreditou até o momento. No entanto, um ambicioso estudo científico realizado por pesquisadores da Universidade de Southampton encontrou a primeira prova de que existe vida depois da morte. Essa descoberta, que fala sobre um suposto estado de consciência, após cessarem as funções do cérebro, pode começar a mudar todas as certezas que tínhamos sobre a misteriosa passagem da vida para a morte.
A pesquisa foi baseada em dois mil casos de pessoas que sofreram paradas cardíacas, e observou que 40% dos que sobreviveram relataram ter experimentado alguma consciência entre o momento de sua morte clínica e o reinício do funcionamento do coração. Um dos testemunhos mais impactantes foi o de um homem de 57 anos, que descreveu ter visto os médicos que o reanimavam de fora do seu corpo – e certos detalhes do depoimento foram confirmados pelos profissionais que o atenderam enquanto ele estava clinicamente morto. Neste e em muitos outros casos ocorreu o fato surpreendente de a consciência ter se mantido por, no mínimo, três minutos depois de o coração parar, enquanto o cérebro costuma morrer após 20 ou 30 segundos.
O diretor de pesquisa, Sam Parnia, explicou que muitas outras pessoas podem ter sido testemunhas diretas desse fato, porém, por mais estranho que pareça, o teriam atribuído a uma ilusão. Esse estudo abre caminho para futuras investigações, que poderão dar novas revelações sobre a transição da vida para a morte.

10.689 – Lugares Misteriosos – Um frigorífico de dar calafrios


frigo

Fundado em 1867, Armour & Company já foi um dos maiores frigoríficos dos Estado Unidos. A empresa entrou em declínio no final do século 20, e deixou várias fábricas abandonadas por todo o país. Uma delas é um prédio de tijolos em Fort Worth, Texas, devastado por incêndios em 1970. Houve uma tentativa de demoli-lo, mas a estrutura de aço do prédio era tão forte que foi mais barato apenas deixar o resto dele como estava. Hoje, se parece com uma prisão. Torres de vigia foram adicionadas à planta em 2007 para imitar um cárcere sul-americano para o seriado Prison Break. As palavras “Penitenciaría Federal de Sona” ainda podem ser vistas acima de uma das portas do antigo edifício.
Outra planta industrial frigorífica em Navassa, na Carolina do Norte, que ficou aberta apenas por alguns anos, não foi usada para gravar nada, mas poderia ser um estúdio para um filme pós-apocalíptico. Há rumores de que, na década de 1920, o proprietário da fábrica foi encontrado enforcado no meio do prédio. A fama do local de “assombrado” piorou quando várias pessoas se suicidaram lá na década de 1980, consolidando sua presença sobrenatural no folclore americano.
Por fim, a planta industrial frigorífica abandonada mais famosa dos EUA provavelmente fica em East St. Louis, Illinois. Fechada desde 1959 e localizada não muito longe do centro da cidade, é preenchida com máquinas antigas. A fábrica, que um dia empregou cerca de 5.000 pessoas, tornou-se um foco de tensão racial devido a sua força de trabalho segregada. Hoje, é considerada um local fascinante pelos amantes de história.