Arquivo da categoria: Ciência

8243 – Física – Máquina quântica é o avanço científico do ano


A revista Science, um dos mais respeitados periódicos científicos do mundo, elegeu o maior avanço científico de 2010: a máquina quântica. Deixando para trás pesquisas importantes como a “célula sintética” do biólogo americano Craig Venter, o sequenciamento do genoma do homem de Neandertal e a reprogramação de RNAs, o dispositivo foi escolhido por trazer pela primeira vez as características da mecânica quântica — a parte da física que estuda o comportamento dos átomos e suas partículas — para o mundo dos objetos visíveis a olho nu.

Sérios Candidatos ao Nobel
Os físicos Andrew Cleland, John Martinis e Aaron O’Connell, da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara (EUA), criaram uma pequena placa, visível a olho nu, capaz de se expandir e contrair ao mesmo tempo, imitando um estado da física chamado sobreposição quântica. Nele, uma partícula é capaz de ocupar dois ou mais lugares no espaço ou registrar duas ou mais quantidades de energia ao mesmo tempo. Até agora, o efeito só havia sido percebido no universo microscópico.
A pesquisa põe fim a uma corrida científica de 75 anos pela manifestação das propriedades quânticas em objetos visíveis. Em 1935, o físico austríaco Erwin Schrödinger propôs que seria impossível verificá-las no mundo macroscópico. Desde então, vários experimentos tentaram provar o contrário, mas o sucesso só veio em 2010. “Agora sabemos que as características quânticas podem ser percebidas em objetos grandes, não apenas nos elétrons, por exemplo”.
O passo dado pelos cientistas americanos pode significar que o homem consiga manipular as leis da física de tal maneira a permitir feitos dignos de ficção científica. “Talvez alguém muito inteligente encontre um dia uma forma de fazer o teletransporte”, disse Cleland. Demos o primeiro passo.

8242 – Novos estudos ligam apneia do sono à asma e ao Alzheimer


Três estudos que serão apresentados durante a Conferência Internacional da Sociedade Americana Torácica, que acontece na Filadélfia, Estados Unidos, lançam luz sobre causas e complicações da apneia do sono. As novas pesquisas, feitas em instituições americanas, revelam, por exemplo, que a asma pode ser considerada como um fator de risco para o surgimento do problema. Além disso, um dos trabalhos descobriu que testes que avaliam a capacidade cardíaca podem ajudar os médicos a identificar quais pacientes com apneia do sono correm maior risco de vida (é conhecida a relação entre apneia e doenças do coração). Um terceiro estudo identificou uma possível ligação entre o distúrbio do sono e a doença de Alzheimer.
A apneia é a forma mais comum dos distúrbios respiratórios do sono, e acontece quando a respiração é bloqueada, deixando a pessoa sem ar e provocando ronco e a interrupção do sono. O problema é associado à obesidade, diabetes, pressão alta, ataques cardíacos e derrames. Pesquisas anteriores já associaram esse tipo de desordem também a doenças cardiovasculares, depressão e câncer. A apneia obstrutiva do sono é a forma mais comum do distúrbio, e ocorre quando há uma obstrução na garganta ou nas vias respiratórias superiores.
Os autores do estudo analisaram os prontuários de 1.533 pacientes com apneia do sono que foram submetidos a um teste ergométrico (ou de esforço). Esse teste mede a capacidade cardiorrespiratória de uma pessoa, avaliando a quantidade de stress que seu coração consegue suportar sem que desenvolva uma arritmia cardíaca ou uma cardiopatia isquêmica (quando o fluxo sanguíneo que chega ao músculo cardíaco é insuficiente). No exame, o paciente geralmente é orientado a se exercitar em uma bicicleta ergométrica ou em uma esteira, e seu coração é monitorado por eletrocardiograma. Depois, os pesquisadores compararam o risco de vida entre os pacientes com e sem capacidade funcional cardíaca prejudicada. Sabe-se que a apneia do sono é um fator de risco para doenças cardíacas.

Conclusão: Pacientes com apneia do sono que apresentavam a capacidade funcional cardíaca prejudicada apresentaram um risco cinco vezes maior de morrer do que pessoas com apneia do sono, mas com uma capacidade cardíaca normal. Para os autores do estudo, essas informações são importantes por mostrarem que o teste ergométrico pode ser fundamental para ajudar os médicos a identificar, entre pacientes com apneia do sono, quais são aqueles que correm maior risco de vida.

8241 – O Astrolábio


Não foi apenas o fascínio visual que mobilizou civilizações inteiras a construir enormes estruturas para acompanhar o movimento dos astros. A edificação do Caracol dos Maias foi por necessidade. O povo que soubesse associar o surgimento de uma estrela no horizonte com a chegada das cheias de um rio, levava nítida vantagem em relação aos inimigos.
O astrolábio é órfão. Teria sido Apolônio Operga (240 aC.) ou ainda o próprio Ptolomeu (127 dC.), o pai do invento, mas há fortes indícios de que os gregos herdaram a ideia dos egípcios e os árabes o trouxeram para a Europa pela Espanha na invasão da península Ibérica.

Astrolabioexplicado

Trata-se de um instrumento antigo que serve para medir a altura dos astros acima do horizonte. É o resultado prático de várias teorias matemáticas desenvolvida pelos gregos – em especial Hiparco (180-120 A.C.), um dos grandes matemáticos da Antiguidade – e difundido por Ptolomeu (85-165), em seu famoso trabalho Almagesto. Foi posteriormente desenvolvido pela escola islâmica, no século IX, para enfim ser adaptado pelos portugueses para a navegação, com a criação do astrolábio náutico.
A grande contribuição de Hiparco para a posterior construção do astrolábio foi ter formalizado a projeção estereográfica como método para resolver problemas astronômicos complexos sem usar trigonometria esférica. Quando e onde este trabalho de Hiparco foi realmente aplicado na construção de um astrolábio é algo que ainda não se sabe. Theon de Alexandria (335-405) escreveu um tratado do astrolábio, por volta do ano de 390. Na mesma época, Sinésius de Cirene (378-430) descreve um instrumento vagamente semelhante a um astrolábio. Entretanto, apenas no século VI, com Philoponos de Alexandria, é que se consegue ter uma descrição em documento da construção e utilização de um astrolábio.
O astrolábio foi desenvolvido para resolver diversos problemas geométricos, como calcular a altura de uma construção ou a profundidade de um poço – não apenas para problemas astronômicos. Era composto por um disco graduado, onde estavam colocadas várias lâminas circulares. Essas lâminas eram graduadas à superfície das suas margens, o que permitia determinar, por exemplo, a altura dos astros.
O astrolábio se mudou com os islâmicos do norte da África para a Espanha, onde então foi introduzido na cultura européia, sendo amplamente utilizado pelo continente nos séculos XV e XVI, onde foi adaptado para a navegação, com o desenvolvimento do astrolábio náutico de metal, pelo astrônomo Abraão Zacuto, em Lisboa.
Astrolábio Náutico
O astrolábio náutico foi a simplificação do plano e permitia apenas medir a altura dos astros. Inicialmente tinha a configuração da face posterior dos planos, no entanto e com a experiência dos navegadores ganhou uma nova forma. Deixou de ser fabricado em chapa de metal ou madeira e passou a fundir-se em liga de cobre, de modo a que o seu peso o sujeitasse menos ao balanço do navio.

O uso do astrolábio teve seu declínio na segunda metade do século XVII. A invenção do relógio de pêndulos e outros instrumentos científicos mais acurados, como os telescópios, passaram a ser disponíveis. A produção do astrolábio continuou até o século XIX, particularmente no mundo árabe. Nos dias de hoje, os astrolábios são construídos apenas por curiosidade ou diversão, embora seu valor educacional continua sendo muito apreciado.

8239 – Famacologia – A Sibutramina


sibutramina

É um fármaco utilizado no tratamento da obesidade, com mecanismo de ação diferente da d-fenfluramina e d-anfetamina (Heal et al., 1998). Seu medicamento de referência é o Reductil®.
No Brasil, pode ser encontrada nas dosagens 10 mg (equivalente a 8,37 mg de sibutramina) e 15 mg (equivalente a 12,55 mg de sibutramina), sendo vendida mediante prescrição médica e retenção de receita. Em março de 2010 a Anvisa mudou a classificação da sibutramina da lista C1 (receita branca não numerada) para a lista B2 (psicotrópico anorexígeno), o medicamento agora terá tarja preta e será vendido sob receituário azul numerado. Em julho de 2010 a Diretoria Colegiada da Anvisa aumentou para 60 dias o prazo de validade da prescrição do medicamento, antes era de 30 dias, além de reduzir a quantidade de dosagem máxima diária para 15 mg. Em outubro de 2011 a Anvisa publicou no Diário Oficial novas regras para o emagrecedor: as prescrições deverão ser também acompanhadas de um termo de responsabilidade entre o médico e o paciente em três vias, sendo uma para ser arquivada no prontuário do paciente, outra na farmácia que dispensar e outra com o paciente.

ação-de-sibutramina

A sibutramina pode ser encontrada sob duas formas, sal anidro e cloridrato monoidratado de sibutramina, sendo que a sibutramina anidra A não possui estudos clínicos de eficácia e segurança e tem origem desconhecida; portanto, a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) proíbe a sua importação no Brasil. Seu mecanismo de ação justifica a inclusão da sibutramina na categoria dos medicamentos inibidores seletivos da recaptação da serotonina e norepinefrina. Desta forma, a sibutramina se diferencia claramente das outras categorias de agentes capazes de reduzir peso.
Foi desenvolvido inicialmente como antidepressivo no final de 1980. Nos ensaios clínicos foi verificado que o medicamento reduzia o apetite. Então, sob o nome Meridia®, foi comercializado nos EUA e Alemanha. Em 1999, ganhou o nome de Reductil®.
Em 2010, a EMEA (European Medicines Agency), recomendou a suspensão da venda de sibutramina, devido ao aumento do risco de acidentes cárdio vasculares. No Brasil, o medicamento continua a ser vendido, apesar de algumas orientações da Anvisa sobre 37 notificações ocorridas em 2009 e a possibilidade de ocorrência de aumento de pressão arterial e arritmias cardíacas, que já constam como adversas na bula do medicamento, além de diabetes mellitus tipo 2 + sobrepeso/obesidade + outro fator de risco para problemas cardiovasculares.
Apresenta uma dupla maneira de reduzir o peso: a sibutramina reduz a vontade de comer promovendo o aumento da saciedade; previne a redução do gasto energético que acompanha a perda de peso. Para produzir resultados positivos a administração do medicamento deve ser acompanhada de dieta e atividade física.
A droga e seus metabólicos se ligam fracamente aos receptores de serotonina (5-HT(1), 5-HT(1A), 5-HT(1B), 5-HT(2A) e 5-HT(2C)), dopamina (D(1) e D(2)), norepinefrina (beta, beta(1), beta(3), alfa(1) e alfa(2)), benzodiazepina e glutamato (N-metil-D-aspartato (NMDA)). Não possui qualquer atividade anticolinérgica ou anti-histaminérgica e não estimula a liberação de serotonina, norepinefrina ou dopamina.
As doses usuais de sibutramina que estão sendo utilizadas são de 10 mg/dia ou 15 mg/dia. Alguns estudos indicam que pacientes que receberam 10 mg/dia sentiam fome durante a noite. Assim, o médico faz uma avaliação do tratamento para decidir a dose que o paciente deve receber (iniciando com uma dose de 10 mg) ou se irá descontinuá-lo, de acordo com a perda de peso durante o tratamento.
Sibutramina é indicado para redução do peso, no tratamento da obesidade, e deve ser usado em conjunto com dieta e exercícios, como parte de um programa de controle de peso, desde que a orientação alimentar e a atividade física não sejam suficientes para atingir o objetivo clínico.
É indicada em pacientes com IMC maior ou igual a 30 kg/m2, ou maior ou igual a 27 kg/m2 associado a algum fator de risco como hipertensão.

sibutramina-contra

Contra-indicações
Hipersensibilidade conhecida a esta substância ou a qualquer outro componente da fórmula;
Bebidas alcoólicas
Antecedentes de anorexia nervosa ou bulimia;
Conhecimento ou suspeita de gravidez;
Durante a lactação.
Pacientes que fazem uso de IMAO.
Pacientes hipertensos.
Obesidade ligada à existência, ou antecedentes pessoais, de doenças cardio e cerebrovasculares;
Diabetes mellitus tipo 2, com sobrepeso ou obesidade e ligada a mais um fator de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares

Perigo:

sibutramina perigo

Em estudos clínicos foram observados os seguintes efeitos adversos: aumento de pressão, taquicardia, palpitações, vasodilatação, constipação, xerostomia, dor de cabeça, insônia, parestesia, lombalgia, náusea, dispepsia, sudorese, alteração do paladar, dismenorreia, alterações visuais (moscas volantes). Houve um número significativamente maior de casos de infecção de ouvido, sinusite e resfriado comum entre pacientes usuários do medicamento em relação a usuários de placebo.

Há relatos que a sibutramina ao ser utilizada com a finasterida (droga para tratamento de calvície e câncer de próstata) desencadeou um surto psicótico num jovem de 30 anos, que estava tendo êxito no tratamento contra a obesidade.

8238 – Biologia – A Luz e o Sono


Há um período em que a temperatura do corpo está no limite mínimo ao longo da madrugada. O chamado relógio biológico do corpo adianta ou atrasa, se a pessoa for submetida à luz intensa depois ou antes de tal período, por volta da 3 horas da manhã.
A exposição à luz elétrica antes de dormir pode interferir na qualidade do sono, na pressão arterial e no risco de diabetes.
É o que sugere um novo estudo conduzido por pesquisadores do Hospital Brigham and Women’s e da Escola de Medicina de Harvard, EUA. A pesquisa será publicada no “Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism”, periódico da Sociedade de Endocrinologia dos EUA.
Segundo o estudo, a luz do quarto pode afetar os níveis de melatonina e interferir em processos fisiológicos controlados por esse hormônio, como o sono e a regulação da temperatura, da pressão sanguínea e dos níveis de glicose.
A melatonina é produzida durante a noite pela glândula pineal, localizada no cérebro. Além de regular o ritmo circadiano (sono e vigília), já se mostrou que o hormônio pode baixar a pressão sanguínea e a temperatura do corpo, e ser usado como alternativa no tratamento de insônia, hipertensão e câncer.
O estudo buscou avaliar se a exposição à luz do quarto durante a noite poderia inibir a produção de melatonina.
Para isso, foram avaliados 116 voluntários, entre 18 e 30 anos, que ficaram expostos à luz do quarto ou a uma luz mais fraca durante as oito horas que precedem o sono, por cinco dias consecutivos.
Um cateter intravenoso foi aplicado no antebraço dos participantes para realizar a coleta periódica do plasma sanguíneo e fazer a medição dos níveis de melatonina.
Os resultados mostraram que a exposição à luz do quarto reduzia em mais de 50% os níveis de melatonina.

8237 – 25 Mega Questões Científicas


O acúmulo de dados nem sempre propicia um conhecimento mínimo sobre os fenômenos da Natureza, ou ideias básicas desenvolvidas nas universidades. Mesmo sabendo muita coisa, pode-se ignorar aquilo que é essencial. Recente pesquisa realizada nos EUA revelou que apesar de acumular ponderável carga de conhecimentos, a maioria dos universitários não tinham noção sequer razoável sobre a evolução da espécie humana. Apenas 37% sabiam que os antepassados dos seres humanos não viveram na mesma época dos dinossauros, surgindo 60 milhões de anos depois.
E até 75% ignoravam que os antibióticos são inúteis contra vírus, atacando apenas as bactérias.

O gás mais abundante da atmosfera é…
R: Embora essencial à vida, o oxigênio representa 21% da atmosfera, contra 79% do nitrogênio.

O que desencadeia o surgimento de terremotos?
R: O movimento das placas rochosas, que sustentam continentes e oceanos explica diversos fenômenos, como erupções vulcânicas, terremotos e o surgimento das montanhas.

Os raios laser empregam feixe de luz coerente, isto é, no qual todas as partículas luminosas, os fótons, estão emparelhadas?
R: Em geral, os fótons viajam desordenadamente.

O verão é mais quente que o inverno devido a inclinação da Terra, em dezembro o hemisfério sul fica mais exposto à radiação solar, vem daí o calor do verão e no hemisfério norte o frio do inverno. Em julho, quando a Terra está no outro lado de sua órbita, a situação se inverte.

A Engenharia Genética pode criar novos seres vivos porque genes idênticos, realizam funções idênticas, não importando em que organismo se encontrem, por isso podem ser transferidos um para o outro.

Uma pessoa anda rapidamente e segura uma bola de tênis na mão, certo instante para e deixa cair, ela cairá na mesma velocidade, a menos que seja obrigada a parar, chegando no solo. Esta ideia é um dos pilares da física e derrubou o conceito de que os corpos só conservam a velocidade sob a ação de uma força.

Os átomos diferem das moléculas porque: de modo geral, todos os elementos químicos apresentam-se na forma de moléculas; quando não estão combinados com outros elementos 2 átomos iguais combinam-se entre si.

O excesso de gás carbônico no ar é preocupante porque embora seja relativamente raro no ar, ele absorve e acumula grandes quantidades de calor, elevando a temperatura do planeta.

O computador é uma máquina cuja a principal característica é realizar grande número de operações em sequência. Isso é feito por um programa, ou série de instruções codificadas.

A teoria da evolução estabelece que os seres vivos podem sofrer mutações ao acaso e, assim melhorar sua capacidade de sobrevivência num determinado ambiente?
R: Esse é o mecanismo que leva ao aparecimento de novas espécies na Terra. Mas as mutações nunca se devem ao aprendizado, apenas as mutações nas células sexuais (óvulo e espermatozoide) podem ser passadas de pai para filho;

A célula é a menor parte de qualquer ser vivo; ao ser concebido, por ex. um indivíduo consiste em uma única célula. Tal descoberta fundou a biologia moderna.

As ondas de rádio, microondas e raios X, assim como a luz são formas semelhantes de energia elétrica e magnética. O vento solar e a corrente elétrica são formadas por partículas elétricas, não apenas energia.

A velocidade da luz de 297 mil km por segundo é a mais alta conhecida pelo homem. A existência de um limite de velocidade no Universo é um dos princípios fundamentais da física moderna. Se um dia for superado, esse fato acarretará consequências imensas para toda a Ciência.

Supercondutores são materiais que sob temperatura muito baixa podem conduzir eletricidade sem resistência, isto é, não se perde energia sob a forma de calor;

Na época que os mamíferos surgiram na Terra os insetos já existiam há centenas de milhões de anos (cerca de 500 milhões). E por sua vez os mamíferos surgiram há cerca de 65 milhões de anos;

As moléculas existentes em um copo d água podem ser contadas porque tem tamanhos bem definidos, cerca de 100 milhões de vezes menor que 1 cm. Quando se divide o volume que ocupam por esse tamanho, tem-se o número de moléculas presentes.

Os vírus diferem-se das bactérias porque parecem ser as únicas formas vivas destituídas de uma membrana, característica essencial de todas as células.

Energia e matéria são equivalentes. Energia significa movimento, mas por estranho que pareça, ela tem massa e peso, como a matéria. A célebre fórmula de Einstein E= mc², expressa a equivalência dos 2 conceitos.

Os filhos crescem de acordo com as instruções que os pais lhes passam através dos genes.

Ozônio – No alto da atmosfera ele absorve e reduz a intensidade dos raios ultravioletas.

Espaço – Apenas as estrelas da Via Láctea estão próximas o suficiente para serem vistas. Assim como, apenas uma parte, pois uma galáxia contém bilhões de estrelas;

Os hormônios se caracterizam por estimular ou reprimir a produção de outras substâncias pelos vários órgãos.

Todas as proteínas são montadas a partir de apenas 20 moléculas básicas os aminoácidos. Combinando-os de várias maneiras, os genes montam milhares de proteínas diferentes.

8235 – Patologia – O que é Fomite?


É qualquer objeto inanimado ou substância capaz de absorver, reter e transportar organismos contagiantes ou infecciosos (de germes a parasitas), de um indivíduo a outro.
Há vários exemplos de fômites na Medicina. Sapatos contaminados podem espalhar doenças nos pés e na boca. Outros exemplos incluem ferramentas ou utensílios como mangueirinhas de chuveiro introduzidas na vagina de diversas mulheres que utilizam o mesmo banheiro e a mesma mangueira para fazerem lavagem vaginal pós coito; laringoscópios que não são apropriadamente desinfectados entre as utilizações em diversos pacientes. Toalhas sujas, talheres, maçanetas, corrimãos, ônibus e outros meios de transportes coletivos e mesmo superfícies tais como chão, paredes e mesas também podem servir de disseminadores de doenças porque são objetos que entram em contato com diversas pessoas e podem conter agentes patogênicos que são transmitidos de uns para outros devido ao uso comum desses objetos contaminados.
Pesquisadores descobriram que superfícies lisas (não-porosas), transmitem bactérias e vírus melhor que materiais porosos; assim, é mais provável que se pegue uma doença de uma maçaneta de porta do que de dinheiro em papel. A razão é que materiais porosos e, especialmente, fibrosos, absorvem e aprisionam o agente contagiante, tornando mais difícil contraí-lo apenas através do toque.

8233 – Nutrição & Gastronomia


Comer é um compromisso biológico; a gastronomia nada tem a ver com essa obrigação. Comer é um ato primitivo, reacional, tão óbvio quanto encher um tanque de um automóvel.
Poca gente sabe que um abacaxi não amadurece depois de colhido e que 24 horas de geladeira um pé de alface perde praticamente todos os nutrientes, ou ainda, um filé bem passado não ostenta 10% das proteínas e sais minerais da mesma carne antes do ponto. Há cerca de 5 ou 6 milhões de anos o Australopitecus, bisavô do homo sapiens, se alimentava com sabedoria. Por volta de 10 mil anos atrás, o homem, o homem adotou na alimentação o sedentarismo e a agricultura. Nos primeiros 8 mil anos de agricultura, a população do globo cresceu de 10 até 300 milhões de pessoas e a metade conseguiam vever do que plantavam.
Atualmente, a população explodiu para além de 6 bilhões, enquanto os caçadores e coletores diminuíram. Há meros 200 anos representavam 10% da humanidade, hoje se limitam a precários 0,008% ou menos de 300 mil pessoas escondidas em rincões inacessíveis.
Peixes parecem ser a luz no fim do túnel.

8232 – Vai uma baratinha ai? FAO recomenda insetos para combater a fome


A FAO, Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, lançou um programa que orienta as pessoas a comer insetos como forma de combater a fome e promover a segurança alimentar. O programa também tem como objetivo incentivar a criação em larga escala de insetos — alimento, segundo a FAO, rico em nutrientes, de baixo custo, ecológico e “delicioso”.
De acordo com a FAO, dois bilhões de pessoas em culturas da África, Ásia e América Latina — quase um terço da população mundial — já consomem insetos, mas o potencial de consumo é muito maior. “Essas pessoas comem insetos pois são deliciosos e nutritivos. Nossa mensagem é: coma insetos, eles são abundantes e uma rica fonte de proteínas e minerais”, disse Eva Ursula Müller, diretora do Departamento de Política Econômica Florestal da FAO durante a apresentação do projeto, em Roma.
Os trilhões de insetos, que se reproduzem sem parar na terra, no ar e na água, “apresentam maiores taxas de crescimento e um baixo impacto sobre o meio ambiente durante todo o seu ciclo de vida”, disseram os especialistas da FAO. De acordo com seus cálculos, cerca de 900 espécies de insetos são comestíveis.
Segundo a FAO, são necessários 2 quilos de ração para produzir 1 quilo de insetos — muito menos do que o exigido pelo gado, por exemplo, que requer 8 quilos de alimento para produzir apenas 1 quilo de carne. Além disso, a criação de insetos é simples, já pode ser feita a partir de resíduos orgânicos, tais como restos de alimentos, e também a partir de compostos e estrume. Outro benefício de comer insetos é que eles “são nutritivos, com um elevado teor de proteínas, gorduras e minerais” e “podem ser consumidos inteiros ou em pó e incorporados em outros alimentos”, informou a organização em comunicado.
Os insetos também são usados para garantir a nutrição dos animais, complementando muitas vezes outros recursos, como soja e farinha de peixe. De acordo com a FAO, “até 2050, mais de nove bilhões de pessoas vão precisar ser alimentadas, assim como os bilhões de animais criados a cada ano” para atender diversas necessidades, em um momento em que “a poluição do solo e da água devido à produção intensiva de animais de pastoreio levam a degradação das florestas”. Abaixo uma lista de insetos comestíveis:

Os besouros, ou os coleópteros, são os principais insetos comestíveis do mundo.
As borboletas fazem parte da ordem dos lepidópteros, que também inclui mariposas.
Mariposa
Como as borboletas, fazem parte da ordem dos lepidópteros.
Abelha
O inseto faz parte da ordem dos himenópteros, um dos maiores grupos dentre os insetos.
Vespa
O inseto faz parte da ordem dos himenópteros, um dos maiores grupos dentre os insetos.
Formiga
Gafanhoto
O gafanhoto é um ortóptero, assim como o grilo.
Cupim
são isópteros.
Percevejo
O inseto faz parte da ordem dos hemípteros.
Cigarra
são insetos homópteros.

inseto-cigarra-

8230 – Bioquímica – O que as Vitaminas Podem Fazer por Você


vitamina

Os médicos estão reaprendendo quase tudo sobre as vitaminas. Algumas descobertas recentes mostram que essas substâncias podem retardar o aparecimento dos sinais da velhice, afastar alguns tipos de câncer e diminuir pela metade as chances de um ataque cardíaco. Mas atenção: as pesquisas mostram também que as dietas mais saudáveis e diversificadas, aquelas à base de legumes, carnes, peixes e frutas, fornecem apenas a quantidade e variedade de vitaminas necessárias à boa nutrição. É pouco. Para se beneficiar dos efeitos de cura, as pessoas precisam ingerir algumas vitaminas em dosagens tão elevadas que é preciso recorrer às cápsulas, à venda no mercado. A indústria farmacêutica está rindo à toa.
Os cientistas de alguns dos mais sérios centros de pesquisa do mundo garantem que não se trata de um golpe publicitário. “Os resultados são fortes demais para ser ignorados”, diz o americano Meir Stampfer, pesquisador da Escola de Medicina de Harvard, co-autor de um trabalho revolucionário sobre as vitaminas e a saúde do coração que saiu no mês passado no The New England Journal of Medicine, a mais respeitada publicação médica dos Estados Unidos. Stampfer e seus colegas chegaram à conclusão de que 100 unidades de vitamina E por dia, seis vezes mais que a dosagem convencionalmente recomendada pelos médicos, diminuem em mais de 40% o risco de ataques cardíacos em homens.
Para obter com alimentos 100 unidades de vitamina E, a pessoa precisa comer 1,5 quilo de alface, 3,5 quilos de gema de ovo ou 20 quilos de banana. A vitamina E é vendida em cápsulas de 100 a 1.000 unidades em farmácias brasileiras a preços que variam de 20 a 100 reais.
Se o que se busca é apenas a vitamina em questão, fica mais barato comprar a cápsula em vez de passar na feira. “A nova geração de pesquisas sobre vitaminas pode estar encontrando um jeito muito mais econômico de tratar e prevenir as doenças crônicas”, acredita o médico Charles Butteworth, da Universidade do Alabama. A conta de Butteworth se baseia em conclusões que muitas pesquisas estão revelando. Doses elevadas de vitaminas, além de proteger o coração, ajudam a combater a fadiga crônica e adiar a perda de cálcio dos ossos, que começa por volta dos 40 anos de idade.
Alguns tipos de câncer, como o de pulmão, ao qual os fumantes são mais suscetíveis, poderiam ser evitados em muitas pessoas com megadoses de vitaminas. Um estudo recente da Universidade do Alabama, nos Estados Unidos, mostrou que os fumantes que tomam vitamina B 12 e ácido fólico (1.000 microgramas por dia) têm menos chance de desenvolver câncer de pulmão que os fumantes que não ingerem suplementos. Esse novo poder atribuído às vitaminas está surpreendendo os médicos. A maior surpresa é que eles próprios estão se servindo das pílulas, convencidos de que elas podem ajudá-los a viver melhor e por mais tempo. O médico americano Jerome Cohen, professor de Medicina Interna da Universidade de Saint Louis, confessou à revista Newsweek que nunca acreditou que as vitaminas pudessem fazer alguma coisa “por um adulto já saudável”. Mudou de ideia. Hoje Cohen toma todos os dias uma cápsula com 400 unidades de vitamina E – a mesma quantidade de vitamina que seria fornecida por 25 xícaras cheias de amendoins.
Até bem pouco tempo atrás, havia muita resistência à idéia de que superdosagens de vitaminas pudessem ter um papel na prevenção de doenças cardíacas, de alguns tipos de câncer ou na atenuação dos sinais da velhice. Como regra geral, os médicos preferiam receitar a seus pacientes as pequenas dosagens recomendadas oficialmente pelas autoridades de saúde. As novas pesquisas abriram a possibilidade para os médicos de receitar doses maiores a si próprios e a seus pacientes. “Existem evidências concretas de que as vitaminas A, C e E desaceleram o envelhecimento. É por isso que eu as estou tomando”, diz Elisaldo Carlini, professor de Psicobiologia da Escola Paulista de Medicina. Uma das maiores autoridades brasileiras em drogas e medicamentos, Carlini é uma voz insuspeita. Ele dirige o Cebrid, um centro de pesquisas que há anos é uma trincheira de combate a laboratórios fraudulentos e à mania brasileira de automedicação. A trincheira de Carlini continua a mesma. A vitamina é que virou coisa séria.
O cardiologista carioca Carlos Scherr, um médico jovial de vida social intensa, é um entusiasta dos efeitos da vitamina C. Ele toma até 4 gramas dela todos os dias. A vitamina C parece ser uma boa aposta. As pesquisas mais recentes serviram para dinamitar um velho mito em torno dessa vitamina. Descobriu-se que, ao contrário do que se acreditava, ela pode pouco contra os resfriados. Em compensação, mostrou-se uma promissora arma de ataque contra alguns males mais insidiosos do mundo moderno. Toda a popularidade das vitaminas começou nos anos 60, quando o prestigiado cientista americano Linus Pauling, duas vezes ganhador do Prêmio Nobel, anunciou que curava suas gripes com doses de até 10 gramas diárias de vitamina C. Até hoje nenhuma pesquisa conseguiu mostrar que a vitamina C tem o poder de curar a gripe ou de preveni-la. O máximo que se comprovou nesse campo, numa pesquisa com 641 crianças americanas em 1974, é que os sintomas da gripe duram menos e são menos intensos em pessoas que tomam 500 miligramas diárias de vitamina C.
Pauling faleceu aos 92 anos de câncer de próstata. Quando vivo afirmou: “Ganhei vinte anos”, disse ele. O câncer de próstata se manifesta mais comumente por volta dos 70 anos de idade. Em Pauling a doença só apareceu depois dos 90.
Os cientistas conseguiram decifrar recentemente o que se passa no íntimo das células quando elas são banhadas com hiperdosagens de um coquetel de vitaminas C, E e betacaroteno. Esse grupo de vitaminas chamadas “antioxidantes” é uma das mais promissoras fronteiras de combate preventivo a doenças abertas pela medicina moderna.
O que os cientistas enxergaram no metabolismo celular regado por esse coquetel foi algo formidável. Essas vitaminas mostraram-se capazes de conter a ação dos chamados radicais livres, substâncias que, à semelhança de seus homônimos na política, destroem o tecido celular, deixando o organismo mais vulnerável a todo tipo de agressão. As vitaminas funcionariam como poderosos lança-chamas químicos, fortes o bastante para volatilizar os radicais livres, compostos tóxicos que vagam pela corrente sanguínea corroendo as membranas das células e perturbando o bom funcionamento dos órgãos internos. Os radicais livres, que as vitaminas combatem, estão na raiz de muitos males, desde a fadiga até doenças mais graves como o câncer e moléstias degenerativas como a catarata. Para muitos médicos as evidências atuais já bastam para que os adultos sadios aumentem seu consumo de vitaminas. Antes eles aconselhavam que, na dúvida, era preciso esperar mais para aderir aos coquetéis de vitaminas. Agora dizem que, mesmo que algumas dúvidas ainda persistam, o melhor a fazer é correr até a farmácia da esquina.
Só agora surgiram as primeiras evidências científicas incontestáveis de que o banho químico das vitaminas pode ser um bom investimento no corpo. No ano passado, o médico James Enstron, epidemiologista da Escola de Saúde Pública da Universidade da Califórnia, Los Angeles, divulgou um estudo que mostra o impacto do consumo de vitamina C na atenuação de alguns sinais de envelhecimento. Durante dez anos, Enstron monitorou 11.348 pessoas, com idade entre 25 e 74 anos. Descobriu diversos efeitos positivos em homens que tomaram uma boa quantidade de vitamina C – em média de 300 miligramas por dia, ou cinco vezes a dose mínima convencional. Em primeiro lugar, quem ingeriu vitamina C teve 42% menos ataques cardíacos do que o grupo que não tomou nenhum nutriente. Em segundo lugar, observou-se que os consumidores de altas doses de vitamina C tiveram menos distúrbios de visão ao longo do tempo. Com base em suas observações, Enstron fez uma projeção: as pessoas que tomam 300 miligramas de vitamina C por dia têm chances de viver, em média, seis anos mais do que aquelas que não ingerem suplementos vitamínicos.
A promoção das vitaminas da condição de alimento para a de remédio está permitindo aos médicos abordar certas doenças com mais sucesso do que podiam há alguns anos. Uma vitamina chamada ácido fólico, que até recentemente era receitada em pequenas doses para evitar o aparecimento de um tipo de anemia comum apenas entre populações miseráveis submetidas a uma fome etíope, agora é vista de outra forma. Médicos do Centro de Controle de Doenças de Atlanta descobriram que ele é capaz de reduzir à metade o risco de uma deformação congênita da espinha dorsal do embrião que ataca uma em cada 1.000 crianças. Para proteger-se, não basta que as mulheres grávidas comam alimentos ricos em ácido fólico. Segundo as pesquisas recentes, elas precisariam tomar pílulas com megadosagens de 400 a 800 microgramas diárias da substância durante as seis primeiras semanas de gravidez.
Outro exemplo de virada espetacular é a nicotinamida. Há décadas os médicos sabem que a ausência total dessa vitamina na dieta aprofunda as anemias. O que se descobriu agora é que altas doses de nicotinamida podem aliviar os efeitos de uma doença muito mais séria, a diabete juvenil. Uma pesquisa mostrou que os diabéticos juvenis que tomaram várias vezes a dosagem diária convencional de nicotinamida conseguiram preservar uma parte das células pancreáticas que normalmente são danificadas pela diabete. “Essa pesquisa é uma revolução no tratamento da diabete juvenil”, diz o endocrinologista paulista Geraldo Medeiros, um dos mais atualizados médicos brasileiros. “Doses grandes de nicotinamida administradas na idade certa podem preservar até metade das células que, de outra forma, seriam destruídas pela doença.”

Médicos da universidade americana de Tufts mostraram no ano passado que as pessoas com mais de 60 anos precisam tomar quase 3 miligramas de vitamina B 6 por dia, ou seja, 30% a mais do que os adultos jovens. O mesmo estudo demonstrou que a necessidade de vitamina D cresce com o passar dos anos. De 200 unidades diárias na idade adulta a pessoa deve aumentar o consumo para 400 unidades depois dos 60 anos, para evitar danos aos rins e adiar os efeitos da perda de cálcio pelos ossos. Os médicos recomendam que as mulheres depois da menopausa tomem também todos os dias até 500 microgramas de vitamina K. Essa vitamina, que nos organismos jovens regula a coagulação sanguínea, nas mulheres mais velhas ajudaria a diminuir em até 50% a velocidade da descalcificação óssea.
São chamadas vitaminas treze substâncias orgânicas que desempenham um papel vital no organismo: ajudam a regular as reações bioquímicas que mantêm vivas as células. Na primeira metade deste século, descobriu-se que doenças como o beribéri e o escorbuto são causadas pela escassez de vitaminas e que elas têm um papel no combate às deficiências nutricionais. A ciência vive hoje a segunda onda das vitaminas, marcada pela descoberta de que seus efeitos vão muito além da nutrição. Vitaminas são encaradas como remédios poderosos capazes de prevenir doenças crônicas e até segurar um pouco o passo do relógio do envelhecimento.
Os médicos advertem também que ninguém deve consumir cápsulas com muita vitamina B 5 na esperança de que o cabelo volte a crescer. Também é bobagem tomar superdoses de vitamina A na expectativa de enxergar melhor ou empanturrar-se de B 12 para aguçar a memória e a concentração. Não existe ainda a cápsula da beleza, da inteligência ou da vida eterna. Tampouco há a cápsula que substituiu todos os nutrientes de uma bela refeição – nem os prazeres. Mas já é possível, à luz da ciência, comer fartamente sem sobrepeso ao organismo ou à consciência. Pesquisas recentes mostram que o vinho tinto, o azeite de oliva e uma iguaria, o foie gras, apesar de saborosos fazem um bem enorme à saúde. O que se descobriu a respeito das superdoses de vitaminas aponta para ganhos extraordinariamente significativos que afastam o espectro de doenças fatais como o enfarte e o câncer. Mas não se trata, ainda, de uma droga mágica. Muitos médicos temem que o entusiasmo pelas vitaminas contamine os pacientes, que, sentindo-se protegidos, passem a negligenciar cuidados óbvios com a saúde, como fazer algum tipo de exercício físico, alimentar-se com uma dose razoável de bom senso e não abusar de álcool ou do fumo. “É um erro entupir-se de cápsulas de vitamina e achar que só isso dá saúde”, diz Scherr.
Há uma tendência entre os médicos de receitar cada vitamina em separado, em vez de recorrer aos complexos. As informações sobre as dosagens mudaram muito e nem todos os multivitamínicos acompanharam as novas pesquisas. Há compostos com ferro demais e vitamina E de menos que foram formulados numa época em que as pesquisas não haviam ainda mostrado a importância relativa dessas duas substâncias. Receitando vitaminas isoladamente, os médicos conseguem fazer uma cesta básica mais de acordo com as necessidades de cada paciente.
Estima-se que cerca de 1 milhão de brasileiros consome regularmente vitaminas em cápsulas, movimentando um mercado de 140 milhões de dólares por ano. São números que não se comparam à legião dos aficionados nos Estados Unidos, onde quatro em cada dez pessoas tomam cápsulas de vitaminas. Mas o número de brasileiros que colocam fé nas vitaminas está crescendo. Há cerca de dois anos, as vitaminas desbancaram os analgésicos no primeiro lugar do mercado de medicamentos vendidos sem receita médica.
Uma dieta de saúde que protege o coração e afasta o perigo do câncer deve incluir um copo de bom vinho tinto, de preferência um Bordeaux, patê de fígado, muito azeite e um pouco de alho. Parece bom demais para ser verdade? Segundo pesquisadores de algumas das escolas de medicina mais conceituadas do mundo, o único problema com a dieta acima é o preço. Com respeito à saúde não pode haver comida melhor. Em 1991 o Inserm, o equivalente francês do Ministério da Saúde, anunciou os resultados de uma longa pesquisa sobre hábitos alimentares. O Inserm concluiu que o vinho tinto protege o coração, dissipando as plaquetas, que provocam coágulos e entopem as artérias. “Os franceses comem mais gordura, exercitam-se menos, mas têm 40% menos ataques cardíacos do que os americanos graças ao consumo de vinho tinto”, afirma a pesquisa do Inserm.
Na mesma época descobriu-se que o componente benéfico da bebida é o resveratrol, presente em quase todos os tipos de vinho tinto mas especialmente abundante naqueles da região de Bordeaux. Viva a França! Poucos meses depois, os cientistas encontraram substâncias protetoras da saúde em outra glória da mesa francesa, o foie gras, o fígado de ganso. Isso mesmo, aquela deliciosa pasta gordurosa faz bem ao coração. Os habitantes da Gasconha, região francesa onde se come, em média, cinqüenta vezes mais foie gras do que no resto do mundo, têm as menores taxas de ataque cardíaco do país.
Da boa mesa de saúde já faziam parte dois outros ingredientes preciosos, o azeite de oliva e o alho. Embora contenha muitas calorias, o azeite de oliva apresenta certos componentes, como o ácido linoléico e o ácido oléico, que ajudam o fígado a sintetizar HDL, o chamado bom colesterol, que funciona como um desentupidor de artérias. As potencialidades do alho na supressão de células cancerosas estão sendo estudadas nas universidades de Yale e Stanford, ambas de grande tradição científica nos Estados Unidos. Os resultados preliminares são encorajadores. Na Alemanha, numa pesquisa supervisionada pelo governo, 261 pacientes receberam diariamente cápsulas com 800 miligramas de extrato de alho desodorizado. O resultado foi uma redução de 12% nas taxas de colesterol. Vinho, foie gras, azeite e alho já permitem fazer um belo almoço. No final, tendo ou não dor de cabeça por causa do vinho, pode-se tomar um comprimido de aspirina. Um estudo publicado no The New England Journal of Medicine há quatro anos mostrou que um comprimido de aspirina a cada dois dias pode diminuir em 44% as chances de um ataque cardíaco.

8229 – Descobertos os mais antigos fósseis de hominídeos e macacos do Velho Mundo


Dois fósseis encontrados no Leste Africano, na região de falhas geológicas conhecida como Vale do Rift, fornecem novas pistas para a história da evolução humana. Os fósseis são os mais antigos já encontrados de dois grandes grupos de primatas, os hominídeos (Hominidae), como chimpanzés e humanos, e os chamados macacos do Velho Mundo (Cercopithecidae), que incluem babuínos e animais do gênero Macaca.
A descoberta dos dois fósseis mais antigos de hominídeos e macacos do Velho Mundo fornece pistas que podem confirmar a hipótese de que as duas linhagens da ordem se separaram evolutivamente entre 25 e 30 milhões de anos atrás.
Análises geológicas do local em que os fósseis foram encontrados indicam que eles têm 25,2 milhões de anos, significantemente mais antigos do que os fósseis que já haviam sido documentados em ambos os grupos.
Os fósseis foram encontrados na Bacia Rukwa Rift, no sudoeste da Tanzânia. Um deles, uma mandíbula com diversos dentes preservados, foi atribuído ao Rukwapithecus fleaglei, um hominídeo ancestral, e o outro, um único dente, que os pesquisadores acreditam ser o terceiro molar inferior (um dente do siso), foi atribuído ao Nsungwepithecus gunnelli, um Cercopithecidae primitivo. Ambos viveram durante o Oligoceno, época geológica que vai de 34 a 23 milhões de anos atrás.
Antes desta descoberta, os fósseis mais antigos das linhagens Hominidae e Cercopithecidae datavam do início do Mioceno, período entre 23,8 milhões e 5,3 milhões de anos atrás.

Separação evolutiva
O estudo dos fósseis, publicado na revista Nature, relata pela primeira vez que as duas linhagens já estavam evoluindo separadamente. “O final do Oligoceno é um dos períodos com menos amostras da história da evolução dos primatas”, afirma Nancy Stevens, paleontóloga da Universidade de Ohio e integrante da equipe de pesquisadores que encontrou os fósseis.
A descoberta fornece pela primeira vez pistas concretas que podem confirmar a hipótese de que as duas linhagens de primatas se separaram evolutivamente entre 25 e 30 milhões de anos atrás, conforme estimam os especialistas.

8228 – Mega de ☻lho no Planeta – Derretimento das geleiras é responsável por um terço do aumento no nível do mar


Geleiras são massas de gelo de até 50.000 quilômetros quadrados que se formam sobre as partes terrestres do planeta. Apesar de serem imensas, elas representam apenas 1% do gelo terrestre do mundo. Todo o resto está armazenado nos chamados mantos de gelo, camadas maiores que 50.000 quilômetros quadrados só encontradas na Groenlândia e na Antártida. Uma nova pesquisa mostrou que, apesar de representarem uma quantidade tão pequena do gelo mundial, o derretimento das geleiras é responsável por um terço do aumento no nível do mar medido nos últimos seis anos. O estudo foi publicado na revista Science.
Os pesquisadores descobriram que as geleiras perderam 259 trilhões de quilos de gelo ao ano, contribuindo com um terço do aumento do nível do mar registrado no período.

O novo estudo usou dois satélites lançados pela Nasa e expedições terrestres para fazer as medidas mais precisas até agora do quanto as geleiras diminuíram em decorrência do aquecimento do planeta. As medições mostraram que, entre 2003 e 2009, elas perderam 259 trilhões de quilos de gelo por ano. Essa água, jogada nos oceanos, seria responsável por aumentar o nível do mar em 0,7 milímetro ao ano — cerca de 30% de todo o aumento detectado no período. “Pela primeira vez, nós fomos capazes de medir muito precisamente o quanto essas geleiras estão contribuindo para o aumento do nível do mar. Esses corpos menores estão perdendo quase tanta massa quanto os grandes mantos de gelo”, disse Alex Gardner, pesquisador da Universidade Clark, nos Estados Unidos.

geleira-

O estudo se baseia em dados colhidos pela Universidade do Colorado, que mostra que o nível do mar subiu, em média, 2,2 milímetros por ano durante o período. Segundo os pesquisadores, outro um terço desse aumento seria causado pelo derretimento dos mantos de gelo, e o restante pela expansão térmica da água do mar. “Como a massa global das geleiras é relativamente pequena em comparação aos grandes mantos de gelo, os pesquisadores tendem a não se preocupar com elas. Mas nosso estudo mostra que elas são como um pequeno balde com um grande furo no fundo: ele não deve durar muito — apenas um século ou dois —, mas enquanto houver gelo nas geleiras, elas serão responsáveis por uma grande parte do aumento no nível do mar”, diz Tad Pfeffer, glaciologista da Universidade do Colorado.
As pesquisas anteriores sobre o derretimento das geleiras eram feitas apenas com base em dados coletados em terra. Os pesquisadores geralmente medem as massas de gelo do cume até uma das pontas da geleira, e extrapolam os dados para toda a área. Esse tipo de técnica costuma ser muito boa para medir massas pequenas e individuais, mas tende a superestimar a perda de gelo em regiões maiores. “Observações em terra costumam ser possíveis apenas nas geleiras mais acessíveis, onde o derretimento é mais rápido do que a média”, disse Gardner.
Para corrigir as distorções, o estudo também usou dados de dois satélites da Nasa: o ICESat e o Grace. O primeiro, que parou de funcionar em 2009, media a altura das geleiras por meio de pulsos de laser que lançava em direção ao solo. Já o Grace, ainda operacional, é capaz de detectar variações no campo gravitacional da Terra que são resultantes de mudanças na distribuição de massa no planeta, incluindo alterações nas massas de gelo. Ao contrário das estimativas terrestres, os satélites não são bons para medir pequenas geleiras, mas medem muito bem as grandes regiões.
Juntando as informações, os pesquisadores descobriram que todas as 19 regiões estudadas perderam gelo entre 2003 e 2009. As geleiras que mais perderam massa ficam nas regiões árticas do Canadá, Alasca e Groenlândia, no sul dos Andes e no Himalaia. Em contraste, as geleiras periféricas da Antártida — pequenos corpos de gelo que não são conectados ao grande manto da região— contribuíram muito pouco para o aumento no nível do mar durante o período.
As estimativas atuais dizem que todas as geleiras do mundo contêm água suficiente para aumentar o nível do mar em sessenta centímetros. Em comparação, o manto de gelo da Groenlândia, que ocupa 1,7 milhão de quilômetros quadrados, tem o potencial de contribuir com cerca de seis metros de água; enquanto o da Antártida, ocupando 14 milhões de quilômetros quadrados, pode contribuir com pouco menos de sessenta metros.

8225 – História da Medicina – O Sacrifício Cirúrgico


Muitas culturas antigas sacrificavam animais e seres humanos para agradar a deuses e espíritos. Nos séculos 14 e 15, os astecas dominavam o atual México. Eles acreditavam num suposto deus da guerra e do sol, que traria sucesso nas batalhas se oferecessem diariamente sangue, membros e corações arrancados de animais sacrificados vivos, inclusive pessoas. De tais macabros rituais, surgiu o conhecimento dos órgãos internos do corpo.
A sangria com facas ou sanguessugas, embora brutal, era remédio tradicional e popular para qualquer tipo de doença durante a época medieval. Poucos se importavam em saber se ela realmente funcionava. Durante séculos, quase não houve contribuições científicas, elas só surgiriam nos últimos 3 séculos.A autoridade da Igreja Católica Apostólica Romana na Europa praticamente interrompeu o progresso científico durante a idade média, como vimos no capítulo sobre a Inquisição. Os ensinamentos de Hipócrates, Aristóteles e Galeno sobreviveram porque foram utilizados pelos árabes do norte da África e do Oriente Médio, como o famoso anatomista Avicena (980-1037 AD).

8224 – Patologia – A Dengue


É uma doença infecciosa, febril, aguda e benigna na maior parte dos casos. É causada pelo vírus do grupo Flavivírus, transmitido ao homem através da picada do mosquito vetor Aedes Aegypiti. Após a transmissão, existe um período de incubação de 2 a 7 dias; o ciclo de multiplicação viral dura em média 18 horas.
O mosquito infectado pica o homem. O vírus se dissemina pelo sangue; e, conseqüentemente se instala sobre o tecido. A multiplicação do vírus sobre o tecido provoca inflamação dos vasos, e o sangue passa circular mais lentamente. Com a circulação mais lenta, é comum que os líquidos do sangue extravasem os vasos e, com isso, o sangue torna-se mais espesso. O sangue espesso pode coagular dentro dos vasos, provocando trombos. Além disso, a circulação lenta prejudica a oxigenação e a nutrição ideal dos órgãos. Com o tempo, se não houver tratamento específico, pode haver um choque circulatório, o sangue deixa de circular, os órgãos ficam prejudicados e podem parar de funcionar, levando à morte.
O inseto Aedes Aegypiti fêmea é quem contamina o homem, pois o macho se alimenta apenas de seiva de plantas. A fêmea precisa da albumina (substância do sangue) para completar o processo de amadurecimento de seus ovos. O mosquito apenas transmite a doença, mas não sofre seus efeitos. Seu aspecto é parecido com o pernilongo, mas possui listras brancas em seu corpo e só pica durante o dia. Ele desenvolve sua fase larvária em coleções de água, como poços, caixas d’água, vasos de jardins, tambores, pneus e outros recipientes.

dengue cartaz

· 99% dos infectados têm febre, que dura cerca de 3 a 8 dias;
· 50% têm prostração e indisposição.
· 60% têm cefaléia.
· 50% têm dor retro-orbitária, mialgia e artralgia (dor nos músculos e nas articulações).
· 25% apresentam manchas vermelhas em todo o corpo (os chamados exantemas); como o vírus se instala também próximo aos vasos, é comum que inflamem e fiquem evidentes na pele.
· Perda do paladar e apetite.
· Muitas dores nos ossos e articulações.
Freqüentemente, ocorre dor de garganta, náuseas, vômitos, dor epigástrica e diarréia.

Procedimentos básicos no TRATAMENTO
Procurar um atendimento básico.
A hidratação e a reposição de eletrólitos são os principais cuidados, pois é certo que febre, anorexia, vômitos e diarréia podem levar à desidratação.
Aconselha-se ingerir muito líquido.
É indicado o uso de paracetamol para alívio da dor, e para diminuir a febre.
Medicamentos a base de ácido acetilsalicílico (como aspirina), dipirona (antiagragante plaquetário) e medicações anticoagulantes devem ser evitados.
Deve-se fazer repouso e controle do hemograma.
Nos casos mais graves, com impossibilidade de hidratação oral, deve-se iniciar hidratação parenteral (venosa) na unidade de atendimento e, em seguida, transferir para a unidade hospitalar, mesmo antes de pesquisa laboratorial.
Registrar temperatura, pulso, pressão arterial, queixa de dor, quantidade de líquido ingerido, aspecto da pele, estado físico geral do cliente, presença de vômito e outros sintomas.
É muito importante no combate à dengue ter uma equipe de vigilância epidemiológica; a notificação compulsória deve ser rigorosa; a sorologia deve ser feita a partir do 6º dia.

8223 – Patologia – O Hantavírus


Vive em ratos silvestres e contamina indivíduos que respiram partículas da saliva ou dos excrementos desses animais. Além dos pulmões, tal vírus ataca os rins, inibindo sua capacidade de filtrar o sangue. Como a maioria dos sinais se confundem com uma gripe, a maioria dos doentes já chega ao hospital com os rins danificados.

hantavírus

Trata-se de um gênero que agrupa vários vírus ARN, pertencente à família bunyaviridae. Existem sete gêneros dentro da família bunyaviridae, todos tendo artrópodes como agente etiomiológico, exceto pelo hantavírus, que é transmito por roedores, que causam infecções como febre hemorrágica viral, febre hemorrágica com síndrome renal (FHSR); e a síndrome pulmonar por Hantavírus (SPHV), uma infecção muito grave.
A palavra é derivada do rio Hantan, onde o vírus Hantaan (o agente etiológico da febre hemorrágica coreana) foi isolado pela primeira vez pelo Dr. Lee Ho-Wang. A doença associada a vírus Hantaan é a febre hemorrágica com síndrome renal, um termo que é aceito pela Organização Mundial de Saúde.
Os Hantavírus constituem uma relativamente recém-descoberta classe de vírus; segundo a entidade HFRS a doença foi pela primeira vez reconhecido pela medicina ocidental durante a Guerra da Coréia, no início dos anos de 1950. Em 1993, uma espécie de hantavírus foi encontrada como causadora da síndrome cardiopulmonar por hantavírus, causada pelo vírus Sin Nombre, no Novo México e em outros quatro estados. Além de Hantaan vírus e o vírus Sin Nombre.

Regiões especialmente afectadas por HFRS incluem China, a península da Coréia, Rússia (Hantaan, Seoul Puumala e vírus), e e Europa Ocidental (Puumala e Dobrava vírus). As regiões com os mais elevados índices de HCPS incluem Patagónia, Argentina, Chile, Brasil, Estados Unidos, Canadá, e do Panamá. Os dois agentes da HCPS na América do Sul são vírus (também chamados de Oran, Castelo de Sonhos, Lechiguanas, Juquitiba, Araraquara, Bermejo e vírus, entre muitos outros sinônimos).

Hantavírus tem um tempo de incubação de 2 a 4 semanas em seres humanos, antes de ocorrer sintomas de infecção. Estes sintomas podem ser divididos em cinco fases:
Fase febril: Os sintomas incluem febre, calafrios, mal-estar, dores de cabeça, náuseas, dor abdominal e dor nas costas, problemas respiratórios, tais como os causados pelo vírus da gripe comum, assim como problemas gastro-intestinais. Estes sintomas normalmente ocorrem de três a sete dias.
Fase hipotensora: Isso ocorre quando os níveis de plaquetas sanguíneas estão em queda e os sintomas podem levar à hipoxemia e taquicardia. Esta fase pode durar 2 dias.
Fase oligúrica: Esta fase tem a duração de três a sete dias e é caracterizada pelo aparecimento de insuficiência renal e proteinúria.
Fase diuréica: Esta é caracterizada por diurese de 3 a 6 litros por dia, que podem durar vários dias e até semanas.
Fase convalescente: Isto normalmente ocorre quando se inicia a recuperação e os sintomas começam a desaparecer.

A Síndrome pulmonar por hantavírus (SPH) é uma doença mortal transmitida por roedores infectados através da urina, fezes ou saliva. O ser humano adquire esta doença através das vias respiratórias superiores, ou seja, através do ar. E não há cura, porém quanto mais rapidamente for detectada, mais chances o homem tem de sobreviver, já que há o combate contra os sintomas da doença. Estes sintomas, que são muito semelhantes às HFRS, incluem taquicardia e taquipneia. Essas condições podem levar a uma fase cardiopulmonar, onde choques cardiovasculares podem ocorrer e a internação do paciente se faz necessária. Os seres humanos podem desenvolver a doença através da inalação do vírus pelo ar. A SPH foi primeiramente reconhecida em 1993 e desde então tem sido identificada em todos os Estados Unidos. Embora raros, os casos de SPH são potencialmente mortais. O controle de roedores continua a ser a principal estratégia para a prevenção de infecções por hantavírus.

A patogênese da infecção por hantavírus não é clara porque existe uma falta de modelos animais (ratos e camundongos não parecem adquirir a doença grave). Embora a replicação principal não é clara, e em ambos, HFRS e SPH, o principal efeito é o dos vasos sanguíneos. Existe um aumento da permeabilidade vascular e diminuição da pressão arterial devido à disfunção endotelial. Em HFPS, o dano mais dramático é observado nos rins, enquanto que na SPH, o baço e pulmão são os mais afetados.

8222 – Medicina – A Leishmaniose


É uma doença crônica, de manifestação cutânea ou visceral (pode-se falar de leishmanioses, no plural), causada por protozoários flagelados do gênero Leishmania, da família dos Trypanosomatidae. O calazar (leishmaniose visceral) e a úlcera de Bauru (leishmaniose tegumentar americana) são formas da doença.
É uma zoonose comum ao cão e ao homem. É transmitida ao homem pela picada de mosquitos flebotomíneos, que compreendem o gênero Lutzomyia (chamados de “mosquito palha” ou birigui) e Phlebotomus.
No Brasil existem atualmente 6 espécies de Leishmania responsáveis pela doença humana, e mais de 200 espécies de flebotomíneos implicados em sua transmissão. Trata-se de uma doença que acompanha o homem desde tempos remotos e que tem apresentado, nos últimos 20 anos, um aumento do número de casos e ampliação de sua ocorrência geográfica, sendo encontrada atualmente em todos os Estados brasileiros, sob diferentes perfis epidemiológicos. Estima-se que, entre 1985 e 2003, ocorreram 523.975 casos autóctones, a sua maior parte nas regiões Nordeste e Norte do Brasil. Em Portugal existe principalmente a leishmaniose visceral e alguns casos (muito raros) de leishmaniose cutânea. Esta raridade é relativa, visto que na realidade o que ocorre é uma subnotificação dos casos de leishmaniose cutânea. Uma razão para esta subnotificação é o fato de a maioria dos casos de leishmaniose cutânea humana serem autolimitados, embora possam demorar até vários meses a resolverem-se.
As leishmania são transmitidas pelos insetos fêmeas dos gêneros Phlebotomus (Velho Mundo) ou Lutzomyia (Novo Mundo).
No início do século XX o médico paraense Gaspar Viana iniciou estudos sobre a leishmaniose, e a ele atribui-se a descoberta dos primeiros tratamentos para a doença. Essa doença também pode afetar o cão ou a raposa, que são considerados os reservatórios da doença, conforme referido pelo médico sanitarista Thomaz Corrêa Aragão, em 1954.
As leishmania são protozoários parasitas de células fagocitárias de mamíferos, especialmente de macrófagos. São capazes de resistir à destruição após a fagocitose. As formas promastigotas (infecciosas) são alongadas e possuem um flagelo locomotor anterior, que utilizam nas fases extracelulares do seu ciclo de vida. O amastigota (intra-celular) não tem flagelo.

Há cerca de 30 espécies patogênicas para o ser humano (CDC). As mais importantes são:

As espécies L. donovani, L. infantum infantum, e L. infantum chagasi que podem produzir a leishmaniose visceral, mas, em casos leves, apenas manifestações cutâneas.
As espécies L. major, L. tropica, L. aethiopica, L. mexicana, L. braziliensis, L. amazonensis e L. peruviana que produzem a leishmaniose cutânea ou a mais grave, mucocutânea.

Leishmaniasis_life_cycle_diagram-es.svg

O ciclo de vida das espécies é ligeiramente diferente mas há pontos comuns. São libertados no sangue junto com a saliva de flebotomíneos ou flebótomos (em inglês são denominados sand flies) no momento da picada. As leishmanias na forma de promastigotas ligam-se por receptores específicos aos macrófagos, pelos quais são fagocitadas. Elas são imunes aos ácidos e enzimas dos lisossomas com que os macrófagos tentam digeri-las, e transformam-se nas formas amastigotas após algumas horas (cerca de 12h). Então começam a multiplicar-se por divisão binária, saindo para o sangue ou linfa por exocitose e por fim conduzem à destruição da célula, invadindo mais macrófagos. Os amastigotas ingeridos pelos insectos transmissores demoram oito dias ou mais a transformarem-se em promastigotas e multiplicarem-se no seu intestino, migrando depois para as probóscides.
Leishmaniose visceral (LV), também conhecida como calazar e febre negra, é a forma mais severa de leishmaniose. É o segundo maior assassino parasitário no mundo, depois da malária, responsável de uma estimativa de 60 000 que morrem da doença cada ano entre milhões de infecções mundiais. O parasita migra para os órgãos viscerais como fígado, baço e medula óssea e, se deixado sem tratamento, quase sempre resultará na morte do anfitrião mamífero. Sinais e sintomas incluem febre, perda de peso, anemia e inchaço significativo do fígado e baço. De preocupação particular, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), é o problema emergente da co-infecção HIV/LV.

LV humana
Em hospedeiros humanos, a resposta da infecção por L. donovani varia bastante, não só pela força mas também pelo tipo da reação imune do paciente. Pacientes que produzem números grandes de células-T do tipo TH1, que ativa a resposta celular mas não encorajam a formação de anticorpos, frequentemente recuperam-se da infecção e depois são imunes a uma reinfecção. Pacientes cujos sistemas produzem mais células do tipo TH2, que promovem apenas a formação de anticorpos, são mais afetados.
Na leishmaniose visceral humana, os primeiros sintomas podem ser associados ao descamamento da pele – com destaque para regiões em torno do nariz, boca, queixo e orelhas, sendo frequentes também no couro cabeludo, onde estes são geralmente confundidos com caspa; e ao aparecimento de pequenos calombos semiesféricos sob o couro cabeludo, geralmente sensíveis ao toque. Tais calombos surgem e desaparecem com frequência sem contudo implicarem, de forma geral mas não restritiva, feridas. Não obstante, por incômodo, estes podem evoluir para lesões mediante traumas induzidos pelas unhas ou mãos do próprio paciente; tais lesões geralmente cicatrizam-se, contudo, de forma normal. Alterações nos níveis de ácido úrico que não associam-se adequadamente às causas típicas desta anomalia – a exemplo bem notórias mesmo em pacientes vegetarianos – e que acabam por implicar sintomas muito semelhantes aos da gota – bem como alterações na quantificação de enzimas associadas ao fígado – como a gama glutamil transferase e transaminase pirúvica – passam a ser detectáveis em exames de sangue. Com a evolução da doença os sintomas mais típicos incluem o aumento do baço ou esplenomegalia, sendo este geralmente também acompanhado do aumento do fígado ou hepatomegalia, ambos detectáveis via ultrassonografia. Se deixado sem tratamento a doença evolui para um quadro crítico caracterizado por rápido e intenso emagrecimento, dor abdominal, ausência de apetite, apatia e febre alta, intermitente e crônica – com duração superior a dez dias – fase na qual o paciente geralmente é levado a procurar o médico. Nesta fase os hemogramas geralmente revelam, entre outras anomalias, os níveis de albumina e contagem de leucócitos significativamente alterados, sendo notórias a anemia e a leucopenia. A mortalidade da doença nesta etapa é consideravelmente aumentada por estes sintomas serem facilmente confundidos com os de outras patogenias; nesta fase, se deixada sem tratamento, a doença quase sempre implica a morte do paciente. O escurecimento da pele, que deu à doença seu nome comum na Índia, não aparece na maioria dos casos de doença, e os outros sintomas são muito fáceis de confundir com os da malária. O erro no diagnóstico é perigoso, pois, sem tratamento, a taxa de mortalidade para kala-azar está próxima a 100%.

Humanos e outros animais infectados são considerados reservatórios da doença, uma vez que o mosquito, ao sugar o sangue destes, pode transmiti-lo a outros indivíduos ao picá-los. Em região rural e de mata, os roedores e raposas são os principais; no ambiente urbano, os cães. Nem todos os cães, quando infectados, apresentam os sinais da doença (emagrecimento, perda de pelos e lesões na pele).

Algum tempo depois do tratamento pode surgir uma forma secundária da [doença], chamada leishmaniose dérmica pós-kala-azar ou LDPK. Esta condição se manifesta primeiro como lesões de pele na face que gradualmente aumentam em tamanho e espalham-se pelo corpo. Eventualmente as lesões podem ser desfigurantes, deixando cicatrizes semelhantes a lepra e causando cegueira ocasionalmente se atingirem os olhos: contudo a doença não é a leishmaniose cutânea, mas uma doença causada por outro protozoário do gênero Leishmania, que também afeta neste estágio a pele.

LV Canina
A leishmaniose visceral é uma doença mortal de curso lento e de difícil diagnóstico, pois um cão pode estar infectado e não mostrar nenhuns sintomas exteriores.
É causada pelo protozoário Leishmania, transmitido pela picada de flebótomos (insetos) infectados. O cão é considerado o principal reservatório da doença no meio urbano, mas não o único, já o homem podem atuar como reservatórios (o que é uma situação rara).
Os sintomas no cão são bastante variáveis, sendo comum na Leishmaniose cutânea o aparecimento de lesões graves na pele acompanhadas de descamações e, eventualmente, úlceras, falta de apetite, perda de peso, lesões oculares (tipo queimaduras), atrofia muscular e, o crescimento exagerado das unhas. Em um estágio mais avançado, detecta-se problemas nos rins, no fígado e no baço, acabando o animal por morrer. Devido à variedade e à falta de sintomas específicos, o médico veterinário é o único profissional habilitado a fazer um diagnóstico da doença. É importante ressaltar que há um grande número de animais infectados que não apresentam sintomas clínicos (assintomáticos) porque a Leishmaniose pode ter uma incubação até 7 anos.
Mesmo sendo considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) uma das seis maiores epidemias de origem parasitária do mundo, focos de leishmaniose visceral canina continua-se expandir no mundo.
Na América Latina, a doença já foi encontrada em pelo menos 12 países, sendo que 90% dos casos ocorrem no Brasil, especialmente na região Nordeste, que possui o maior número de notificações: 1.634 casos registrados em 2007. O Ministério da Saúde do Brasil gerencia o Programa de Controle da Leishmaniose Visceral Canina, visando, entre outras ações, o diagnóstico sorológico dos cães positivos para Calazar e sua posterior eutanásia. Atualmente são utilizados dois métodos diagnósticos sorológicos, a Imunofluorescência Indireta (RIFI) e o Ensaio Imunoenzimático, também conhecido como Teste ELISA. Ambos se baseiam na busca de anticorpos anti-Leishmania em soro de cães. O Ministério recomenda a triagem com o método ELISA e a confirmação com a RIFI a um título de 1:40. São aceitos os resultados executados com kits diagnósticos fabricados pela Fundação OswaldoCruz/Biomanguinhos, distribuidor oficial do Ministério. Nas áreas endêmicas, os fiscais visitam as residências para realizar a coleta de sangue dos animais. Após o exame, os proprietários precisam aguardar cerca de 60 dias pelo resultado do teste para saber se o animal está infectado e se terá que ser sacrificado, já que com a portaria interministerial nº 1426 editada em julho de 2008, é proibido o tratamento da doença com produtos de uso humano. A opção de eutanásia de um animal de estimação é certamente para muitos uma decisão difícil, e muitas vezes procura-se por alternativas paliativas, recorrendo-se geralmente ao argumento de que a portaria não proíbe, contudo, o tratamento da doença com produtos específicos para animais; e que a validade da referida portaria encontra-se em discussão na justiça (o que não a torna inválida). Contudo é fato que o animal contaminado, quando sob tratamento – quer humano quer específico ao animal – embora possa em uma parcela dos casos apresentar remissão dos sintomas da doença, permanece infectado com o parasita em sua forma ativa, e por tal constitui um reservatório da doença no ambiente em questão. Acrescido a presença do agente vetor em tais ambientes, o que geralmente é a situação dada a contaminação do animal, tal configuração caracteriza-se como uma situação de risco iminente aos demais no ambiente, incluso sobretudo os seres humanos, risco muito agravado em caso de presença de crianças e idosos. Muito pior do que se obter um diagnóstico soropositivo para leishmaniose em um animal de estimação é certamente obter um diagnóstico soropositivo para a doença em um membro da família. O tratamento, que da mesma forma que no animal apenas ameniza os sintomas, é complicado e prolongado, exigindo quase sempre internação para a companhamento do processo dado o risco de morte diretamente associado à medicação. A medicação para uso humano é proibida para animais dada a crescente adaptação e resistência dos agentes etiológicos às drogas conhecidas (ver tratamento); as drogas aplicadas nos primórdios dos avanços no tratamento da referida doença, que remontam ao início do século XX, são hoje ineficazes, sendo as hoje utilizadas muito mais agressivas ao próprio organismo do hospedeiro do que as inicialmente aplicadas. A eutanásia dos cães contaminados é uma decisão dificil para os donos, mas os cães em estado muito debilitado, talvez seja a única solução.
Na Europa está a ser utilizada a vacina anual e preventiva contra a Leishmaniose do Laboratório Virbac. A protecção é aproximadamente de 90%. Sendo aconselhado também o uso de coleira anti-parasitária e/ou pipetas. Antes da vacinação, tem que se proceder a teste de diagnóstico, para se saber se o cão jà é portador da doença. Caso o teste dê positivo, o cão não pode ser vacinado. E, o Médico Veterinário aconselhará a melhor tratamento a seguir.
No Brasil, existe no mercado há 5 anos uma vacina contra a Leishmaniose Visceral Canina, a Leishmune, do laboratório Fort Dodge Saúde Animal, registrada no Ministrério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) desde 2003. Além desta vacina, existe uma outra do laboratório Hertape, em que, após vacinação, o animal continua negativo no exame de RIFI, diferente da vacina Fort Dodge. A vacina confere proteção superior a 92% e já protegeu mais de 70.000 cães vacinados em todo o Brasil. É importante ressaltar que os animais vacinados apresentam resultados negativos nos kits ELISA atualmente licenciados pelo MAPA (Kit Biogene e Kit Bio-Manguinhos).
O programa vacinal deve ser associado a outras medidas de controle, como combate ao inseto vetor (flebótomo), com a aplicação de inseticida no ambiente e o uso de produtos repelentes no cão.

Os flebotomíneos são cruciais na transmissão da leishmaniose visceral, que ocorre quando os insetos se alimentam sobre homens ou animais infectados. A seguir, o crescimento dos flagelados no tubo digestivo do vetor torna-se suficiente para assegurar sua inoculação em hospedeiros susceptíveis.
Se, pouco depois de infectar-se, o flebotomíneo volta a alimentar-se com sangue, o crescimento dos flagelados pode ser inibido. Mas se a segunda refeição for feita com sucos de plantas (ou, nas condições de laboratório, com passas ou soluções açucaradas), as formas promastigotas multiplicar-se-ão abundantemente no tubo digestivo do inseto. Quando ele ingere novamente sangue, poderá regurgitar com o sangue aspirado grumos de leishmanias (promastigotas infectantes) que cresciam no esôfago e no proventrículo.
Em vista do tempo requerido para o crescimento abundante dos flagelados e da vida curta dos insetos adultos (cerca de duas semanas ou pouco mais), é necessário que o flebotomíneo se infecte muito cedo, talvez por ocasião de suas primeiras refeições sanguíneas, para que possa efetuar a transmissão do calazar.
A proporção de insetos encontrados com infecção natural é sempre muito baixa. Assim, a transmissão fica na dependência de existir, nos focos americanos, uma densidade grande de Lutzomyia longipalpis, fato que se constata nas áreas de leishmaniose visceral, mesmo no interior das casas, sempre que haja um surto epidêmico.
Outro mecanismo de transmissão possível, entre os animais, é a transmissão direta, sem flebotomíneos. Em certas áreas endêmicas, observou-se a pequena densidade de insetos vetores, raros casos humanos e grande incidência do calazar canino. Como os flebotomíneos aí mostravam poucas tendências em picar os cães, supôs-se que a propagação pudesse ter lugar por contato sexual, tanto mais que em diversas pesquisas pôde-se comprovar o parasitismo da glande e da uretra dos cães por leishmanias.

A leishmaniose é uma doença que já existia desde tempos pré-históricos e que existe até hoje na maior parte do mundo. Entre 1985 e 2003 houve um aumento do número de casos e ampliação de sua ocorrência geográfica, sendo encontrada atualmente em todos os Estados brasileiros, sob diferentes perfis epidemiológicos. Estima-se que, entre 1985 e 2003, ocorreram 523.975 casos autóctones, a sua maior parte nas regiões Nordeste, Centro-Oeste e Norte do Brasil. É mais de 10 vezes mais comum no Norte que no Sul do país.
Estima-se que a Leishmaniose (tegumentar e visceral) no ano de 2003 apresentava uma prevalência de 12 milhões de casos no mundo e que 350 milhões de pessoas viviam nas áreas com risco de contrair a doença. Segundo a OMS, 2 milhões de pessoas são contaminadas todos os anos (1,5 milhões de casos de leishmaniose cutânea e 500 000 casos de leishmaniose visceral). E esse número parece estar aumentando.
Essa doença está espalhada por 88 países, dos quais 72 são países em desenvolvimento. A grande maioria dos casos de Leishmaniose visceral ocorrem no Brasil, Bangladesh, Índia ou Sudão. A grande maioria dos casos de leishmaniose cutâneo-mucosa ocorrem no Brasil, Bolívia ou Peru. E a maioria dos casos de leishmaniose cutânea ocorrem no Brasil, Afeganistão, Irã, Peru, Arábia Saudita ou Síria. Mais de 90% dos casos ocorrem nesses países, sendo o Brasil o único a reunir grandes números de casos dos 3 tipos de leishmaniose.
Os casos são mais comuns nas áreas de criação de gado onde os animais também são vítimas da doença e ocorrem contaminações cruzadas (do homem para o animal e do animal para o homem).

Progressão e Sintomas
Uma infecção por leishmanias pode tomar dois cursos. Na maioria dos casos o sistema imunitário reage eficazmente pela produção de uma resposta citotóxica (resposta Th1) que destrói os macrófagos portadores de leishmanias. Nestes casos a infecção é controlada e os sintomas leves ou inexistentes, curando-se o doente ou desenvolvendo apenas manifestações cutâneas. No entanto, se o sistema imunitário escolher antes uma resposta (humoral ou Th2) com produção de anticorpos, não será eficaz a destruir as leishmanias que se escondem no interior dos macrófagos, fora do alcance dos anticorpos. Nestes casos a infecção (apenas L. donovani irá se desenvolver em leishmaniose visceral), uma doença grave, ou no caso das espécies menos virulentas, para manifestações mucocutâneas mais agressivas e crónicas. Um indivíduo imunodeprimido não reage com nenhuma resposta imunitária eficaz, e estes, especialmente os doentes com SIDA/AIDS, desenvolvem progressões muito mais perigosas e rápidas com qualquer dos patogénios. Em Portugal, Espanha, Itália e França este grupo tem ultimamente formado uma percentagem grande dos doentes com formas de leishmaniose graves.
A leishmaniose visceral, também conhecida por kala-azar ou febre dumdum, tem um período de incubação de vários meses a vários anos. As leishmanias danificam os órgãos ricos em macrófagos, como o baço, o fígado, e a medula óssea. Os sintomas mais comuns do kala azar são:

Febre prolongada,
Úlceras escuras na pele
Aumento do baço (esplenomegalia),
Aumento do fígado (hepatomegalia),
Leucopenia,
Anemia,
Hipergamaglobulinemia,
Tosse,
Dor abdominal,
Diarréia,
Perda de peso e;
caquexia.

A leishmaniose cutânea tem uma incubação de algumas semanas a alguns meses (geralmente) assintomáticos, após o qual surgem sintomas como lesões na pele (pápulas ulcerantes) extremamente irritantes nas zonas picadas pelo mosquito, que progridem para crostas com líquido seroso. Há também escurecimento por hiperpigmentação da pele, com resolução das lesões em alguns meses com formação de cicatrizes desagradáveis. A leishmaniose mucocutânea é semelhante mas com maiores e mais profundas lesões, que se estendem às mucosas da boca, nariz ou genitais.
No Brasil, o maior número de casos são registrados nas regiões Norte e Nordeste, onde a precariedade das condições sanitárias favorecem a propagação da doença. Mas o aumento do número de registros na Região Sudeste mostram que todo o país corre risco de epidemias de Leishmaniose. O interior paulista tem assistido a um crescimento grande do número de casos. Em 1999, Araçatuba enfrentou uma epidemia. Birigui e Andradina também registraram alto número de casos da doença. Em 2003, Bauru passou a registrar a doença de forma endêmica. Em todas essas cidades ocorreram óbitos, e há o risco da doença chegar a grandes centros urbanos paulistas de forma endêmica, como Campinas, Sorocaba, Santos e São Paulo.
Em Campo Grande, capital sul-matogrossense, a incidência da doença também é alta, principalmente em cães que são frequentemente recolhidos pelo poder público e submetidos a eutanásia. Tal atitude tenta conter a doença na cidade, mas nada é feito quanto ao combate efetivo do mosquito transmissor.
Segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde de Corumbá, em 2006, 52,43% dos cães da cidade tiveram diagnóstico positivo para leishmaniose visceral.
A leishmaniose é considerada pela DNDi como uma doença “extremamente negligenciada”, assim como a doença do sono e a de doença de Chagas. Isto porque, em razão da prevalência em regiões de extrema pobreza, não há interesse por parte da indústria farmacêutica em desenvolver novos medicamentos para essas doenças.
Embora os agentes do serviço de controle de zoonoses geralmente cumpram com regularidade as atividades que lhe são incumbidas, ressalva significativa é feita quanto ao fato de que estes (quase?) nunca encaminham, ou sequer aconselham, os moradores da residência associada a um animal positivo-diagnosticado a também realizarem os exames diagnósticos associados. Aparte os motivos de tal atitude, os exames são geralmente simples, rápidos e baratos. Mostram-se acessíveis a todos via postos de saúde públicos ou mesmo na rede particular, e devem ser feitos por todos os moradores da residência onde haja o diagnóstico de um animal com a doença. Até o ponto em que se sabe – contradizendo as estatísticas divulgadas na mídia de enorme número de casos em animais e poucos em humanos – tanto homens quanto os cachorros, gatos, e demais mamíferos do ambiente doméstico – como ratos – estão igualmente suscetíveis à contaminação.

Tratamento para os cães
Os tratamentos existentes não curam a doença, mas estabilizam-na. Podendo, no entanto, haver recaídas.
Entre as moléculas mais utilizadas no tratamento da leishmaniose canina estão os antimoniais, o Milteforan do Laboratório Virbac, assim como Leishguard do Laboratório Esteves. O medicamento alopurinol é administrado diariamente.

Vacina
Foi desenvolvida pelo Prof. Wilson Mayrink, pesquisador do Departamento de Parasitologia da Universidade Federal de Minas Gerais, recebeu o registro do Ministério da Saúde e agora pode ser comercializada no Brasil. Segundo o Prof. Mayrink, a vacina está sendo testada na Colômbia e no Equador, sob a coordenação da OMS. Os testes estão em fase final e, até agora, os resultados são semelhantes aos do Brasil. O pesquisador está otimista também com os resultados dos testes da vacina preventiva, realizados nos municípios de Caratinga e Varzelândia, em Minas Gerais. Ele acredita que, nos próximos dois anos, a vacina preventiva também possa ser produzida em escala industrial e comercializada em todo o País.

8221 – Pesquisa da Unicamp produz etanol a partir do bagaço da laranja


Pesquisadoras da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) desenvolveram um novo processo para obter etanol a partir do bagaço da laranja.
Apesar dos bons resultados técnicos conseguidos pelo estudo, o processo ainda tem um custo elevado de produção em relação ao do etanol feito a partir da cana-de-açúcar.
Utilizando um microorganismo que pode causar a doença do cancro na fruta, elas conseguiram aumentar e acelerar a produção do combustível.
Com uma tonelada do bagaço da laranja seco (o in natura tem três quartos de água), foi possível produzir 80,8 litros de etanol. A mesma quantidade de cana produz 85 litros.
Atualmente, a fabricação de etanol a partir da laranja só é feita com os açúcares que sobram depois de retirar o suco. A quantidade, porém, é mínima, de 2,3 litros.
Já o bagaço da laranja é destinado comercialmente pela indústria do suco apenas para a produção de ração para complemento da alimentação de bovinos.
Em 2011, cerca de 19 milhões de toneladas de laranjas foram produzidas no país, das quais 15 milhões apenas no Estado de São Paulo.
“Considerando que os resíduos de laranja chegaram a 9,5 milhões de toneladas, conclui-se que esses resíduos secos poderiam ter gerado 1,14 milhão de toneladas de etanol”.
A Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) analisa o desenvolvimento do processo em planta piloto para a produção em escala industrial. A professora disse acreditar que em dois anos poderá viabilizar a fabricação de etanol.
A direção da CitrusBR (Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos) informou que toda pesquisa que possa contribuir com o setor é bem-vinda, mas disse que desconhece a produção comercial de etanol a partir do bagaço da laranja.
Uma das maiores produtoras de suco de laranja do mundo, a Cutrale, por meio de sua assessoria, afirmou que não produz etanol a partir da fruta, mas que toda alternativa de desenvolvimento de pesquisa para geração de energia limpa é positiva.

8220 – Física – Universos Paralelos


Os cientistas, embora possam acreditar num Criador, tentam ir além dessa ideia e entender as razões físicas por trás dos mecanismos cósmicos. Afinal, por que o Universo está tão cheio de galáxias, estrelas e planetas, em vez de ser um imenso vazio? Por que as leis da natureza parecem ser tão adequadas ao surgimento da complexidade e da vida? Uma das hipóteses favoritas para tentar explicar isso nas últimas décadas deixa de lado a visão de que este nosso Universo é tudo o que há. Segundo essa ideia, a ordem cósmica só faz sentido se imaginarmos universos paralelos – e talvez até infinitos universos paralelos – pipocando por todos os lados.
Uma grande pista, derivada de observações do Universo feitas com telescópios, inspirou os físicos a usar os universos paralelos como uma saída. De acordo com o físico americano Leonard Susskind, da Universidade Stanford, essa pista é a inflação cosmológica, uma das visões mais aceitas sobre os momentos iniciais do Cosmos, logo depois do famoso big-bang. “Logo depois” é apelido, aliás. Pegue um segundo e o divida pelo número 10 seguido por 35 zeros: foi nesse intervalo inimaginavelmente pequeno de tempo que a inflação cosmológica, uma expansão violenta do espaço, teria acontecido.

O principal indício da inflação é simples: o Universo é uniforme demais. Embora o sistema solar pareça um lugar cheio de variedade, quando a gente observa as estruturas de larga escala do Cosmos, como as galáxias e aglomerados de galáxias, todas as regiões do espaço são muito parecidas – quem viu uma viu todas. Além disso, a chamada radiação cósmica de fundo, que é uma espécie de eco do big-bang ainda detectável hoje, varia pouquíssimo (o equivalente a apenas 1 centésimo de milésimo de grau Celsius em temperatura) dependendo da região do espaço para a qual você olha. Isso é esquisito porque áreas muito distantes do Universo deveriam ter adquirido características e temperaturas bem diferentes umas das outras conforme o Cosmos crescia. Para os defensores da inflação, o melhor jeito de explicar isso é justamente a inflação. O Universo-neném teria tido uma fase de crescimento tão alucinada, superior à velocidade da luz, que não houve tempo de diferenças significativas aparecerem.
Ok, mas o que isso tem a ver com os universos paralelos? É que os cálculos dos físicos indicam que flutuações sutis numa região muito pequena e densa do espaço foram suficientes para desencadear a inflação cosmológica. Nada impede que regiões vizinhas, tão pequenas e densas quanto a original, tenham sofrido uma expansão semelhante. “Esse crescimento teria sido tamanho, que algumas regiões do espaço ficaram para sempre fora do campo de visão das outras; para todos os efeitos, são outros universos”.
As condições no interior dos buracos negros – uma massa gigantesca concentrada num trecho minúsculo do espaço – lembra muito a estimada para o início da fase inflacionária durante o big-bang. Smolin propõe que os buracos negros, por terem essas condições e serem regiões confinadas do espaço, na verdade são novas “bolhas” do Multiverso, dando origem a universos-bebês. Ora, para que um Universo seja “fértil”, ele precisa ter muitos buracos negros e transmitir essa capacidade para seus universos-filhos. A tendência, portanto, é que os universos com maior capacidade de se reproduzir acabem superando em número os universos estéreis no conjunto do Multiverso. Essa é a seleção natural cósmica – e o motivo de vivermos num lugar tão afinadinho e favorável à vida seria apenas um subproduto dela. Portanto, não somos improváveis dentro do Multiverso, e podemos ser até a regra.
Todas essas ideias ainda vão dar muito pano pra manga, até porque ninguém ainda conseguiu pensar num jeito prático de detectar diretamente os outros cosmos. Seja como for, parece que estamos a caminho de descobrir que a natureza não só é mais estranha do que imaginamos mas quase mais esquisita do que nossa espécie é capaz de imaginar.

8218 – Cientistas identificam droga capaz de evitar infertilidade em mulheres após quimioterapia


Um dos principais efeitos colaterais de tratamentos de câncer em mulheres jovens — a falência prematura dos ovários e a infertilidade —, embora bem conhecido, era pouco compreendido. Um novo estudo, além de explicar os motivos pelos quais esse problema ocorre, propôs uma forma que pode ajudar a evitar o efeito adverso. A pesquisa, feita no Centro Médico Sheba, em Israel, foi publicada nesta quarta feira na revista Science Translational Medicine.
Cientistas desvendaram os mecanismos que fazem com que certas drogas usadas no tratamento contra o câncer causem infertilidade nas mulheres. Esses mesmos pesquisadores descobriram, porém, que um medicamento que ainda está sendo testado pode proteger a paciente contra tais danos.
O trabalho avaliou o mecanismo de ação de um quimioterápico conhecido como ciclofosfamida, droga de uma geração mais antiga e que compõe coquetéis de tratamento principalmente para casos de câncer de mama. Investigando seu efeito em camundongos fêmeas, os pesquisadores observaram que o medicamento, ao mesmo tempo em que impede a proliferação de células cancerígenas, acaba promovendo o crescimento de folículos presentes no ovário.

Esses folículos são aglomerados de células que contêm, cada um, um óvulo. Ao longo da vida de uma mulher, a cada mês um pequeno número desses folículos começa a crescer até atingir a maturidade, quando ocorre a ovulação. Com o envelhecimento, esse número de folículos vai diminuindo. Os pesquisadores descobriram que a ciclofosfamida acelera esse processo, fazendo com que todos os folículos comecem a crescer. E, uma vez que se inicia o amadurecimento, o caminho é sem volta. O reservatório, por fim, acaba sendo esvaziado. Daí a infertilidade.
A equipe de cientistas, liderada por Lital Kalich-Philosoph, descobriu que outra droga, apelidada de AS101, foi capaz de proteger os ovários durante o tratamento. Os camundongos que receberam a medicação juntamente com a quimioterapia mantiveram mais folículos em seus ovários após o tratamento do que aqueles que só tomaram o remédio anticâncer. E, quando elas acasalaram algum tempo depois, conseguiram ter tantos filhotes quanto animais que não tinham passado pelo tratamento.
A infertilidade é uma questão importante no tratamento de mulheres jovens com câncer. Como ainda não há uma droga disponível que evite a infertilidade, a saída é congelar óvulos ou até embriões. A droga AS101 está em fase 2 de teste clínico — ou seja, está sendo investigado se ela pode ser considerada segura para humanos. Mas até se traduzir em um possível tratamento para mulheres ainda há uma longa distância.

8217 – EUA aprovam primeira droga de nova classe de remédios para diabetes tipo 2


O Food and Drug Administration (FDA), órgão americano que regula medicamentos e alimentos, aprovou na última semana o primeiro remédio de uma nova classe de drogas para o diabetes tipo 2. O medicamento, que será vendido com o nome de Invokana pela Janssen Farmacêutica, trata a doença de uma forma diferente, impedindo que o açúcar no sangue seja reabsorvido pelo rim e fazendo com ele seja excretado pela urina.

DIABETES TIPO 2
Enquanto a diabetes tipo 1 ocorre pela falta da produção de insulina, na do tipo 2 a insulina continua a ser produzida normalmente, mas o organismo desenvolve resistência ao hormônio. É causada por uma mistura de fatores genéticos e pelo estilo de vida: 80% a 90% das pessoas que têm o tipo 2 da diabetes são obesas.

Grande parte das drogas utilizadas atualmente para controlar a condição age estimulando a produção ou melhorando a ação da insulina. Esse hormônio, secretado pelo pâncreas, ajuda na absorção da glicose pelas células e, assim, controla as taxas de açúcar no sangue. Pessoas com diabetes tipo 2, porém, apresentam resistência à ação da insulina.
“Nós continuamos a promover a inovação com a aprovação de novas classes de drogas. Elas fornecem opções adicionais de tratamento para condições crônicas de saúde que impactam a saúde pública”, disse, em comunicado à imprensa, Mary Parks, diretora da divisão de produtos de metabolismo e endocrinologia do Centro para Avaliação e Pesquisa de Drogas do FDA.
A aprovação desse novo medicamento pelo FDA se baseou nos resultados de nove estudos clínicos que envolveram mais de 10.000 pacientes com diabetes tipo 2. Segundo a agência, a droga é “eficaz e segura” — as pessoas que fizeram uso do Invokana apresentaram uma melhora no controle de açúcar no sangue. Um dos efeitos adversos mais comuns do remédio foram infecções do trato urinário.
Ainda de acordo com o FDA, a Janssen Farmacêutica deverá realizar cinco estudos após a aprovação do medicamento para determinar os riscos, como doenças cardíacas, câncer e problemas hepáticos.