Arquivo da categoria: Enciclopédia

6361 – Estudo revela mecanismo que faz o câncer se espalhar


Uma equipe internacional de pesquisadores, incluindo brasileiros do Hospital A.C. Camargo (SP), pode ter dado um passo importante para bloquear o insidioso processo por meio do qual o câncer se espalha pelo organismo.
Eles mostraram que uma espécie de bolha microscópica, que lembra uma “minicélula”, é capaz de carregar as sementes de um novo tumor para partes distantes do corpo, preparando essas áreas para receber a doença.
Se for possível bloquear a ação dessas “bolhas”, os médicos teriam em mãos uma defesa importante contra a metástase, como é conhecido o espalhamento do câncer pelo organismo do doente.
A quantidade e o conteúdo das “minicélulas” também poderiam trazer pistas importantes sobre a gravidade de determinado câncer e sobre a resistência do tumor a medicamentos, explica a bioquímica Vilma Martins, pesquisadora do A.C. Camargo. “Pode ser uma ferramenta muito poderosa para os oncologistas”, afirma ela.
Martins assina um estudo sobre o tema que acaba de ser publicado na revista científica “Nature Medicine”. A equipe de cientistas, coordenada por David Lyden, da Faculdade Médica Weill Cornell, em Nova York, identificou sinais intrigantes do papel das “bolhas” -conhecidas tecnicamente como exossomos- num câncer que costuma afetar a pele, o melanoma.
Os termos gregos que formam a palavra “exossomo” podem ser traduzidos exatamente da maneira acima: “um corpo que sai” da célula, como uma espécie de mensageiro, de acordo com o que pesquisas recentes mostram. “É uma área de pesquisa bastante nova”, diz Martins.
Os exossomos se formam no interior das células e apresentam uma membrana composta por uma camada dupla de gordura -exatamente como a membrana das células “verdadeiras” (veja quadro).
Em seu interior, podem carregar vários tipos de molécula, inclusive material genético. Atravessam com facilidade a membrana das células e levam essa carga para outras células. “Parece um método eficiente de sinalização celular”, explica Martins.
O problema é que, como mostrou o trabalho da bioquímica e seus colegas, essa sinalização pode ser facilmente usada para o mal. Em pessoas com melanoma, por exemplo, os exossomos produzidos carregam uma quantidade maior de proteínas ligadas ao câncer quando o tumor da pessoa é mais grave.
Quando injetadas em camundongos junto com células tumorais, as “minicélulas” facilitaram a formação de tumores, carregando substâncias que ajudam a recrutar células formadoras de vasos sanguíneos.
É que os cientistas apelidam de “criação de nicho” para o tumor: um local cheio de nutrientes trazidos pelos vasos para que o vilão possa crescer. E os vasos também ficam mais permeáveis -o que facilitaria a penetração das células tumorais. O desafio, agora, é aprender a bloquear o processo.

6360 – Física – Força, Trabalho e Potência


Em física, o termo trabalho tem um significado muito preciso que não coincide com o que é usado na vida cotidiana. Trabalho é energia transferida por meio da aplicação de uma força. É calculado multiplicando-se a força aplicada ao corpo pela distância que ele percorre na mesma direção.
O trabalho é o produto de uma força multiplicada por uma distância. Então:
A unidade de trabalho é obtida multiplicando-se as unidades correspondentes de força e de distância.
No SI chama-se joule (J) e é definida como o trabalho realizado por uma força de 1 newton que produz um deslocamento de 1 metro na direção em que atua. Assim:
1J = 1N.1m

Potência – Antes de comprar um eletrodomésticoou um carro, nos interessamos por sua potência. Em física, tal palavra tem um significado muito concreto. Potência é a medida da rapidez com que se realiza um trabalho. É calculada dividindo-se o trabalho realizado pelo tempo gasto em realizá-lo.
Unidades de potência: No SI, se o trabalho é medido em joules e o tempo em segundos, a potência é medida em joules/segundos.Tal unidade recebeu o nome de watt (W). Um watt é a potência de um mecanismo que realiza o trabalho de 1 joule em um segundo. Então:
1W = 1J/s

Na prática, utiliza-se também o quilowatt (KW), que equivale a 1000 W. Existe uma unidade de potência que não pertence a nenhum sistema de medida mas que é tradicionalmente usada, sobretudo quando se fala de motores. Trata-se do cavalo-vapor (CV), cuja equivalência é com o watt: 1 CV = 735 W.

Mini Glossário
Aceleração – Brandeza vetorial que expressa a variação de velocidade de um corpo por unidade de tempo.
Componente – Cada um dos elementos que fazem parte de um todo.
Vetor – Entidade matemática utilizada para representar grandezas que apresentam intensidade direção e sentido.

6359 – As Unidades de Grandeza


Sistema Internacional de Unidades (sigla SI do francês Système international d’unités) é a forma moderna do sistema métrico e é geralmente um sistema de unidades de medida concebido em torno de sete unidades básicas e da conveniência do número dez. É o sistema mais usado do mundo de medição, tanto no comércio todos os dias e na ciência. O SI um conjunto sistematizado e padronizado de definições para unidades de medida, utilizado em quase todo o mundo moderno, que visa a uniformizar e facilitar as medições e as relações internacionais daí decorrentes.
O antigo sistema métrico incluía vários grupos de unidades. O SI foi desenvolvido em 1960 do antigo sistema metro-quilograma-segundo, ao invés do sistema centímetro-grama-segundo, que, por sua vez, teve algumas variações. Visto que o SI não é estático, as unidades são criadas e as definições são modificadas por meio de acordos internacionais entre as muitas nações conforme a tecnologia de medição avança e a precisão das medições aumenta.
O sistema tem sido quase universalmente adotado. As três principais exceções são a Myanmar, a Libéria e os Estados Unidos. O Reino Unido adotou oficialmente o Sistema Internacional de Unidades, mas não com a intenção de substituir totalmente as medidas habituais.
Para efetuar medidas é necessário fazer uma padronização, escolhendo unidades para cada grandeza. Antes da instituição do Sistema Métrico Decimal (no final do século XVIII, exatamente a 7 de Abril de 1795), as unidades de medida eram definidas de maneira arbitrária, variando de um país para outro, dificultando as transações comerciais e o intercâmbio científico entre eles.
As unidades de comprimento, por exemplo, eram quase sempre derivadas das partes do corpo do rei de cada país: a jarda, o pé, a polegada e outras. Até hoje, estas unidades são usadas nos Estados Unidos, embora definidas de uma maneira menos individual, mas através de padrões restritos às dimensões do meio em que vivem e não mais as variáveis desses indivíduos.
Em 20 de maio de 1875 um tratado internacional conhecido como Convention du Mètre (Convenção do Metro), foi assinado por 17 Estados. Este tratado estabeleceu as seguintes organizações para conduzir as atividades internacionais em matéria de um sistema uniforme de medidas:
Conférence Générale des Poids et mesures (CGPM), uma conferência intergovernamental de delegados oficiais dos países membros e da autoridade suprema para todas as ações;
Comité international des poids et mesures (CIPM), composta por cientistas e metrologistas, que prepara e executa as decisões da CGPM e é responsável pela supervisão do Bureau Internacional de Pesos e Medidas;
Bureau International des Poids et mesures (BIPM), um laboratório permanente e centro mundial da metrologia científica, as atividades que incluem o estabelecimento de normas de base e as escalas das quantidades de capital físico e manutenção dos padrões protótipo internacional.
Até 1995, havia duas unidades suplementares: o radiano e o esferorradiano (esterradiano, em Portugal). Uma resolução da CGPM (Conferência Geral de Pesos e Medidas) de então tornou-as derivadas.
O Sistema Internacional de Unidades foi adotado globalmente por praticamente todos os países. As três exceções são Myanmar, Libéria e os Estados Unidos. O Reino Unido adotou oficialmente o SI, mas sem a intenção de substituir inteiramente seu próprio sistema usual de medidas.

6358 – Conceitos de Eletricidade – A Corrente Elétrica


É o fluxo ordenado de partículas portadoras de carga elétrica, ou também, é o deslocamento de cargas dentro de um condutor, quando existe uma diferença de potencial elétrico entre as extremidades. Tal deslocamento procura restabelecer o equilíbrio desfeito pela ação de um campo elétrico ou outros meios (reação química, atrito, luz, etc.)
Sabe-se que, microscopicamente, as cargas livres estão em movimento aleatório devido à agitação térmica. Apesar desse movimento desordenado, ao estabelecermos um campo elétrico na região das cargas, verifica-se um movimento ordenado que se apresenta superposto ao primeiro. Esse movimento recebe o nome de movimento de deriva das cargas livres.
Raios são exemplos de corrente elétrica, bem como o vento solar, porém a mais conhecida, provavelmente, é a do fluxo de elétrons (português brasileiro) ou eletrões (português europeu) através de um condutor elétrico, geralmente metálico.
A intensidade I da corrente elétrica é definida como a razão entre o módulo da quantidade de carga ΔQ que atravessa certa secção transversal (corte feito ao longo da menor dimensão de um corpo) do condutor em um intervalo de tempo Δt.
A unidade padrão no SI para medida de intensidade de corrente é o ampère (A). A corrente elétrica é também chamada informalmente de amperagem. Embora seja um termo válido na linguagem coloquial, a maioria dos engenheiros eletricistas repudiam o seu uso por confundir a grandeza física (corrente eléctrica) com a unidade que a medirá (ampère).
Nos metais existe grande quantidade de elétrons livres, em movimento desordenado. Quando se cria, de alguma maneira, um campo elétrico no interior de um corpo metálico, esses movimentos passam a ser ordenados no sentido oposto ao do vetor campo elétrico, constituindo a corrente elétrica.
Nas soluções eletrolíticas existe grande quantidade de cátions e ânions livres, em movimento desordenado. Quando se cria, de alguma maneira, um campo elétrico no interior de uma solução eletrolítica, esses movimentos passam a ser ordenados: o movimento dos cátions, no sentido do vetor campo elétrico (), e o dos ânions, no sentido oposto. Essa ordenação constitui a corrente elétrica.
Nos gases ionizados existe grande quantidade de cátions e elétrons livres, em movimento desordenado. Quando se cria, de alguma maneira, um campo elétrico no interior de um gás ionizado, esses movimentos passam a ser ordenados: o movimento dos cátions, no sentido do vetor campo elétrico e o dos elétrons, no sentido oposto. Essa ordenação constitui a corrente elétrica.
Com a finalidade de facilitar o estudo das leis que regem os fenômenos ligados às correntes elétricas, costumamos adotar um sentido convencional para a corrente elétrica, coincidente com o sentido do vetor campo elétrico que a produziu.
Consequentemente, esse sentido será o mesmo do movimento das partículas eletrizadas positivamente e oposto ao das partículas eletrizadas negativamente.

Sentido da corrente
No início da história da eletricidade definiu-se o sentido da corrente elétrica como sendo o sentido do fluxo de cargas positivas[3], ou seja, as cargas que se movimentam do pólo positivo para o pólo negativo. Naquele tempo nada se conhecia sobre a estrutura dos átomos. Não se imaginava que em condutores sólidos as cargas positivas estão fortemente ligadas aos núcleos dos átomos e, portanto, não pode haver fluxo macroscópico de cargas positivas em condutores sólidos. No entanto, quando a física subatômica estabeleceu esse fato, o conceito anterior já estava arraigado e era amplamente utilizado em cálculos e representações para análise de circuitos.
Esse sentido continua a ser utilizado até os dias de hoje e é chamado sentido convencional da corrente. Em qualquer tipo de condutor, este é o sentido contrário ao fluxo líquido das cargas negativas ou o sentido do campo elétrico estabelecido no condutor. Na prática qualquer corrente elétrica pode ser representada por um fluxo de portadores positivos sem que disso decorram erros de cálculo ou quaisquer problemas práticos.
O sentido real da corrente elétrica depende da natureza do condutor. Nos sólidos as cargas cujo fluxo constituem a corrente real são os elétrons livres, nos líquidos os portadores de corrente são íons positivos e íons negativos, enquanto que nos gases são íons positivos, íons negativos e elétrons livres. O sentido real é o sentido do movimento de deriva das cargas elétricas livres (portadores). Esse movimento se dá no sentido contrário ao campo elétrico se os portadores forem negativos, caso dos condutores metálicos e no mesmo sentido do campo se os portadores forem positivos. Mas existem casos onde verificamos cargas se movimentando nos dois sentidos. Isso acontece quando o condutor apresenta os dois tipos de cargas livres, condutores iônicos por exemplo.
É interessante notar que, nesses casos onde portadores de carga dos dois tipos estão presentes, ambos contribuem para variações de carga com mesmo sinal em qualquer volume limitado do condutor, porque cargas positivas entrando no volume escolhido, ou cargas negativas saindo do volume escolhido, significam um aumento da quantidade de cargas positivas. Essa é a razão para ser necessário introduzir uma convenção de sentido para a corrente.

6357 – Física – O Eletroscópio


Para conhecer o valor da carga e o sinal dos corpos carregados, emprega-se um aparelho chamado eletroscópio. Ele é formado por uma haste metálica com uma esfera na ponta superior e duas lâminas muito finas, de alumínio, na parte inferior que se movimentam afastando-se ou aproximando-se. A separação entre as lâminas é medida em uma escala graduada. A parte inferior da haste fica encerrada num recipiente de vidro para permanecer perfeitamente isolada e protegida do exterior. Se como uma barra de vidro eletrizada positivamente, tocarmos a esfera superior, o eletroscópio ficará carregado positivamente, permitindo-nos descobrir o sinal de carga de outros corpos. Depois, se ao tocarmos a esfera do eletroscópio com um corpo as lâminas se aproximarem, é porque introduziu-se carga contrária, ou seja, negativa. Se, ao contrário, tocarmos a esfera as lâminas se afastarem ainda mais, é que o corpo está carregado com a mesma carga que o eletroscópio, isto é, positiva.

Unidade de carga elétrica – Um corpo eletrizado possui excesso ou falta de elétrons. Por isso, a unidade natural de carga elétrica é a carga de um elétron, chamada carga elementar. Por ser excessivamente pequena, ela é pouco prática. Assim, no SI escolheu-se o coulomb (C) como unidade de carga:
1C equivale a 6,3 trilhões de cargas elementares

A Lei de Coulomb – Se um corpo carregado pode atrair corpos pequenos, quer dizer que exerce uma força que por sua vez chama-se força elétrica. O físico francês Charles Coulomb mediu o valor das forças elétricas que aparecem entre os corpos carregados e enunciou a lei: a força de atração ou repulsão entre 2 corpos eletricamente carregados é diretamente proporcional ao produto das cargas e inversamente proporcional ao quadrado da distância que os separa e depende do meio em que estão colocados.

Mini Glossário:
Âmbar – Resina fóssil de cor amarela, empregada em joalheria e ornamentação.
Ebonite – Borracha endurecida, de cor negra, com muitas aplicações industriais.
Escala: Graduação existente nos instrumentos de medida que permite quantificar o valor de determinada propriedade.

6356 – Capitalismo Selvagem – Qual Profissão Paga Mais?


Quem atua em alguma profissão e insiste, só se for por amor ou falta de opção.
O melhor caminho é abrir uma empresa, porque você não ficará limitado pelos salários do mercado, explica o consultor de carreiras Eliseu Ordakowski, que tem um emprego e certamente será mais pobre que você.
Quando se trabalha para uma organização, ela enriquece enquanto você tem um teto remuneratório. No empreendedorismo, o céu é o limite”, diz o consultor. Não esqueça que empresas também podem quebrar.
Mas se você prefere ter um emprego, o mais indicado é cursar Administração e assumir um posto de presidente. De acordo com a última Pesquisa Salarial e de Benefícios da Catho Online, divulgada em maio, hoje o maior salário do Brasil é de presidente administrativo, com média nacional estimada em R$ 53.905,33.
Se chegar ao cargo de presidente é muito difícil, outra maneira é partir para a medicina. Segundo a pesquisa, o profissional de nível superior mais bem pago do país é o oftalmologista, com média salarial de R$ 10.980,67.
Outra dica para encontrar quais as profissões mais bem pagas é ficar de olho nos setores mais aquecidos da economia.
O setor petroquímico no Brasil, até pouco tempo não era um setor fomentado aqui. Muitos profissionais dessa área saíram do Brasil e hoje o país está trazendo essas pessoas de volta justamente pela carência de profissionais nesse segmento. Por isso, eles estão sendo muito bem remunerados”.
Seja qual for a carreira, siga o conselho de Chris Gardner, o sem-teto que tornou-se milionário e inspirou o papel de Will Smith no filme À Procura da Felicidade: “Encontre algo que você ame tanto fazer que você espere o sol nascer só para poder fazer de novo”, disse em entrevista à revista Forbes.
Mas não será por dinheiro, assim como eu escrevo o ☻ Mega.

6355 – Como saber se uma marca é ecologicamente correta?


Greenpeace

A Adidas faz uso de couro de canguru na fabricação de algumas chuteiras de futebol – e não esconde isso.
Por meio da sua assessoria de imprensa no Brasil, o Grupo Adidas declarou, no entanto, que é contra o abate dos cangurus de maneira “desumana e cruel” e diz só trabalhar com fornecedores que respeitam as leis e as regras estipuladas pelo governo australiano.
Ainda não existe um selo ou site com informações que identifiquem marcas ecologicamente corretas – aliás, o instituto recomenda utilizar a expressão “desenvolvimento sustentável”.
Para conseguir informações sobre empresas mais, ou menos, sustentáveis, o Akatu recomenda pesquisar notícias na internet e em jornais. Outra forma é conferir os relatórios de sustentabilidade divulgados pelas empresas.
Respeitar as leis trabalhistas, ser ambientalmente correta no seu modo de produção e trabalhar com fornecedores legalizados já é um bom caminho para ser sustentável.
O Greenpeace tem suas listas.
A ONG ranqueia empresas de tecnologia de acordo com os seus ambientes virtuais, responsáveis pelo arquivamento e transmissão de conteúdo (a tal nuvem). Segundo a última análise, Apple, Amazon e Microsoft são decepcionantes, pois usam muita energia suja (basicamente carvão, esse highlander da revolução industrial) no serviço.
Do outro lado, Yahoo! e Google tem priorizado a energia limpa, seguidos pelo Facebook, que está correndo atrás após ser listado como uma empresa que não está ligando muito para esse papo de sustentabilidade.
Outro ranking do Greenpeace é o Guia de Eletrônicos Verdes, em que a ONG avalia as empresas de acordo com uso de materiais tóxicos, reciclagem e gasto de energia. Na última edição, a HP ganhou com folga, seguida de Dell e Nokia. Na lanterna, estão RIM, fabricante do Blackberry, LG e Toshiba.
Ou seja, seu celular realmente diz muito sobre você.

6354 – Cinema – O que é Cinema 4D?


O mundo tem 3 dimensões. Alguns consideram a existência de uma quarta, mas ela seria o tempo, que não pode ser visto na tela do cinema, explica um professor de física. No cinema 4D, além de enxergar com a profundidade do 3D, o espectador sente na pele o que acontece no filme.
Ou seja, quem conhece os parques da Disney sabe que isso não é novidade nenhuma.
O pessoal do Cinépolis, empresa responsável pelo primeiro cinema 4D no Brasil, dá mais detalhes: “Na sala, as poltronas se movem em sincronia com o filme, simulando aceleração, freada, subida, descida e curvas. Vários pontos da poltrona vibram, completando as ações na tela. Quando há tiros, flechadas, tapas ou outros movimentos bruscos no filme, jatos de ar comprimido saem lateral ou frontalmente ao espectador”.
Além disso, borrifos de água, aromas, bolhas, neblina e efeitos de luz são usados para completar a ambientação e levar quem assiste cada vez mais para dentro do que acontece na telona.
Hoje, só é possível experimentar a novidade em São Paulo, mas há a previsão de abertura de uma nova sala de cinema 4D para o primeiro semestre de 2013, em Curitiba.

6353 – Loteria – Apostar nos mesmos números aumenta a chance?


Segundo os matemáticos, não. Na Mega-Sena, há 50.063.860 resultados possíveis e todos eles são igualmente prováveis ou improváveis. A cada sorteio da mega sena,por exemplo, a chance de você ganhar com uma aposta simples é de uma em 50.063.860.
O professor Sebastião de Amorim, do Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica da Unicamp, fez as contas e explicou que suas chances aumentam se você insistir bastante – repetindo os números ou não.
“Uma chance em 50.063.860 equivale a um pouco menos de dois centésimos de milionésimos. Generalizando: se você joga muitas vezes, a probabilidade de ganhar alguma vez vai crescendo com o número de repetições. Mas não é um crescimento simples, linear”, alerta.
Para se ter uma ideia do quanto é improvável acertar os 6 números com uma aposta simples, repetindo ou não a combinação, ele dá um exemplo mais prático: “A chance de uma aposta simples ganhar na Mega-Sena é 33% menor que a de dar coroa em 25 arremessos consecutivos de uma moeda (1 em 33.554.432)”.

6352 – Dr Know – Cachorro tem umbigo?


Pegue seu cachorro no colo e vire-o de barriga para cima. Procure então uma pequena marca entre os pelos, bem no meio do abdômen.
Como quase todos os mamíferos, o cão também tem uma cicatriz umbilical, mas ela não é tão evidente. O a vida placentária dos cães é igual a nossa. Quando o filhote nasce, o cordão umbilical regride e deixa uma cicatriz. Nos cães e gatos, no entanto, não se forma uma cavidade tão visível como nos humanos. E o umbigo fica escondido sob o pelo.
O que também acontece entre alguns humanos.

6351 – Curiosidades Históricas – Pênis de Napoleão Bonaparte foi cortado quando ele morreu


Parece que a espada que ele usava para conquistar as mulheres não era tão poderosa quanto a usada para desbravar territórios. Ao menos é o que sugere um legado curioso deixado pelo Imperador: seu pênis.
Napoleão morreu em 5 de maio de 1821, na Ilha de Santa Helena. De acordo com historiadores, seu corpo passou por uma autópsia. Uma das versões é a de que o procedimento teria revelado que ele morrera de câncer no estômago. Mas essa não foi a única coisa revelada na ocasião. “Seus órgãos reprodutivos eram pequenos e aparentemente atrofiados. Dizem que ele ficara impotente algum tempo antes de morrer”, teria dito o Dr. C. MacLaurin.
Como se não bastasse ter sido descrito como “pequeno”, a lenda afirma que o pênis de Napoleão fora cortado na ocasião. Segundo essa história, depois da autópsia o dito cujo teria caído nas mãos de um padre e desaparecido.
Em 1971, 150 anos após o incidente, um órgão, apresentado como o pênis de Napoleão, apareceu no Christie’s Fine Arts Auctioneers, em Londres. Um visitante o descreveu como “um pequeno cavalo-marinho”, já que ela media cerca de 2,5 cm.
Mas o que fazer com o pênis de Napoleão? Os caras decidiram leiloá-lo – e o lance inicial foi estipulado em 13.300 libras. Sem êxito nas vendas (porque, né?), o produto saiu do mercado. Em 1977, John Lattimer, urologista e professor de Urologia da Universidade de Colúmbia, em Nova Iorque, adquiriu o membro por US$ 3800 e permaneceu com ele até sua morte, em 2007.
O legado do professor Lattimer tinha outros pertences inusitados como um colar manchado com o sangue de Lincoln e uma ampola de cianeto de Hermann Göring. O membro napoleônico caiu nas mãos de familiares e a filha de Lattimer tentou vendê-lo por 100 mil dólares em 2011, segundo a TIME. Enquanto isso, do outro lado do Atlântico, Bonaparte permanece em sua cripta em Paris. E sem pênis.

6350 – Você detesta Segunda-Feira?


Falta disposição para voltar à rotina depois daquele fim de semana agitado? Se sim, você não está sozinho.

– A maioria das pessoas só sorri depois das 11h16…
A pedido de uma empresa britânica, a OnePoll, especializada em pesquisas, entrevistou 2 mil funcionários para saber algumas verdades sobre as segundas-feiras. A primeira conclusão: as pessoas acordam tão mal humoradas às segundas que conseguem esboçar o primeiro sorriso apenas às 11h16.
Segundo a pesquisa, pouco mais de 50% dos trabalhadores não chegam ao trabalho no horário. E pior, só conseguem trabalhar de verdade durante três horas e meia. Em compensação, ir ao trabalho pode ser uma boa saída para o mau humor. “Trabalho pode ser o melhor lugar para ir às segundas. Somos essencialmente homens das cavernas em cidades. Queremos nos sentir parte de uma tribo, então pegamos uma xícara de chá, sentamos e começamos a trabalhar. Depois do ritual, estamos pronto para uma semana produtiva”, diz Alex Gardner, psicólogo envolvido com a pesquisa.
Outra constatação da pesquisa da OnePoll: pessoas entre 45 e 54 anos sofrem mais com o início da semana e gastam cerca de 12 minutos falando mal da segunda-feira.

Incidência de suicídio
Os dados vêm do Escritório de Estatísticas Nacionais da Inglaterra. Segundo eles, 16% dos suicídios entre os homens acontecem em plena segunda-feira – 17% das mulheres também preferem se matar nesse dia. A preferência pelo sábado e domingo é menor: 13% dos suicídios acontecem durante o fim de semana. Eles também perceberam maior incidência de suicídios após aniversários ou Ano Novo. “Isso pode estar ligado aos recomeços, como Ano Novo, aniversário, ou só o começo da semana”, diz Anita Brock, co-autora da pesquisa.
Segundo o British Medical Journal, os casos de infarto sobem 20% às segundas, em comparação aos outros dias da semana. A causa é previsível: estresse e pressão alta por conta do retorno ao trabalho.

Ficou ainda mais desanimado? Então fique tranquilo, a pesquisa da OnePoll também revelou os melhores jeitos de curar o mau humor de segunda: ver televisão, fazer sexo, comprar qualquer porcaria pela internet, comer chocolate, planejar as férias. Isso deve funcionar em qualquer dia, não?

6349 – Economia – Fábricas de Redes Gerou Ilha de Prosperidade


Ponte da Cidade de São Bento-PB

A fabricação mensal de 400 mil redes de dormir fez do município de São Bento a 444 km a noroeste de João Pessoa, o maior polo da indústria textil da Paraíba na década de 1990. Segundo estimativas da prefeitura local, 80% dos 21 mil habitantes na época, trabalhavam na produção de redes em 74 indústrias de médio e grande porte e em 500 pequenas insdústrias. A renda média familiar era de 3 salários mínimos por mês (ressalva-se que na época o salário mínimo era bem mais desvalorizado do que agora).
Uma nova revolução industrial local, onde em uma famíla, pai e mãe trabalhavam nas fábricas, enquanto os filhos ajudavam no acabamento. Não havia o terrível e crônico problema de desemprego que flagelou o Brasil por décadas. Uma ilha de prosperidade que não sofria também com os problemas da seca.

Um Pouco +
Atualizando os dados:
O município é localizado na microrregião de Catolé do Rocha. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), no ano de 2011 sua população era estimada em 31 236 hab. IBGE/2011. Área territorial de 248 km².
Situa-se a 375 Km da capital João Pessoa, a 245 Km de Campina Grande, maior cidade do interior paraibano; a 340 Km de Natal, a capital do Rio Grande do Norte.
É Considerada uma cidade pólo industrial têxtil, conhecida pela fabricação de redes e mantas, cujos habitantes as vendem em diversas localidades do Brasil.Atualmente, exporta redes para todo os estados do Brasil bem como para a maioria dos países da América do Sul, África, Europa e Ásia.
São Bento é chamada de Capital Mundial das Redes por produzir por ano cerca de 12 milhões de redes.O município possui aspectos da cultura regionalista como, por exemplo, sua famosa “Feira da Pedra”. Uma aglomeração de muitos comerciantes e feirantes com as mais diversas especiarias e, obviamente, muita rede bonita. A feira acontece todas as segundas-feiras no centro da cidade ritualmente desde a década de 80.
São Bento Possui o 28º maior IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) da Paraíba; E o seu PIB (Produto Interno Bruto) é de US$ 137 mil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o município de São Bento possui 22.697 eleitores.

A cidade tem 52 anos e faz aniversário em 29 de abril.

Fundação:
Pouco se sabe das verdadeiras origens do atual município de São Bento. Tem-se apenas notícia de que em fins do século XIX, habitava a região um senhor conhecido como “Catonho” com sua família e alguns moradores de sua propriedade – fazenda conhecida como Cascavel. Pouco tempo depois, por ali passou um sacerdote de nome desconhecido com destino à cidade de Pombal-PB,onde iria celebrar a Festa do Rosário, que teria batizado o lugar de São Bento,devido quase ter sido picado por uma cobra,assim permanecendo até nossos dias. Morrendo Catonho, seu filho, Manoel Vieira e seu primo Leandro Pinto, de propriedades vizinhas, iniciaram um trabalho de desenvolvimento com a finalidade de aumentar o núcleo, agrupando moradores e crescendo o número de habitantes.

Logo nos primeiros anos de fundação, São Bento começou a progredir já com alguns teares manuais fabricando redes de dormir. Com bastante oferta de trabalho já se sentia a necessidade de seu desligamento com Brejo do Cruz. Finalmente no dia 29 de abril de 1959, depois de várias manifestações populares e do senso comum, ocorreu a sua emancipação política através da Lei 2073, de autoria do deputado estadual Tertuliano de Brito, publicada em Diário Oficial na Paraíba. A partir daí o município transpunha novos horizontes.

Hidrografia
São Bento é cortada pelo Rio Piranhas, este perenizado pelo açude de Coremas/Mãe d’água. O Rio Piranhas, além de servir para o uso vital e entretenimento, é indispensável à industrialização têxtil, uma vez que todas as indústrias do municípios necessitam de água em abundância para o tingimento dos fios utilizados na confecção de redes de dormir e artigos do gênero.
Fundada nas margens do Rio Piranhas, a cidade desenvolveu um grande potencial na indústria de redes de dormir sendo a maior produtora nacional do ramo. Atualmente, exporta redes para todo os estados do Brasil bem como para a maioria dos países da América do Sul, África, Europa e Ásia.
São fabricadas infinitas toneladas de redes de dormir, gerando uma grande movimentação econômica no comércio interno. Isso se constituiu no principal fator pelo qual, diferentemente da maioria dos municípios do sertão paraibano, a população não sente necessidade para deslocar-se para os grandes centros urbanos do país. É por essa razão, que o município de São Bento apresente um bom índice de crescimento de modo a possuir uma das maiores densidades demográficas do sertão paraibano.
São Bento é conhecida na região como a cidade que tem um índice 0% de desemprego e uma grande movimentação financeira, gerando um dos maiores ICMS do estado. Suas redes são conhecidas em todo o Brasil, disputando lugar de destaque com a cidade de Jaguaruana, do estado do Ceará.

6348 – Indústria Automobilística – As Carroças do Final do Século 20


As principais montadoras alemãs já começavam a disputar com unhas e dentes o filão de carros recicláveis na virada do século. Entraram no mercado em 1992, com modelos como o Audi 80, da Volkswagen, o Astra, da Opel, com mais da metade de seus componentes, incluindo chapas metálicas, peças de plástico e até mesmo chaves, em condições de serem reaproveitadas.
Ao comprar um modelo reciclável o consumidor terá a garantia de que poderá revendê-lo para a própria fábrica após 10 anos. O espírito prático que orienta a indústria automobilística alemã, porém, não descarta o investimento em fantasias tecnológicas. A mercedez Benz apresentou ao mundo o protótipo de seu C112,um carro capaz de alcançar velocidades em torno de 300 km por hora e alterar automaticamente a sua estrutura para se adequar às condições das estradas.

6347 – Outra Rasteira no HIV


Este micro vilão mutante pode estar com os dias contados

Arsenal de remédios poderá ajudar a acabar com a Aids, diz OMS
Trinta anos depois da epidemia de Aids, ainda não foi encontrada uma cura para a doença, mas um crescente arsenal de remédios poderá, algum dia, ajudar a por fim a novas infecções, afirmou o diretor do departamento de HIV/Aids da Organização Mundial da Saúde, Gottfried Hirnschall.
Os remédios antirretrovirais podem reduzir o risco de que as pessoas infectadas transmitam o vírus e evitar que as pessoas saudáveis sejam infectadas através de relações sexuais com parceiros com HIV, apesar dessas novas possibilidades gerarem controvérsia.
Esses medicamentos salvaram cerca de 700 mil vidas em todo o mundo só em 2010, algo extraordinário segundo os especialistas.
As conquistas nas pesquisas e o progresso em alguns países “demonstram que é possível avançar muito significativamente na ampliação da resposta e inclui começar a pensar na eliminação das novas infecções”, disse Hirnschall.
O mundo tem agora 26 antirretrovirais (conhecidos como ARV) no mercado e mais em desenvolvimento para o tratamento de pessoas com o vírus da imunodeficiência humana (HIV), que infectou 60 milhões de pessoas e matou 25 milhões desde o início da epidemia.
Os efeitos colaterais continuam sendo uma preocupação e as autoridades estão vigiando cuidadosamente o surgimento de resistências. A OMS se prepara para lançar esta semana seu primeiro relatório global sobre resistência aos medicamentos em países de renda baixa e média.
Estudos recentes demonstraram os benefícios potenciais de iniciar o tratamento mais cedo, antes que a carga viral seja muito alta, como uma forma de proteger a saúde de uma pessoa infetada e diminuir o risco de transmitir a enfermidade ao parceiro.

Medicamentos que evitam o HIV
A pesquisa sobre o uso dos ARV como uma maneira de prevenir o HIV nas pessoas sãs –também conhecido como ‘profilaxia pré-exposição’ (PrEP)– mostrou resultados contraditórios.
Foram promissores em casais heterossexuais e gays que tomaram as pílulas com diligência. Contudo, um importante estudo em mulheres africanas não mostrou nenhum tipo de proteção dos ARV em comparação com um placebo.
“Isso, provavelmente, será o centro do debate na conferência: quando é apropriado iniciar o tratamento e como aproveitar ao máximo as vantagens dos antirretrovirais para a prevenção em um sentido mais amplo”, disse Hirnschall.
A FDA (agência federal de alimentos e medicamentos dos EUA) anunciou nesta segunda-feira a aprovação do Truvada, do laboratório Gilead Sciences, como primeira pílula para ajudar a prevenir o HIV em alguns grupos de risco.
“O Truvada é para utilizar na profilaxia prévia à exposição em combinação com práticas de sexo seguro para prevenir as infecções do HIV adquiridas por via sexual em adultos de alto risco. O Truvada é o primeiro remédio aprovado com esta indicação”, afirmou a FDA.
O Truvada é encontrado no mercado americano desde 2004 como tratamento para pessoas infectados com HIV, indicado em combinação com outros remédios antirretrovirais.
Muitas pessoas estão preocupadas com a ética da prescrição de medicamentos contra o HIV a pessoas saudáveis, quando um grande número de pessoas infectadas em todo o mundo ainda não tem acesso a tratamentos que salvam vidas.
A OMS também prepara diretrizes para a administração de antirretrovirais como prevenção para as pessoas saudáveis, que devem ser divulgadas na conferência.
A profilaxia pré-exposição “é um enfoque promissor. Acreditamos que, provavelmente, se transforme em um nicho de intervenção de certos indivíduos nos quais outras prevenções podem não ser acessíveis ou difíceis de implementar”.

O Museu da Imagem e do Som


O Museu da Imagem e do Som de São Paulo (MIS), é um museu público estadual, subordinado à Secretaria da Cultura, criado na cidade de São Paulo em 1970, fruto de um projeto iniciado alguns anos antes por intelectuais e produtores culturais, como Ricardo Cravo Albin, Paulo Emílio Salles Gomes, Rudá de Andrade, Francisco Luiz de Almeida Salles e Luiz Ernesto Machado Kawall.
Localizado no Jardim Europa, distrito de Pinheiros, tem por objetivo coletar, registrar e preservar o som e a imagem da vida brasileira, nos seus aspectos humanos, sociais e culturais. Nas décadas de 70 e 80, destacou-se como importante núcleo de difusão artística e educativa, convertendo-se em um centro de referência para a pesquisa audiovisual brasileira.
Conserva um vasto acervo, com mais de 350 mil registros, composto por filmes (curtas, longas, vídeos e documentários), discos, gravações (depoimentos, entrevistas, debates, palestras e apresentações musicais), fotografias e um setor de artes gráficas. Promove seminários, mostras e sessões regulares de cinema, vídeo e fotografia. Possui biblioteca especializada e o LabMIS, um centro de pesquisa e produção voltado às novas mídias, que abriga artistas residentes e comissionados.
Em 3 de setembro de 1965, era inaugurado no Rio de Janeiro o Museu da Imagem e do Som, instituição cultural pioneira no Brasil, que logo se tornaria um importante centro de referência da vanguarda audiovisual brasileira. O museu fora idealizado pelo jornalista Carlos Lacerda, então governador do estado da Guanabara. A idéia foi encampada por diversos outros governos estaduais, que formaram comissões para instalar os MIS regionais. O musicólogo Ricardo Cravo Albin, diretor do MIS carioca, integrou as comissões organizadoras, responsáveis por criar ao todo 18 museus.
Em São Paulo, os trabalhos visando à criação do Museu da Imagem e do Som foram iniciados em 1967, por uma comissão formada por, além de Ricardo Cravo Albin, Paulo Emílio Salles Gomes, crítico de cinema e então diretor da Cinemateca Brasileira, o jornalista Maurício Loureiro Gama e o cineasta Rudá de Andrade, entre outros. O museu seria inaugurado três anos mais tarde, em 29 de maio de 1970, tendo por objetivo coletar, conservar e registrar a documentação produzida por suportes novos, como a televisão, o rádio, a indústria fonográfica e a videoarte, até então ignorados pelas demais tipologias museológicas e pelas vertentes arquivísticas tradicionais, bem como por preservar imagens e sons ligados às manifestações culturais das comunidades rurais e urbanas do estado e do país.
Nos cinco primeiros anos de atividade, o museu funcionaria em diversos locais inadequados. Sua primeira sede foi um edifício precário na Rua Antônio Godoy, então sede do Conselho Estadual de Cultura. De lá, passou para o Palácio dos Campos Elísios, antiga sede do governo estadual. Mudou-se em seguida para dois sobrados em ruínas na Alameda Nothmann e depois para um edifício na Avenida Paulista. Em 1973, foi novamente transferido para uma residência na Rua Oscar Pereira da Silva.
O MIS esteve entre as primeiras instituições culturais do Brasil a organizar e sediar festivais de vídeo, mostras audiovisuais e de fotografia, como a Mostra do Audiovisual Paulista, o Festival Internacional de Curtas e as primeiras exibições dos vídeos experimentais do norte-americano Bill Viola. Foi também precursor na exibição de filmes fora do circuito comercial, transformando-se em uma referência cultural da cidade e em um ponto de encontro de produtores, estudantes e profissionais da área audiovisual e interessados em geral.

6346 – Teorias Conspiratórias sobre o 11 de Setembro


Já se falou de tudo sobre este tema:
Dizer que os ataques foram orquestrados pelo próprio governo americano para aumentar a popularidade do presidente George W. Bush e garantir o apoio da nação para uma invasão ao Iraque já virou até clichê. Uma pesquisa feita em 2006 pela Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, apontou que um em cada três americanos acha possível que o governo tenha permitido ou sido o autor dos atentados. Realmente, alguns fatos envolvendo o episódio são difíceis de serem explicados. Por que ninguém viu o avião que caiu no Pentágono? Por que os aviões penetraram nas Torres Gêmeas tão facilmente como se as paredes fossem feitas de papel? Algumas teorias trazem explicações um tanto bizarras para isso. Uma delas ainda bota a culpa em ETs e Illuminatti. Dê uma olhada em algumas delas.

O governo americano já sabia dos ataques, mas não os impediu porque queria beneficiar uma firma de investimento
Para a deputada americana Cynthia McKinney, do Partido Democrata, o presidente George W. Bush sabia antecipadamente dos ataques e não fez nada. Isso porque lançar o país em uma nova guerra renderia gigantescos lucros para a empresa de investimento Carlyle Group, que teria investido muito dinheiro na indústria bélica. A firma tem como um de seus conselheiros George Bush pai e é dirigida por vários ex-militares linha dura. O assessor de imprensa fez piada com as acusações: “Ela disse isso em Roswell, Novo México?”, perguntou ele, em referência às várias teorias conspiratórias envolvendo óvnis nessa cidade.

Teoria Aurora Negra: aviões que atingiram o WTC tinham urânio
Criada pelos investigadores J. Petras e N. Chomsky, do jornal online independente La Rebelión, a teoria diz que seria impossível para um Boeing 767-200 com 136 toneladas de carga derrubar uma muralha de ferro como a torre do World Trade Center. Para eles, um avião que se choca a 800 km/h contra o prédio deveria se desfazer em pedacinhos na hora. No entanto, todo mundo viu que os aviões penetraram no prédio como se eles fossem de manteiga. O segredo estaria no urânio empobrecido (resíduo da produção de combustível destinado aos reatores nucleares e bombas atômicas) colocado na dianteira do avião, provavelmente envolvendo os seus motores de reação. A força destrutiva desse material é devastadora e sua natureza inflamável faz com que pegue fogo no momento do impacto, produzindo calor suficiente para fundir e derreter a blindagem mais resistente e atravessá-la, fazendo-a explodir depois pela fricção do aço ou outro material qualquer. Para os autores da teoria, isso explica a inclinação de 45° ao penetrar no edifício: o que permitiria a destruição de cinco ou seis andares e produziria aquele desabamento em forma de sanfona, considerado perfeito demais por muitos especialistas.

O pentágono foi atingido por um míssil norte-americano

O fato de o buraco na fachada do prédio do Pentágono ser pequeno demais para ter sido provocado por um Boeing com 38 metros de envergadura e a falta de destroços e rastros levantaram suspeitas. Além disso, um avião de 100 toneladas voando a 400 quilômetros por hora teria estragado bem mais do que apenas um dos cinco lados do edifício. No livro “11 de setembro de 2001 – Uma terrível farsa”, o jornalista e cientista político francês Thierry Meyssan defende que o Pentágono foi, na realidade, atingido por um míssil norte-americano lançado por um grupo de extrema direita que iria lucrar muito com uma guerra do país contra o Oriente Médio. A Sociedade Americana de Engenheiros Civis deu uma explicação para o buraco na fachada do Pentágono: um avião, quando bate, não deixa um contorno perfeito de si como nos desenhos animados. Além disso, testemunhas viram um avião e corpos de passageiros foram identificados nos escombros. Em relação ao sumiço das partes do avião, a explicação estaria do fato de que, com a explosão, o caça é praticamente reduzido a pó. O mesmo aconteceu com o Boeing que bateu de frente com o prédio do Pentágono no dia 11 de setembro.

Bin Laden era da CIA
Ainda segundo o francês Thierry Meyssan, Bin Laden era um agente da CIA desde os anos 80, época em que os Estados Unidos financiaram a resistência afegã contra a ocupação soviética, e seus vídeos assumindo os atentados eram puro teatro. “Ele não é um guerrilheiro, é alguém que geria o financiamento da Arábia Saudita e da CIA e o distribuía pelos ‘mujadine’. É um gestor e não um soldado”, disse Meyssan em uma entrevista para o jornal Correio da Manhã em 2002.

Notas de dólar previram os ataques
Depois do 11 de setembro, descobriu-se supostas “mensagens subliminares” em notas de dólares prevendo o episódio. Dobrando a nota de certa maneira, aparecem imagens das Torres Gêmeas e do Pentágono em chamas logo após o ataque. E tem mais: elas também revelaram o nome do responsável pelo ataque.

A culpa é dos Illuminati
E existe até quem acredite que a Illuminati tem algo a ver com os ataques. A sociedade secreta Illuminati foi formalmente dissolvida em 1784 pelo governo alemão, mas o escritor americano David Icke acredita que o grupo e não só ainda existe como também sempre foi composto por seres híbridos que seriam meio humanos e meio alienígenas – incluindo Bush pai, Bush-filho, Saddam Hussein e a atual rainha da Inglaterra. Ele também apontou que o jogo de RPG Illuminati – A Nova Ordem Mundial, lançado em 1995, teria previsto os ataques de 11 de setembro. Cartas do jogo traziam um ataque terrorista às Torres Gêmeas e ao Pentágono.

6345 – Eles morreram em nome da Ciência


Marie Curie – morreu por se expor demais à radiação
Em 1898, Marie e seu marido, Pierre, descobriram o elemento químico rádio e a partir daí a cientista decidiu passar o resto da vida pesquisando mais sobre a radiação e estudando a radioterapia.
O problema é que ela se expôs demais à radiação e isto fez com que ela desenvolvesse uma leucemia gravíssima. Marie morreu em 1934, mas entrou para a história: foi a primeira e única pessoa a receber dois prêmios Nobel de Ciência em dois campos diferentes, Química e Física

Carl Scheele – morreu por causa do costume de provar as suas descobertas

Scheele foi um químico farmacêutico brilhante – descobriu elementos como molibdênio, tungstênio, magnésio, cloro e até oxigênio (ainda que Joseph Pristley tenha divulgado a descoberta primeiro), além de ter desenvolvido um processo parecido com a pasteurização. O problema de Scheele é que todo gênio tem um péssimo hábito e o dele era o de provar suas descobertas. Sim, colocar na boca e experimentar.
O cara chegou a experimentar até cianeto de hidrogênio, substância que, se misturada com água, vira ácido cianídrico. E saliva tem o quê? Pois é. Enfim, ele sobreviveu a essa loucura, mas a sorte não dura para sempre: ele morreu com sintomas de forte intoxicação por mercúrio.

Elizabeth Ascheim – morta por raio-X

Elizabeth Fleischman Ascheim casou com um médico, o Dr. Woolf, e ambos eram fascinados pela recente descoberta de Wilhelm Conrad Röntgen: a máquina de raio-X. Ela decidiu comprar uma (a primeira de São Francisco), largou o emprego de bibliotecária e começou a estudar esta ciência com afinco.
O problema é que eles sempre testavam a máquina neles mesmos e na época ninguém tinha muita noção das consequências da falta de proteção contra os raios. Resultado: ela morreu em 1905 de câncer, que se desenvolveu rapidamente e com muita força.

Alexander Bogdanov – acabou se matando com transfusão de sangue

O russo Bogdanov era físico, filósofo, economista, escritor de ficção científica e revolucionário político, mas em 1924 ele resolveu fixar seus estudos em apenas um experimento: a transfusão de sangue feita em busca da eterna juventude (ele curtia ficção científica, né pessoal).
Após 11 transfusões ele declarou que sua calvície havia diminuído e que sua visão havia melhorado. O problema foi que a ciência da transfusão ainda era recente e ninguém pensava em testar o sangue antes de enfiá-lo veia adentro. Em 1928, Bogdanov fez uma transfusão com sangue infectado com malária e tuberculose e não resistiu, morrendo logo depois, com apenas 55 anos.

Louis Slotin – morreu por fissão nuclear acidental

O canadense Louis Slotin trabalhou no famoso Projeto Manhattan, aquele que criou as primeiras armas nucleares dos Estados Unidos. Acontece que durante os experimentos ele acidentalmente deixou cair uma esfera de berílio envolta em plutônio em uma outra igual, causando uma reação imediata. Cientistas que estavam por perto viram um brilho azul diferente e sentiram uma onda de calor. Slotin saiu correndo da sala passando mal e foi levado ao hospital às pressas. O episódio inspirou a criação do personagem Dr. Manhattan, da HQ Watchmen. A diferença é que, na história, o cientista adquiriu habilidades especiais e ficou permanentemente azul. Na vida real, o pesquisador morreu.
O cientista foi exposto a uma quantidade de radiação absurda – calcula-se que era como se ele estivesse a menos de 1,5km de distância da explosão da bomba atômica. Foi a partir daí que o laboratório de Los Alamos passou a ter medidas de seguranças bem sérias e a manipulação de tais substâncias passou a ser feita apenas por máquinas, garantindo uma distância respeitável dos cientistas.

6344 – Fitness – Por que é tão difícil perder a gordura abdominal?


Porque a parte da barriga é onde fica mais concentração de gordura e não adianta fazer abdominal se não cortar a gordura trans saturadas como pão, por ex. porque a gordura trans é que faz as pessoas terem culote, barriga…
Uma dica de Alimentos que favorecem uma barriga retinha:
As fibras insolúveis associadas a uma ingestão adequada de líquidos permitem que o intestino funcione de forma regular evitando que a barriga fique dilatada e dolorida (são eles: farelo de trigo não processado ou farelo de arroz, cereais integrais, pão Integral; legumes/ervilha, vagem e nozes; raízes incluindo batata e cenoura; verduras como o espinafre; maçã, laranja e outras frutas. No entanto, as fibras são decompostas pelas bactérias do intestino e o organismo leva um tempo para se acostumar com isso. Assim, introduza-as devagar nas refeições).
Os alimentos diuréticos também contribuem para diminuir a retenção hídrica diminuindo o inchaço (chás, suco de limão, melancia, morango, abóbora, agrião, beterraba, cenoura, escarola, folhas de beterraba, repolho, salsinha, tomate, broto de feijão, pepino).
Se nada disso adiantar, só resta a lipoaspiração.

6343 – Estranhos Esportes Olímpicos


O Comitê Olímpico Internacional está constantemente avaliando os esportes que fazem parte do quadro das Olimpíadas. Em Londres, vão acontecer 26 programas esportivos e em 2014, nas Olimpíadas de Inverno em Sóchi, na Rússia, 15 modalidades participarão.
A partir de 2016, o golfe volta a fazer parte dos Jogos Olímpicos de Verão. A última vez do esporte no evento foi em 1904, mais de 100 anos atrás. O rúgbi também entra na jogada no Rio de Janeiro. Perto de algumas atividades que já fizeram (ou ainda fazem) parte da programação olímpica, é de se admirar que esportes tão normais como estes tenham ficado de fora por tanto tempo.

Pelota Basca
Disputado em duplas, os jogadores seguram uma espécie de arco-escorregador-luva-de-baseball e jogam uma bola (a pelota) contra uma parede. É tipo “paredão” (já jogaram?), mas levado a sério. Disputada como modalidade válida nas Olimpíadas de Verão de 1900, em Paris, apenas duas duplas participaram (4 pessoas) e houve apenas um jogo. Espanha ganhou e levou medalha de ouro e França perdeu e… levou a medalha de prata.

Nado subaquático
Disputado apenas uma vez nas Olimpíadas de 1900 por 14 nadadores de 4 países, cada metro nadado embaixo d’água conferia 2 pontos e cada segundo, um ponto. Como não dava pra ver os nadadores e a filmagem debaixo d’água não estava muito avançada, não foi um esporte muito divertido de se acompanhar. Talvez por isso tenha sido cortado das edições seguintes.

Escalada (de corda)
Imagine um monte de marmanjos subindo uma corda de 14 metros de altura usando apenas os braços e as mãos e você terá uma ideia do que foi a competição de escalada nas Olimpíadas de 1896. A modalidade, que estava entre as atividades da ginástica, foi disputada também em 1904, 1906, 1924 e 1932.

Cabo-de-guerra
Essa brincadeira tradicional do recreio, aulas de educação física e também do exército já foi esporte olímpico, de 1900 a 1920. Essa época era mesmo uma festa.

Marcha Atlética
Parece um monte de gente correndo apertada pra ir ao banheiro. Na marcha atlética, os competidores devem caminhar até a linha de chegada. Mas tem que ser rápido, porque o primeiro que chegar ganha. Não é corrida porque o “caminhante” deve estar tocando o solo com pelo menos um pé durante todo o percurso. Instituída em 1908, nunca deixou de ser disputada nas Olimpíadas, mas as modalidades de longa distância (10 quilômetros, por exemplo), já não existem mais na programação.

Biatlo
Quem acha que esqui cross-country e tiro combinam deve adorar este esporte. Os competidores têm que correr por um campo de esqui (com subidas, descidas e terrenos planos) e parar em algumas estações de tiro para acertar os alvos. Deve remontar àqueles tempos em que as pessoas caçavam na neve, mas não deixa de ser bizarro. O biatlo está na lista dos Jogos Olímpicos de Inverno desde 1960.

Nado Sincronizado Solo
É feito para ser, bem, sincronizado entre pelo menos duas pessoas. Mas de 1984 até 1992, a modalidade solo (ou seja: só uma dançarina por vez) era disputada nas Olimpíadas de Verão.

Curling
Este esporte olímpico de inverno consiste em varrer (sim, VARRER) um disco de granito por uma pista de gelo. Disputado oficialmente nas Olimpíadas de Inverno desde 1998, ele continua até hoje. É um dos esportes mais engraçados de se assistir, principalmente para nós, brasileiros, que não temos tradição em jogos no gelo.