11.315 – Mega Personalidades – Anna Nicole Smith


annanicolesmith
Nome artístico de Vickie Lynn Hogan, (Houston, 28 de novembro de 1967 — Hollywood, 8 de fevereiro de 20071 ) foi uma atriz e modelo erótica norte americana, que ganhou popularidade em ensaio da revista Playboy em 1993.
Primeiro ganhou popularidade na Playboy, tornando-se a Playmate do Ano 1993. Posou para as empresas de vestuário, incluindo jeans Guess e Lane Bryant. Ela também estrelou seu próprio reality show, The Anna Nicole Show.
Nascida e criada no Texas, Smith abandonou a escola e era casada com 19 anos de idade.Casou primeiro com um cozinheiro, logo depois teve seu 2° casamento, amplamente divulgado, com o executivo de negócios de petróleo e magnata dos negócios J. Howard Marshall II, com 89 anos, que morreu menos de um ano depois do casamento. Resultou em especulações de que ela se casou com o octogenário pelo seu dinheiro, o que ela sempre negou. Depois de sua morte, ela começou uma longa batalha legal sobre uma parcela de sua propriedade; seu caso, Marshall v. Marshall, atingiu o Supremo Tribunal norte americano sobre uma questão de competência federal.
Ela morreu aos 39 anos, aparentemente em consequência de uma overdose de medicamentos prescritos(Sedativos). Nos meses que antecederam sua morte, ela foi o foco da cobertura da imprensa renovada em torno da morte de seu filho, Daniel Smith, e da paternidade e a batalha pela custódia de sua filha Dannielynn.

Um importante ponto de virada na carreira de Smith foi em 1992. Foi então que sua carreira decolou depois que foi escolhida por Hugh Hefner a aparecer na capa da edição de março de 1992 da revista Playboy, onde ela aparecia como Vickie Smith, usando um decote vestido de noite. Anna Nicole Smith disse que pretendia ser “A próxima Marilyn Monroe”. Tornando-se uma das modelos da Playboy mais populares, Smith ficou mais conhecida e maior que as modelos típicas da revista. Foi escolhida para ser a Playmate do Ano em 1993. Na época, resolveu mudar seu nome para Anna Nicole Smith. Obteve um contrato para substituir a supermodelo Claudia Schiffer na campanha publicitária da Guess? Jeans, em uma série de fotografias sensuais em preto e branco. A Guess? capitalizados em forte semelhança convidou Smith para ser sex symbol e colocá-la em sessões de fotos. Em 1993, antes do Natal, ela desfilou para a marca de roupas sueca Hennes & Mauritz (H & M). Ela apareceu em cartazes grandes na Suécia e na Noruega. Uma fotografia de Smith foi utilizado na capa de uma revista de New York em 22 de agosto de 1994 com o tema White Trash Nation. Na foto, ela aparece agachada com uma saia curta e botas de cowboy, comendo batatas fritas. Em Outubro de 1994, o advogado de Smith deu início a um processo legal $ 5000000 contra a revista alegando utilização não autorizada de sua foto e que o artigo tinha danificado sua reputação. O advogado dela disse que Smith foi dito que ela estava sendo fotografada para encarnar a olhar “all-american-woman”, e que eles queriam fotos com glamour. Ele afirmou ainda que a imagem usada foi tomada para se divertir durante uma pausa.

Morte do Filho
Daniel Smith, morreu de repente enquanto visitava a mãe e a irmã recém-nascida no hospital, durante a semana, em 10 de setembro de 2006. Ele tinha voado para as Bahamas no sábado para visitar sua mãe e estava em seu quarto de hospital, no domingo, quando entrou em colapso. Alguns dias antes, em 7 de setembro de 2006, ela deu à luz uma menina chamada Dannielynn Hope. O nome dela foi dado em memória do irmão, Daniel Smith.

Momentos Finais
Em 8 de fevereiro de 2007, Anna Nicole Smith foi encontrada inconsciente na sala 607 no Seminole Hard Rock Hotel and Casino em Hollywood, Califórnia. Segundo o chefe de polícia de Seminole Charlie Tiger, as 1:38 pm, Maurice Brighthaupt, que era um paramédico treinado, ligou para a recepção do hotel de sua sala no sexto andar.
Após uma investigação de sete semanas anunciou-se que Smith morreu de “intoxicação por drogas combinadas” com a medicação que usava para dormir. Nenhuma droga ilegal foi encontrada em seu organismo. O relatório oficial afirma que sua morte não foi considerada por homicídio, suicídio, ou de causas naturais. O relatório completo de investigação tenha sido tornada pública e pode ser encontrado em linha. Além disso, uma cópia oficial do relatório da autópsia foi lançado publicamente em 26 de março de 2007 e pode ser encontrado.
Em última análise, sua morte foi determinada como overdose acidental de drogas dos sedativos hidrato de cloral que se tornou cada vez mais letal quando combinada com outros medicamentos prescritos em seu sistema, especificamente 4 benzodiazepinas: Klonopin (Clonazepam), Ativan (Lorazepam), Serax (Oxazepam), e Valium (Diazepam). Benadryl Além disso, ela tinha tomado (Difenidramina) E Topamax (Toprimate), um anticonvulsivo GABA agonista, o que provavelmente contribuiu para o efeito sedativo do hidrato de cloral e os benzodiazepínicos. Ela morreu sem nunca ter conseguido receber qualquer parte da herança de 14 Bilhões de seu ex-marido.

070212-anna

11.256 – Desculpa de Bêbado – Existe amnésia alcoólica?


Vodca não é água, não!!!
Vodca não é água, não!!!

“Amnésia alcoólica existe, sim. E é inclusive bem comum após a ingestão excessiva de álcool”, afirma o psiquiatra Arthur Guerra, supervisor do Grupo de Estudos sobre Álcool e Drogas da USP.
Se você beber pouco, vai ficar animado, falante e lembrar de tudo. Mas, com o acúmulo de doses, o álcool passa de estimulante a sedativo. “É como passar por uma endoscopia: você não recorda o que houve um pouco antes, durante e logo após o exame”, diz Carlos Salgado, presidente da Associação Brasileira de Estudos do Álcool e Outras Drogas.
O que não significa que memória de bêbado não tem dono. “É como se elas tivessem uma senha e, para destravá-las, fosse preciso reproduzir as condições em que foram adquiridas”, diz o neurocientista da USP Gilberto Xavier. Ou seja, para relembrar o que aconteceu durante uma bebedeira, o jeito é beber de novo.

11.255 – Energético que virou caso de polícia nos EUA


energetico

“O gosto era péssimo, mais doce que xarope pra tosse. Mas o efeito era ótimo. Era a melhor bebida para curtir as festas da faculdade sem ficar dormindo por aí”, conta a estudante Christine Chiang, 23, da Universidade de Nova York. Ela está se referindo ao Four Loko – um superenergético que combina 156 miligramas de cafeína (o dobro de uma lata de Red Bull) e 12% de álcool, quase o triplo da graduação alcoólica da cerveja. Além de forte, era barato: custando menos de US$ 1 a lata, logo virou a principal escolha de quem queria ficar “bem louco” gastando pouco. Mas isso logo deu margem a excessos. “A pessoa continuava alerta, mesmo depois de ingerir o que seria equivalente a várias doses de bebida destilada. E por isso acabava bebendo mais, até desmaiar”, conta Christine. Criado e fabricado por uma empresa até então desconhecida, a Four Energy Drinks, o Four Loko ganhou o apelido de “apagão em lata” e começou a criar polêmica nos EUA. Em Washington, 7 jovens foram hospitalizados com sintomas de coma alcoólico depois de consumir o produto em uma festa, e a polêmica chegou ao auge no final do ano passado, quando um rapaz de 19 anos sofreu um ataque cardíaco na Filadélfia, supostamente provocado pelo consumo da bebida. Tudo isso fez com que o governo dos EUA proibisse a comercialização do Four Loko. As latinhas que já estavam no mercado foram recolhidas e enviadas para uma refinaria na Virgínia – onde a bebida está sendo destilada e transformada em álcool para carros.

11.212 – Bioquímica – Usos potencialmente medicinais para o veneno de cobras e aranhas


cascavel
Combate ao câncer
O veneno das cascavéis — Crotalus durissus — contém uma substância chamada crotoxina, e alguns estudos apontaram que ela poderia ser utilizada no combate ao câncer. Segundo descobriram os cientistas, além de atuar diretamente sobre as células cancerígenas, induzindo a regressão de tumores, essa toxina ainda é capaz de estimular o sistema imunológico e tem ação contra inflamações agudas e crônicas.
Pressão alta
Além das cascavéis, estudos apontaram que o veneno das jararacas (Bothrops) possui uma substância que atua sobre o sistema nervoso central induzindo a redução da frequência cardíaca e pressão arterial. Assim, alguns cientistas vêm trabalhando no desenvolvimento de um novo medicamento à base da toxina para o tratamento da hipertensão.
Outro veneno que poderia ser utilizado no combate à pressão alta é o das cobras da família Crotalidae. Segundo alguns estudos, ele inibe a ação da ECA — de enzima conversora da angiotensina —, responsável por aumentar a pressão sanguínea de mamíferos. Desta forma, os pesquisadores sugerem que a toxina seja usada não só no tratamento da hipertensão, mas também na prevenção de doenças renais, diabetes e derrames.
Doenças degenerativas
A distrofia muscular se refere a um grupo de doenças sem cura que provocam o enfraquecimento gradual e a perda de massa muscular. Eventualmente, as pessoas afetadas acabam perdendo os movimentos e, em alguns casos, os doentes também sofrem com dores e dificuldade para se alimentar e respirar.
Pois estudos revelaram que uma substância — chamada AT-300 — presente no veneno das tarântulas, mais precisamente, as da espécie Grammostola rosea, nativa do Chile, tem o potencial de frear o progresso da distrofia muscular. De momento, pesquisadores estão trabalhando no desenvolvimento de um medicamento produzido à base dessa substância, e esperam que os testes clínicos em humanos possam ser iniciados ainda este ano.

aranha

Tratamento da dor

A dor é uma sensação desencadeada pelo sistema nervoso, e é iniciada quando as células nervosas recebem os estímulos dolorosos através de caminhos presentes em suas membranas conhecidos como canais de sódio. Quando bloqueamos muitos desses canais, a atividade celular é dramaticamente afetada, e algumas funções básicas do organismo podem ser paralisadas.
Por outro lado, se bloquearmos apenas alguns canais de sódio, o resultado disso é uma redução na transmissão dos estímulos de dor. Estudos apontaram que substâncias presentes no veneno de aranhas — especialmente de tarântulas — são capazes de agir em canais específicos, e poderiam ser usadas no desenvolvimento de novos medicamentos com menos efeitos colaterais do que os que existem atualmente para o tratamento da dor crônica.

11.068 – Saúde – Agrotóxico eleva risco de autismo


Agrotóxico é perigoso para as grávidas. Num estudo com 970 mulheres, aquelas que moravam perto (a até 1,6 km) de fazendas que usam pesticidas apresentaram 60% mais risco de ter filhos autistas.
Autismo é um transtorno global do desenvolvimento marcado por três características fundamentais:

* Inabilidade para interagir socialmente;
* Dificuldade no domínio da linguagem para comunicar-se ou lidar com jogos simbólicos;
* Padrão de comportamento restritivo e repetitivo.
O grau de comprometimento é de intensidade variável: vai desde quadros mais leves, como a síndrome de Asperger (na qual não há comprometimento da fala e da inteligência), até formas graves em que o paciente se mostra incapaz de manter qualquer tipo de contato interpessoal e é portador de comportamento agressivo e retardo mental.
Os estudos iniciais consideravam o transtorno resultado de dinâmica familiar problemática e de condições de ordem psicológica alteradas, hipótese que se mostrou improcedente. A tendência atual é admitir a existência de múltiplas causas para o autismo, entre eles, fatores genéticos e biológicos.
O autismo acomete pessoas de todas as classes sociais e etnias, mais os meninos do que as meninas. Os sintomas podem aparecer nos primeiros meses de vida, mas dificilmente são identificados precocemente. O mais comum é os sinais ficarem evidentes antes de a criança completar três anos. De acordo com o quadro clínico, eles podem ser divididos em 3 grupos:

1) ausência completa de qualquer contato interpessoal, incapacidade de aprender a falar, incidência de movimentos estereotipados e repetitivos, deficiência mental;

2) o portador é voltado para si mesmo, não estabelece contato visual com as pessoas nem com o ambiente; consegue falar, mas não usa a fala como ferramenta de comunicação (chega a repetir frases inteiras fora do contexto) e tem comprometimento da compreensão;

3) domínio da linguagem, inteligência normal ou até superior, menor dificuldade de interação social que permite aos portadores levar vida próxima do normal.
Na adolescência e vida adulta, as manifestações do autismo dependem de como as pessoas conseguiram aprender as regras sociais e desenvolver comportamentos que favoreceram sua adaptação e auto-suficiência.
o diagnóstico é essencialmente clínico. Leva em conta o comprometimento e o histórico do paciente e norteia-se pelos critérios estabelecidos por DSM–IV (Manual de Diagnóstico e Estatística da Sociedade Norte-Americana de Psiquiatria) e pelo CID-10 (Classificação Internacional de Doenças da OMS).
Tratamento

Até o momento, autismo é um distúrbio crônico, mas que conta com esquemas de tratamento que devem ser introduzidos tão logo seja feito o diagnóstico e aplicados por equipe multidisciplinar.

Não existe tratamento padrão que possa ser utilizado. Cada paciente exige acompanhamento individual, de acordo com suas necessidades e deficiências. Alguns podem beneficiar-se com o uso de medicamentos, especialmente quando existem co-morbidades associadas.

Recomendações

* Ter em casa uma pessoa com formas graves de autismo pode representar um fator de desequilíbrio para toda a família. Por isso, todos os envolvidos precisam de atendimento e orientação especializados;

* É fundamental descobrir um meio ou técnica, não importam quais, que possibilitem estabelecer algum tipo de comunicação com o autista;

* Autistas têm dificuldade de lidar com mudanças, por menores que sejam; por isso é importante manter o seu mundo organizado e dentro da rotina;

* Apesar de a tendência atual ser a inclusão de alunos com deficiência em escolas regulares, as limitações que o distúrbio provoca devem ser respeitadas. Há casos em que o melhor é procurar uma instituição que ofereça atendimento mais individualizado;

* Autistas de bom rendimento podem apresentar desempenho em determinadas áreas do conhecimento com características de genialidade.

11.048 – ☻Megacurtíssima – Brócolis realmente eliminam toxinas


Essa é a conclusão de um estudo* feito na China. Os voluntários que tomaram suco de brócolis conseguiram expelir 61% mais benzeno e 23% mais acroleína (substâncias cancerígenas contidas no cigarro) na urina.
*Fonte: Rapid and Sustainable Detoxication of Airborne Pollutants by Broccoli Sprout Beverage: Results of a Randomized Control Trial in China. Patricia Egner e outros, Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health.

+11.000 – Drogas – Crack, ideias falsas?


Objetos utilizados no consumo
Objetos utilizados no consumo

Mito número 1 – Há uma epidemia de crack, que transforma uma multidão de pessoas em zumbis sem vontade própria.
A verdade – Não é uma epidemia, já que ela não se alastra. E usuários não são zumbis – se têm oportunidades, são capazes de largar a droga.

Mito número 2 – O crack transforma as pessoas em criminosas, incapazes de refletir sobre a consequência de seus atos.
A verdade – O vício aumenta sim a taxa de roubos, mas metade dos dependentes tem emprego fixo e não comete crimes.

Mito número 3 – Crackeiros tornam-se incapazes de encontrar prazer fora do crack. Escravos da droga, não têm motivação para mais nada.
A verdade – Pesquisas mostram que dependentes de crack são capazes de responder a outros estímulos, se houver uma alternativa atraente.

10.884 – Dependência Química – Corumbá recebe R$ 200 mil para o combate ao crack


Objetos utilizados no consumo
Objetos utilizados no consumo

Corumbá está entre as 27 cidades brasileiras escolhidas pelo Ministério da Saúde para receber recursos utilizados para combater o crack.
A verba deve ser aplicada na promoção de ações de qualificação da Rede de Atenção Integral em Álcool e outras Drogas, dentro do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack.
Os recursos totais são de R$ 7,2 milhões e estão sendo destinados ainda para outros quatro estados e o Distrito Federal, totalizando 32 regiões beneficiadas.
Corumbá receberá R$ 200 mil em parcela única. O dinheiro liberado deverá ser aplicado no trabalho cotidiano do CAPS (Centros de Atenção Psicossocial).
Pesquisa sobre a situação do crack nos municípios brasileiros, realizada pela CNM (Confederação Nacional dos Municípios) e divulgada em dezembro passado, mostra Corumbá entre as cinco cidades de Mato Grosso do Sul que desenvolvem programas de enfrentamento ao crack e outras drogas.
No Estado foram pesquisadas 58 cidades. No país, o estudo atingiu 3.950 municípios. Estimativa feita com base em dados do censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas) aponta que o número de usuários hoje no Brasil está em torno de 1,2 milhão e a idade média para início do uso da droga é 13 anos.
Corumbá integra o Plano Nacional de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas. Pela localização geográfica, numa área de fronteira, o município está bastante suscetível ao problema.

10.833 – Toxicologia – O que são as neurotoxinas?


neuro diagrama

É o termo usado, em Bacteriologia, para designar as toxinas que, em razão de seu grande potencial agressivo nos seres complexos, mesmo quando em pequenas concentrações, são capazes de lesar o sistema nervoso, podendo ainda agir sobre outras partes do organismo.
Um exemplo de neurotoxina é a ação provocada pela bactéria Clostridium tetani, causadora do tétano. A neurotoxina é uma ação paralisadora que atinge os neurônios danificando-os.
Neurotoxina na carambola
Pesquisa da USP de Ribeirão Preto conseguiu isolar e caracterizar uma neurotoxina presente na carambola, que atua no sistema nervoso quando não filtrada pelo rim.

10.787 – Minerais Perigosos – Crocidolite (Na2 (Fe2 +, Mg) 3Fe3 + 2Si8O22 (OH 2))


crocodilite

Mais conhecido como amianto azul.
Devido a sua força, forte resistência ao fogo e natureza flexível, crocidolite já foi amplamente utilizado para uma variedade de aplicações comerciais e industriais, desde a construção de telhas e materiais de cobertura de pavimentação até materiais de isolamento térmico.
Mas, em 1964, o Dr. Christopher Wagner fez uma relação entre o amianto e o desenvolvimento de mesotelioma, um tipo de câncer que ataca o mesotélio – um revestimento que protege a maioria dos nossos órgãos internos. Depois dessa descoberta, foi uma questão de muito pouco tempo até ele ser proibido no mundo inteiro – ainda que, infelizmente, esteja presente em algumas estruturas mais antigas.

10.781 – Minerais Perigosos – Hidroxiapatita (Ca5(PO4)3(OH))


Hidroxiapatita (Ca5(PO4)3(OH))

O fósforo que faz parte do seu fertilizante de jardim e o flúor que está na água da sua torneira muito provavelmente vieram de uma pedra como esta, chamado hidroxiapatita. Este mineral fosfatado vêm em três variedades, cada uma, respectivamente, contendo níveis elevados de íons OH-, F-, Cl-.
A hidroxiapatita é um componente importante do esmalte do seu dente e a versão fluorapatita constitui o que é despejado no reservatório de água de cidades para prevenir as cáries na população. Só que ao mesmo tempo que ter ossos fortes e dentes saudáveis é uma coisa boa, a exposição a hidroxiapatita (seja pela mineração ou por seu processamento) irá depositar esses mesmos minerais em suas válvulas cardíacas, o que pode petrificá-las.

10.766 – Minerais Perigosos – Erionite (Ca3K2Na2 [Al10Si26O72] .30H2O (Z = 1))


erionite

É um membro da família zeólito, uma classe de minerais silicatos fibrosos com uma capacidade extremamente útil de filtrar seletivamente (por absorção) moléculas específicas a partir tanto de líquidos e da atmosfera. Frequentemente encontrada em cinza vulcânica, a erionite é muito utilizada como um catalisador para a dopagem de metais nobres utilizados para craqueamento de hidrocarbonetos e como fertilizante.
Ela, no entando, causa mesotelioma. Essa era principalmente uma doença específica de quem trabalhava com esse mineral, até perceberem que ele causava câncer também, o que colocou um fim na extração de erionite no final de 1980.

10.760 – Minerais Perigosos – Fenaquita (BeSiO4)


fenaquita

A fenaquita tem um grande valor tanto como pedra preciosa quanto por seu teor de berílio. O berílio já foi matéria-prima para muitos materiais cerâmicos, até que as pessoas descobriram que a inalação de seu pó pode causar uma doença crônica como a silicose, só que muito mais grave.
O que torna a situação ainda mais problemática é que uma pessoa não pode se recuperar dessa doença simplesmente minimizando sua exposição ao berílio. É uma condição para a vida toda. Basicamente, o que acontece é que os pulmões se tornam hipersensíveis a substância, o que provoca uma reação alérgica que cria pequenos nódulos chamados granulomas. Estes granulomas tornam a respiração extremamente difícil e podem inclusive provocar doenças como a tuberculose.

10.757 – Minerais Perigosos – Galena (PbS)


galena

É a nossa fonte de chumbo. Os romanos usavam chumbo em tudo, desde tubos e tintas a utensílios domésticos. E nós ainda podemos contar com ele hoje: o chumbo é frequentemente encontrado em pilhas e projéteis, blindagem de alta energia (como cobertores de raios-X e caixas de reatores nucleares), e anteriormente eram usados como um aditivo para tintas e gasolina e como uma solução de armazenamento de produtos químicos corrosivos. Mas, gente, é chumbo.
Não é tão ruim quanto o mercúrio, que irá matá-lo imediatamente, mas o chumbo também não é liberado para fora do seu organismo. Ele se acumula ao longo dos anos, e acaba atingindo níveis tóxicos. Quando isso acontece, você paga um preço bem alto, já que a toxicidade do chumbo é cancerígena e pode acabar causando defeitos congênitos graves até a seus filhos.

10.753 – Minerais Perigosos – Quartzo (SiO2)


Quartzo
Quartzo

É usado em indústrias como a ótica e a eletrônica, e até para fazer abrasivos – o que o torna o mineral mais usado pela humanidade. Esse monte de aplicações é facilitado pelo fato de ele ser o segundo mineral mais comum na crosta da Terra. Na verdade, o seu valor como incendiário (o adjetivo é válido porque o quartzo produz uma centelha de vida longa quando se choca contra ferro) é provavelmente o impulso para a atividade de mineração mais antiga da humanidade. Hoje, cristais de quartzo piezoelétricos são um componente onipresente em rádios e relógios eletrônicos. Mas nem tudo são flores.
Se ele for moído e inalado, pode render um caso desagradável de silicose. Esta doença respiratória é caracterizada por pulmões e gânglios linfáticos inchados, o que torna a respiração um processo muito difícil. Normalmente, isso só ocorre após cerca de 20 anos ou mais de exposição. No entanto, um subconjunto de pessoas atingidas pode sofrer com esses sintomas em menos de 5 a 15 anos. Um grande punhado de pó de quartzo pode até causar silicose aguda, que é quando seus pulmões se enchem tanto de líquido que fazem você se afogar.
Ele também pode muito bem lhe dar um câncer de pulmão de presente. Uma vez que esta doença está intimamente associada com determinadas indústrias, como a da mineração, de abrasivos e de fabricação de vidro, muitos países implementaram diretrizes rígidas que ditam que os trabalhadores utilizem fumigação (um tipo de controle de pragas) para limitar sua ingestão e o contato com substâncias tóxicas.

10.752 – Minerais Perigosos – Fluorita (CaF2)


Fluorita não é esmeralda
Fluorita não é esmeralda

Esse mineral verde e lindo é chamado de fluorita. Ele é composto de fluoreto de cálcio, que é comumente encontrado em veias de outros minérios como ferro, carvão e cobre. A fluorita pode ser usada em um fluxo de fundição, mas é mais frequentemente vista em joias e em lentes de telescópios. Quando misturada com o ácido sulfúrico, produz fluoreto de hidrogênio, um importante precursor químico industrial.
No entanto, a fluorita pode ser muito perigosa tanto para aqueles que lidam direta e regularmente com ela quanto para aqueles que simplesmente vivem perto de sua mina. Ela contém flúor, um mineral solúvel que prontamente lixivia em fontes subterrâneas e pode ser absorvido pelos pulmões se for moído em pó ou queimado em um fogão a carvão.
E a presença do flúor no organismo provoca a fluorose, uma doença dolorosa que enfraquece os ossos e causa danos às articulações. Muitas comunidades rurais em toda a Índia, China e no sudeste da Ásia têm sido assoladas por surtos da doença devido a pessoas que bebem água contaminada, ou pela inalação do mineral em forma de partícula fina. Estima-se que cerca de 10 milhões de pessoas podem ter sido atingidas por essa doença só na província de Guizhou, na China.

10.747 – Minerais Perigosos – Pirita (FeS2)


pirita

Tanto o enxofre quanto o ácido sulfúrico são usados extensivamente na indústria. O enxofre pode ser encontrado em tudo, desde fósforos e pneus a fungicidas e fumigantes, enquanto o ácido sulfúrico é um componente vital de muitos processos industriais de pigmentos a explosivos. Mas onde a pirita entre nessa história? Bom, a pirita, um mineral composto formado a partir de ferro e enxofre, era a única fonte para obtê-los.
Isso levou a grandes esforços de mineração de pirita, que por sua vez levaram a danos ambientais devastadores. Os dejetos da mina, por exemplo, acabaram acidificando águas subterrâneas e córregos próximos. Além disso, a pirita tem um péssimo hábito de combustão espontânea quando é misturada em camadas de carvão e exposta ao ar, liberando metais altamente tóxicos (como o arsênico) para a atmosfera conforme oxida. É por isso que muitas minas de carvão recebem pulverização de calcário em pó em áreas recém-escavadas. Isso costuma retardar a reação de oxidação exotérmica do minério e é suficiente para impedi-lo de explodir.
A pirita não é mais comercialmente minerada, pois a indústria percebeu que o enxofre pode ser facilmente coletado como um subproduto do gás natural e do processamento de petróleo. Hoje, esse mineral raramente é escavado, a não ser que seja para a fabricação de peças de amostra.

10.739 – Bioquímica – Minerais Perigosos, Mantenha a Distância


cinábio

Os minerais preciosos fazem o mundo moderno girar em torno deles. Isso porque são matéria-prima para a construção de inúmeras coisas que vão desde placas de circuitos a utensílios em geral.
O único detalhe é que eles também são alguns dos materiais mais tóxicos conhecidos pela ciência. Ao serem escavados e estudados, eles provaram ser realmente muito perigosos ao longo dos anos, tanto que alguns foram retirados da produção industrial por completo.
Cinábrio (HgS)
O sulfeto de mercúrio, mais comumente conhecido como cinábrio, tem sido a nossa principal fonte de mercúrio elementar desde os primórdios da civilização humana. O mercúrio, por sua vez, tem sido tradicionalmente usado como pigmento para cerâmica e tatuagens, embora na idade moderna também seja empregado em uma grande variedade de equipamentos científicos, como termômetros e barômetros, bem como na indústria pesada, como na recuperação de metal e produção de cloro, sem contar os interruptores de mercúrio que ajudam o trabalho eletrônico moderno. Tudo lindo até aqui.
No entanto, quando oxidado, este elemento produz metil-mercúrio e dimetil mercúrio, dois compostos tóxicos que causam danos irreparáveis no sistema nervoso das crianças. É absolutamente mortal em pequenas concentrações e pode ser absorvido através da vias respiratórias, intestinos ou pele. Devido a isso, quase todos os setores que mencionamos acima ou já eliminaram sua utilização ou estão em vias de fazer isso.

10.615 – Farmacologia – Xaropes proibidos na década de 1990


xaropes

Tais remédios, usados como drogas era à base de cloridrato de zipeprol, uma substância viciante, eficaz contra a tosse, mas que milhares de jovens na época usavam abusivamente como entorpercente. Eis os nomes:
Eritós, Tussiflex, Silentós e Nantux. Tais drogas foram substituídas por medicamentos similares e inócuos.

Um pouco mais
Muitas substâncias com grande atividade farmacológica podem ser extraídas de uma planta chamada Papaver somniferum, conhecida popularmente com o nome de papoula do oriente. Ao se fazer cortes na cápsula da papoula, quando ainda verde, obtêm-se um suco leitoso, o ópio (a palavra ópio em grego quer dizer suco).
Quando seco este suco passa a se chamar pó de ópio. Nele existem várias substâncias com grande atividade. A mais conhecida é a morfina, palavra que vem do deus da mitologia grega Morfeu, o deus dos sonhos.
Pelo próprio segundo nome da planta somniferum, de sono, e do nome morfina, de sonho, já dá para fazer uma ideia da ação do ópio e da morfina no homem: são depressores do sistema nervoso central, isto é, fazem nosso cérebro funcionar mais devagar. Mas o ópio ainda contém mais substâncias sendo que a codeína é também bastante conhecida. Ainda, é possível obter-se outra substância, a heroína, ao se fazer pequena modificação química na fórmula da morfina. A heroína é então uma substância semi-sintética (ou seminatural).

Estas substâncias todas são chamadas de drogas opiáceas ou simplesmente opiáceos, ou seja, oriundas do ópio; podem ser opiáceos naturais quando não sofrem nenhuma modificação (morfina, codeína) ou opiáceos semi-sintéticos quando são resultantes de modificações parciais das substâncias naturais (como é o caso da heroína). Mas o ser humano foi capaz de imitar a natureza fabricando em laboratórios várias substâncias com ação semelhante à dos opiáceos: a meperidina, o propoxifeno, a metadona são alguns exemplos. Estas substâncias totalmente sintéticas são chamadas de opióides (isto é, semelhantes aos opiáceos).

Estas substâncias todas são colocadas em comprimidos ou ampolas, tornando-se então medicamentos. Todas as drogas tipo opiáceo ou opioide tem basicamente os mesmos efeitos no SNC: diminuem a sua atividade. As diferenças ocorrem mais num sentido quantitativo, isto é, são mais ou menos eficientes em produzir os mesmos efeitos; tudo fica então sendo principalmente uma questão de dose. Assim temos que todas essas drogas produzem uma analgesia e uma hipnose (aumentam o sono): daí receberam também o nome de narcóticos que significa exatamente as drogas capazes de produzir estes dois efeitos: sono e diminuição da dor. Recebem também por isto o nome de drogas hipnoanalgésicas. Agora, para algumas drogas a dose necessária para este efeito é pequena, ou seja, elas são bastante potentes como, por exemplo, a morfina e a heroína; outras, por sua vez, necessitam doses 5 a 10 vezes maiores para produzir os mesmos efeitos como a codeína e a meperidina.
Algumas drogas podem ter também uma ação mais específica, por exemplo, de deprimir os acessos de tosse. É por esta razão que a codeína é tão usada como antitussígeno, ou seja, é muito boa para diminuir a tosse. Outras têm a característica de levarem a uma dependência mais facilmente que as outras; daí serem muito perigosas como é o caso da heroína.
Além de deprimir os centros da dor, da tosse e da vigília (o que causa sono) todas estas drogas em doses um pouco maior que a terapêutica acabam também por deprimir outras regiões do nosso cérebro como, por exemplo, os que controlam a respiração, os batimentos do coração e a pressão do sangue.
A classificação do Zipeprol como uma substância com ação de opiáceo foi recente. A intoxicação com esta substância pode com freqüência vir acompanhada de convulsões.
As pessoas sob ação dos narcóticos apresentam uma contração acentuada da pupila dos olhos (“menina dos olhos”): elas às vezes chegam a ficar do tamanho da cabeça de um alfinete. Há também uma paralisia do estômago e a pessoa sente-se empachada, com o estômago cheio como se não fosse capaz de fazer a digestão. Os intestinos também ficam paralisados e como conseqüência a pessoa que abusa destas substâncias geralmente apresenta forte prisão de ventre. É baseado neste efeito que os opiáceos são utilizados para combater as diarreias, ou seja, são usados terapeuticamente como antidiarréicos.
OPIÁCIOS – São substâncias derivadas do ópio que produzem uma analgesia (diminuem a dor), uma hipnose.
Opiáceos naturais – derivados do ópio sem nenhuma modificação (ópio, pó de ópio, morfina, codeína).
Opiáceos semi-sintéticos – resultantes de modificações parciais das substâncias naturais (heroína).
Opiáceos sintéticos – Zipeprol
Drogas opiáceas são: codeína, zipeprol, ópio, morfina e heroína.

10.523 – Medicina – Drogas ilegais que podem ser usadas em tratamentos médicos


Maconha pode ser usada para aliviar a dor – mas ela não é a única droga ilegal que pode ser usada como remédio.
Confira essa lista com outras sete drogas que também servem a propósitos médicos e lembre-se que você não deve, em hipótese alguma, fazer uso delas sem o acompanhamento correto:
O governo dos Estados Unidos, nas décadas de 50 e 60, fez vários testes com o LSD para que ele fosse usado por soldados na guerra, mas pouca gente sabe que a comunidade médica também se interessou pela droga. Estudos dos anos 50 mostraram que ela é eficiente no tratamento contra o alcoolismo em até 50% dos casos. Em um hospital de Maryland, os médicos ofereciam LSD aos seus pacientes de câncer em caso terminal para diminuir a ansiedade deles em relação à morte. Um terço dos pacientes disse se sentir menos nervoso e com menos dores. Durante os anos 60, o LSD foi usado na psicoterapia, para aliviar dores crônicas. Até em doses menores do que as que produzem alucinações, o LSD era mais eficiente do que outros analgésicos. Mais recentemente, Harvard usou LSD para tratar pacientes com enxaquecas, com uma dosagem bem pequena, inferior à que produz alucinações, e diminui as dores dos pacientes.

Cogumelos mágicos
Os componentes dos cogumelos mágicos têm efeitos similares aos do LSD, especialmente no tratamento de enxaquecas. Uma quantidade bem inferior àquela que produz alucinações pode diminuir a freqüência das crises de enxaquecas, com os pacientes podendo passar até seis meses sem ter uma única crise.

Ecstasy
O componente que deixa os usuários do ecstasy tão alegres também pode ser usado para tratar distúrbios de ansiedade. Também seria eficiente para diminuir os sintomas de Parkinson liberando serotonina no organismo.Vítimas de estresse pós-traumático também mostram uma resposta positiva nos tratamentos com a droga.

cocaina

Cocaína
Bem antes de ser usada em “carreirinhas” a cocaína era considerada um remédio milagroso, que poderia ser usada para curar desde alcoolismo até febres. Apesar da medicina moderna ter descoberto tratamentos mais seguros, a droga ainda é usada, muitas vezes, como anestésico para cirurgias nos olhos, no nariz e na garganta. Também foi usada como tratamento para pacientes que sofrem com dores de cabeça severas. A planta que produz a cocaína, a coca, têm menos alcalóides e foi usada por muitos séculos na medicina dos americanos nativos.

heroina

 

Heroína
É conhecida como um dos mais eficientes analgésicos do mundo! Ainda é usada para tratar dor extrema, no caso de pacientes com câncer nos ossos, por exemplo. A literatura médica indica a heroína como um analgésico mais seguro do que opiatos sintéticos usados hoje.

ketamina

Ketamina
É um tranqüilizante de animais conhecido como “o K especial”. Provou que pode tratar e curar depressão, até mesmo em pessoas que não mostraram reação a outros tipos de tratamento. O mais interessante é que a droga é capaz de consertar conexões no cérebro que foram danificadas por estresse crônico.
Anfetaminas
São usadas hoje para tratar várias doenças, incluindo narcolepsia e déficit de atenção. Algumas pesquisas mostraram que elas podem ser eficientes até no combate contra a obesidade. Outro uso surpreendente é na recuperação de pacientes que sofreram um ataque cardíaco.